2015 3 tri lição 7 eu sei em quem tenho crido

Download 2015 3 tri lição 7   eu sei em quem tenho crido

Post on 12-Aug-2015

589 views

Category:

Education

2 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

<ol><li> 1. P r . N a t a l i n o d a s N e v e s www.natalinodasneves.blogspot.com.br </li><li> 2. Demais subsdios: Acompanhe os comentrios em vdeo desta e outras lies no blog: www.natalinodasneves.blogspot.com.br </li><li> 3. Texto ureo "[...] porque eu sei em quem tenho crido e estou certo de que poderoso para guardar o meu depsito at quele Dia." (2 Tm 1.12) </li><li> 4. Verdade Prtica O crente, assim como o lder, precisa ter convico de sua chamada e de sua condio de salvo em Jesus Cristo. </li><li> 5. LEITURA BBLICA 2 Tm 1.3-8; 2.1-4 2 Tm 1.3 - Dou graas a Deus, a quem, desde os meus antepassados, sirvo com uma conscincia pura, porque sem cessar fao memria de ti nas minhas oraes, noite e dia; 4 - desejando muito ver-te, lembrando-me das tuas lgrimas, para me encher de gozo; 5 - trazendo memria a f no fingida que em ti h, a qual habitou primeiro em tua av Loide e em tua me Eunice, e estou certo de que tambm habita em ti. 6 - Por este motivo, te lembro que despertes o dom de Deus, que existe em ti pela imposio das minhas mos. 7 - Porque Deus no nos deu o esprito de temor, mas de fortaleza, e de amor, e de moderao. 8 - Portanto, no te envergonhes do testemunho de nosso Senhor, nem de mim, que sou prisioneiro seu; antes, participa das aflies do evangelho, segundo o poder de Deus, </li><li> 6. LEITURA BBLICA 2 Tm 1.3-8; 2.1-4 2 Tm 2.1 - Tu, pois, meu filho, fortifica-te na graa que h em Cristo Jesus. 2 - E o que de mim, entre muitas testemunhas, ouviste, confia-o a homens fiis, que sejam idneos para tambm ensinarem os outros. 3 - Sofre, pois, comigo, as aflies, como bom soldado de Jesus Cristo. 4 - Ningum que milita se embaraa com negcio desta vida, a fim de agradar quele que o alistou para a guerra. </li><li> 7. Objetivos Refletir a respeito das oraes e ao de graas em favor da liderana. Saber que o lder e o crente necessitam ter convices fortes em Deus. Compreender que o sofrimento tambm faz parte da vida crist. Aplicar o contedo aprendido vida pessoal. </li><li> 8. INTERAGINDO COM O PROFESSOR LB Edio professor P r e z a d o p r o f e s s o r, a p a r t i r d e s t a l i o e s t a r e m o s e s t u d a n d o a r e s p e i t o d a S e g u n d a E p s t o l a d e Ti m t e o . i m p o r t a n t e r e s s a l t a r q u e e s t a f o i a l t i m a c a r t a d e P a u l o . E s t a e p s t o l a f o i e s c r i t a e m u m a p o c a e m q u e o s c r e n t e s e s t a v a m e n f r e n t a n d o u m a f o r t e o p o s i o p o r p a r t e d o i m p e r a d o r N e r o . P a u l o e s t a v a s o b a c u s t d i a d o g o v e r n o r o m a n o , s e n d o t r a t a d o c o m o u m c r i m i n o s o c o m u m e a b a n d o n a d o p o r a l g u n s a m i g o s ( 1 . 1 5 ) . O a p s t o l o t i n h a c o n s c i n c i a d e q u e s u a c a r r e i r a e s t a v a c h e g a n d o a o f i m , p o r m d i a n t e d e t o d a s a s a d v e r s i d a d e s e s o f r i m e n t o s , e l e n o p e r d e u a e s p e r a n a . P a u l o s e d e s p e d e d o a m i g o Ti m t e o , e x o r t a n d o - o a p e r s e v e r a r n a f c r i s t c o m o u m b o m s o l d a d o c r i s t o . </li><li> 9. INTRODUO Concludo o estudo da primeira, agora vamos estudar a 2 Carta a Timteo. Esta carta foi escrita enquanto Paulo se encontrava preso, em sua segunda priso em Roma. Preso em uma priso, mas livre por meio de Evangelho e de seu Anuncio. a despedida de Timteo, bem como suas ltimas orientaes ao filho na f. </li><li> 10. PONTO CENTRAL O lder precisa ter segurana de sua salvao em Jesus Cristo. </li><li> 11. I - ORAES E AO DE GRAAS (1.3-5) </li><li> 12. I - ORAES E AO DE GRAAS (1.3-5) Timteo, embora longe fisicamente, estava presente na vida de Paulo. Paulo d incio a Segunda Carta a Timteo chamando o jovem pastor de "amado filho (v. 2). Paulo no tinha dificuldade para demonstrar seu afeto e amor por Timteo. </li><li> 13. I - ORAES E AO DE GRAAS (1.3-5) Paulo expressava seus sentimentos a Deus por meio de orao contnua. O foco de sua orao no era pedir por si mesmo e sua situao, mas para interceder pela obra e pessoas, em especial, para agradecer Deus. O agradecimento Deus marcado pelas lembranas. </li><li> 14. I - ORAES E AO DE GRAAS (1.3-5) Paulo orava: Constantemente em favor de seu amigo e filho na f (v.3); Pelo desejo de ver Timteo de perto (v. 4); Em recordao das lgrimas sinceras de Timteo quando da despedida deles (relacionamento agradvel Deus); Em agradecimento pelo carter exemplar de Timteo; Em agradecimento pelo carter gerado mediante discipulado recebido no prprio lar (v. 5) e reforado por Paulo. Modelo de educao familiar crist; A educao familiar de Timteo serve de exemplo para as famlias crists atuais. </li><li> 15. Como Paulo, voc tem facilidade para expressar seus sentimentos a Deus e as pessoas? Qual a qualidade de sua orao? Voc tem sido grato Deus ou tem mais o hbito de reclamar? APLICAO PRTICA </li><li> 16. SNTESE DO TPICO I Paulo ora e agradece a Deus pela vida de Timteo, seu filho na f. </li><li> 17. II - A CONVICO EM DEUS (v.v. 6-14) </li><li> 18. II - A CONVICO EM DEUS (v.v. 6-14) Paulo relembra Timteo sobre a confirmao do chamado de Deus na vida dele na consagrao por meio de dons (v.6). Uma exortao para perseverana: Por este motivo, te lembro que despertes o dom de Deus Paulo reafirma a confiana depositada no incio do ministrio: [...] que existe em ti pela imposio das minhas mos.. </li><li> 19. II - A CONVICO EM DEUS (v.v. 6-14) Paulo exorta Timteo para no se acovardar diante dos opositores: Porque Deus no nos deu o esprito de temor, mas de fortaleza, e de amor, e de moderao (V.7). O dom recebido precisa ser reavivado constantemente, se no o crente pode ser derrotado pelo medo. O medo e a insegurana so inimigos a serem vencidos para sermos efetivos em favor da obra de Deus. </li><li> 20. II - A CONVICO EM DEUS (v.v. 6-14) O Esprito Santo nos ajuda a superar o medo e nos encoraja a prosseguir (Ef 5.18). O Esprito que vem de Deus de: fora comparao com o soldado (2.3-4); amor suavidade no educar os opositores (2.25); sabedoria discernimento diante dos conflitos (3.1-5; 4.1-5). Timteo precisava se fortalecer, pois deveria ser o exemplo para a igreja (2 Tm 1.13). </li><li> 21. II - A CONVICO EM DEUS (v.v. 6-14) Diferente das concepes (gnosticismo /judaica), Paulo via o sofrimento como comunho com a paixo de Cristo (Fp 3.10; Cl 1.24). Paulo pede a Timteo solidariedade no seu sofrimento (v.8; 2.3). Quem se solidariza no sofrimento deve confiar em Deus e receber a mesma recompensa de Jesus. </li><li> 22. II - A CONVICO EM DEUS (v.v. 6-14) Paulo tinha essa convico: E o Senhor me livrar de toda m obra e guardar-me- para o seu Reino celestial; a quem seja glria para todo o sempre. Amm!(4.18). Ver tambm 2.11; 4.6-8). Ver tambm 2 Tm 2.11; 4.6-8. Timteo precisava se fortalecer, pois deveria ser o exemplo para a igreja (2 Tm 1.13). </li><li> 23. Voc tem convico de sua comunho com Deus? Voc tem convico do seu chamado? No se amedronte diante das dificuldades e opositores, busca fora no Esprito Santo! APLICAO PRTICA </li><li> 24. SNTESE DO TPICO II O pastor, assim como os crentes, necessita ter convico de sua salvao em Jesus Cristo. </li><li> 25. III - UM CONVITE AO SOFRIMENTO POR CRISTO (2.1-13) </li><li> 26. III - UM CONVITE AO SOFRIMENTO POR CRISTO (2.1-13) Timteo certamente enfrentava desafios alm de suas foras (LB). Paulo orienta a sada: "fortifica-te na graa que h em Cristo Jesus (v.1). Aos efsios, Paulo disse: No demais, irmos meus, fortalecei-vos no Senhor e na fora do seu poder (Ef 6.10). Jesus advertiu sobre as aflies da vida crist (Jo 16.33; Mt 16.24). </li><li> 27. III - UM CONVITE AO SOFRIMENTO POR CRISTO (2.1-13) Paulo compara a vida do cristo a de um soldado em guerra, sujeita a dificuldade e sofrimentos (v.3). Diferente das concepes (gnosticismo /judaica), Paulo via o sofrimento como comunho com a paixo de Cristo (Fp 3.10; Cl 1.24). Paulo pede a Timteo solidariedade no seu sofrimento (v.8; 2.3). </li><li> 28. III - UM CONVITE AO SOFRIMENTO POR CRISTO (2.1-13) Quem se solidariza no sofrimento deve confiar em Deus, assim receber a mesma recompensa de Jesus. A exemplo do lavrador (v. 6), que no anonimato, planta com pacincia na esperana de colher os frutos. Paulo diz para Timteo que quem primeiro deve gozar dos frutos da plantao o "lavrador que trabalha" (2 Tm 2.6). </li><li> 29. Como voc tem lidado com o sofrimento? Voc tem sido um bom soldado de Cristo? Voc tem sabido esperar com pacincia como um bom lavrador de Cristo? APLICAO PRTICA </li><li> 30. SNTESE DO TPICO III A nossa f em Jesus no nos isenta de enfrentar perseguies e sofrimentos. </li><li> 31. CONSIDERAES FINAIS </li><li> 32. CONSIDERAES FINAIS 1. Paulo expressava seus sentimentos Deus e s pessoas amadas, sendo grato Deus pelas lembranas e pela vida. 2. Paulo adverte Timteo a no se acovardar diante dos opositores e desafios, mas ser perseverante na convico no chamado de Deus. 3. A solidariedade no sofrimento em Cristo e a recompensa ao fiis e pacientes. </li><li> 33. PARA REFLETIR C o m o P a u l o c h a m a T i m t e o n a S e g u n d a C a r t a ? R ) A m a d o f i l h o . D e a c o r d o c o m a l i o , q u a l o s i g n i f i c a d o d a p a l a v r a a g a p a t o s n o o r i g i n a l ? R ) A p a l a v r a n o o r i g i n a l s i g n i f i c a m u i t o a m a d o . O q u e a s l g r i m a s d e P a u l o p o r T i m t e o r e v e l a m ? R ) R e v e l a m u m a p r o f u n d a a f e i o e c u i d a d o . Q u a n d o t e v e i n c i o o d i s c i p u l a d o d e T i m t e o ? R ) A i n d a n a s u a i n f n c i a . A e d u c a o f a m i l i a r d e Ti m t e o d e ve s e r v i r d e e x e m p l o p a r a q u e m ? R ) D e v e s e r v i r d e e x e m p l o p a r a o s l d e r e s e p a r a o s p a i s . </li><li> 34. REFERNCIAS BO RTO LI NI , J os . Co mo l e r a Pri me i r a C a rt a a Tim t eo . 3 Reim preso . So Paulo : Paulus , 2012. BO RTO LI NI , Jo s . C om o l e r a Se gu nd a C a rt a a Ti mt e o . 3 Edio. So Paulo: Paulus, 2008. C A LVI NO , J o o . P a s tor a i s . S o P a u lo : E d i es P ar ac le to s , 1998. GOP P E LT, Le o n h ar d . Te ol ogi a d o N ov o Te st am e nto . 3 Ed. So Paulo : Editor a Teolgic a, 2003. H A L E , Br o a d us D a vid . I nt ro du o a o E st ud o do N ov o Testamento . So Paulo: Hagnos, 2001. LI ES B BL I C AS . A I gr e ja e s eu Te st em un h o : as or d e na n as d e Cr ist o n as c art as p ast or a is . R io d e J a n e ir o : CPAD, 2015. </li><li> 35. REFERNCIAS LI M A , Elin a ld o R e n o vat o d e. As o r d en a n a s d e Cr i sto n a s Cartas Pastorai s . Rio de Janeiro: CPAD, 2015. RI C H AR D S , L a wr e n ce O. C om e nt r io Hi st ri co -C ul tu r al do Nov o Testamento . Rio de Janeiro: CPAD, 2014. RI C H A R D S , La wr e n ce O. G ui a do l e it or d a B b li a: um a a n lis e d e G n es is a A p oc a lips e ca p t u lo p or c a p tu lo . R i o de Janeiro: CPAD, 2005. STOT T, J o h n. A m e ns a g em d e 2 Ti mt eo : Tu, p or m . 5 Edio . So Paulo : ABU Editor a, 2001. Zu ck , Ro y b . Te ol og ia d o N ov o Te st am e nto . R io de Janeiro: CPAD, 2008. </li></ol>