2 edio disciplina - evoluo da clula que deu origem biodiversidade da terra. por fi m,...

Download 2 Edio DISCIPLINA -   evoluo da clula que deu origem  biodiversidade da Terra. Por fi m, considerando as eras geolgicas e as ... estrelas mais primitivas geradas a

Post on 31-Mar-2018

215 views

Category:

Documents

2 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • aula

    Franklin Nelson da Cruz

    Gilvan Luiz Borba

    Luiz Roberto Diz de Abreu

    Cincias da Natureza e RealidadeD I S C I P L I N A

    Autores

    09

    O Homem origens

    2 Edio

    CI_NAT_A09_RAARL_090810.indd S11CI_NAT_A09_RAARL_090810.indd S11 09/08/10 15:3309/08/10 15:33

  • Copyright 2007 Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste material pode ser utilizada ou reproduzida sem a autorizao expressa da UFRN - Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

    Diviso de Servios Tcnicos

    Catalogao da publicao na Fonte. UFRN/Biblioteca Central Zila Mamede

    Coordenadora da Produo dos Materiais

    Clia Maria de Arajo

    Projeto Grfi co

    Ivana Lima

    Revisores de Estrutura e Linguagem

    Eugenio Tavares Borges

    Marcos Aurlio Felipe

    Pedro Daniel Meirelles Ferreira

    Tatyana Mabel Nobre Barbosa

    Revisoras de Lngua Portuguesa

    Janaina Tomaz Capistrano

    Sandra Cristinne Xavier da Cmara

    Ilustradora

    Carolina Costa

    Editorao de Imagens

    Adauto Harley

    Carolina Costa

    Diagramadores

    Bruno Cruz de Oliveira

    Maurcio da Silva Oliveira Jnior

    Mariana Arajo Brito

    Thaisa Maria Simplcio Lemos

    Imagens Utilizadas

    Banco de Imagens Sedis (Secretaria de Educao a Distncia) - UFRN

    MasterClips IMSI MasterClips Collection, 1895 Francisco Blvd, East, San Rafael, CA 94901,USA.

    MasterFile www.masterfi le.cpom

    MorgueFile www.morguefi le.com

    Pixel Perfect Digital www.pixelperfectdigital.com

    FreeImages www.freeimages.co.uk

    FreeFoto.com www.freefoto.com

    Free Pictures Photos www.fre-pictures-photos.com

    BigFoto www.bigfoto.com

    FreeStockPhotos.com www.freestockphotos.com

    OneOddDude.net www.oneodddude.net

    Governo Federal

    Presidente da RepblicaLuiz Incio Lula da Silva

    Ministro da EducaoFernando Haddad

    Secretrio de Educao a DistnciaRonaldo Motta

    ReitorJos Ivonildo do Rgo

    Vice-ReitorNilsen Carvalho Fernandes de Oliveira Filho

    Secretria de Educao a DistnciaVera Lucia do Amaral

    Secretaria de Educao a Distncia (SEDIS)

    Cruz, Franklin Nelson da.

    Cincias da natureza e realidade: interdisciplinar/ Franklin Nelson, Gilvan Luiz Borba, Luiz Roberto Diz de Abreu. Natal, RN: EDUFRN Editora da UFRN, 2005.

    348 p.

    ISBN 85-7273-285-3

    1. Meio Ambiente. 2. Terra. 3. Universo. 4. Natureza. 5. Seca. I. Borba, Gilvan Luiz. II. Abreu, Luiz Roberto Diz de. III. Ttulo.

    CDD 574.5RN/UF/BCZM 2005/45 CDU 504

    CI_NAT_A09_RAARL_090810.indd S12CI_NAT_A09_RAARL_090810.indd S12 09/08/10 15:3309/08/10 15:33

  • 12 Edio Aula 09 Cincias da Natureza e Realidade

    1

    2

    3

    4

    5

    6

    Permit ir que voc ident i f ique as vias que contriburam para a origem da vida na Terra e para a evoluo humana.

    Apreciar contextos temticos e extrair destes as informaes necessrias compreenso da aula.

    Estabelecer as condies necessrias ao surgimento da vida na Terra.

    Evidenciar a importncia de algumas substncias que contriburam para a gnese da clula primordial.

    Evidenciar as teorias que explicam de forma cientfi ca a origem da vida e estabelecer as vias essenciais evoluo humana.

    Fornecer respostas s atividades programadas.

    Apresentao

    A nossa nona aula tem como ttulo O Homem origens. Inicialmente, estabelecemos as condies fsico-qumicas necessrias gnese da clula precussora da vida. A seguir, a partir das teorias cientfi cas estabelecidas, traamos o perfi l qumico-biolgico da evoluo da clula que deu origem biodiversidade da Terra. Por fi m, considerando as eras geolgicas e as transformaes biolgicas operadas, evedenciamos a evoluo humana, delineando tambm a rvore genealgica do homem.

    A resoluo de atividades e a auto-avaliao esto associadas leitura cientfi ca da aula ou, em alguns momentos, a trabalhos de pesquisa bibliogrfi ca, na Internet ou ainda de pesquisa de campo.

    Objetivos

    CI_NAT_A09_RAARL_090810.indd S21CI_NAT_A09_RAARL_090810.indd S21 09/08/10 15:3309/08/10 15:33

  • 2 Aula 09 Cincias da Natureza e Realidade 2 Edio

    A vida

    Em uma noite de vero, de muito calor, imagine-se acampado prximo a um stio arqueolgico a alguns quilmetros de seu municpio. O tempo passa, a conversa com os amigos est animada, mas o sono chega. De repente, buscando relaxar, voc deita sobre a relva e trava contato com o cu repleto de estrelas, sendo, assim, induzido a refl etir sobre a vida. De imediato, uma questo lhe vem mente: o que vida? Quase que de repente voc se transfi gura, busca uma resposta, mas no a encontra e se sente impotente diante da complexidade da questo. Mesmo assim, no se entrega e, sob a luz do luar, olha para o ambiente que o cerca e observa que tudo a sua volta constitui provas de uma Terra fsica, qumica e biolgica. As rochas, as nuvens, a gua do riacho prximo ao acampamento so provas reais da Terra fsica e qumica. Como tambm, os pequenos pontos luminosos que anunciam a presena de vaga-lumes, o zumbir dos insetos, o canto da ave noturna e at mesmo voc so provas de uma Terra biolgica.

    Todos esses atributos so partes integrantes de um grande reator, que opera a rendimento mximo, com um nico intento: a vida. As suas fronteiras so mveis e estendem-se sobre a atmosfera, o solo, os mares e seus abismos, os desertos, as regies geladas e as fl orestas. Ele opera em contnuo, produzindo o alimento, o ar e a gua, ingredientes necessrios gerao e manuteno da vida. No obstante a sua diversidade quanto a formas, dimenso e condies a que est submetido, a integrao das suas partes perfeita.

    Para comprovar tal integrao, tomamos como exemplo a qumica do corpo humano. Ela se desenvolve com base nos mesmos elementos qumicos, a energia envolvida decorre das mesmas reaes e mecanismos fsico-qumicos de regulao semelhantes em qualquer ser humano.

    Como veremos, o corpo humano um verdadeiro histrico da vida sobre a Terra, visto que suas clulas so mantidas em um ambiente contendo alto teor de Carbono e Hidrognio, semelhante ao do meio que as originou. Ainda hoje, elas esto imersas em uma soluo composta por gua e sais de elementos essenciais vida, de composio semelhante dos oceanos primitivos.

    Se a clula fosse utilizada como unidade monetria universal, erradicaramos a pobreza j que seramos todos trilionrios. Isso porque somos constitudos por 1 trilho (1012) de clulas animais e outros 10 trilhes (1013) de clulas bacterianas. Ao distribuirmos por ordem de prioridade os vrios segmentos constituintes do sistema vida, a clula ocupar lugar de destaque. Como veremos a seguir, ela a unidade fundamental da vida.

    CI_NAT_A09_RAARL_090810.indd S22CI_NAT_A09_RAARL_090810.indd S22 09/08/10 15:3309/08/10 15:33

  • 32 Edio Aula 09 Cincias da Natureza e Realidade

    Atividade 1

    Origens da vida

    Condies fsico-qumicas favorveis vidaQuais as condies fsico-qumicas reinantes sobre o planeta Terra no momento em que

    a vida surgiu?

    Mesmo que essas condies no tenham sido estabelecidas at a presente data, de extremo interesse da cincia, baseada em hipteses formuladas a respeito das variveis fsico-qumicas que caracterizavam a biosfera primordial, determinar as condies mnimas necessrias ao surgimento da vida sobre a Terra.

    Qual a estrela do sistema solar? Qual o seu tamanho, a sua massa, a sua densidade e como ela favorece o surgimento da vida?

    Na realidade, ao responder essa atividade, voc estar se referindo estrela que possibilita atravs do seu dote energtico as condies necessrias vida sobre a Terra: o Sol. Caso existisse mais de uma estrela desse porte no sistema solar, as rbitas descritas pelos planetas seriam instveis e a Terra seria estril.

    A massa da estrela tambm de fundamental importncia, visto que uma massa menor do que a encontrada por voc signifi caria uma luminosidade menor e, conseqentemente, um aporte de energia insufi ciente ao surgimento e manuteno da vida sobre a Terra. Ainda nesse contexto, uma estrela com massa maior seria tambm desfavorvel, sobretudo, porque teria uma durao de vida muito curta. Observamos assim que quanto maior for a massa da estrela, menor ser sua fase de estabilidade e mais rpido o seu desaparecimento. No entanto, esse fato no impossibilita que, em torno dessa densa estrela, algum astro possa desenvolver formas de vidas primitivas.

    A composio qumica do Sol sofreu sensveis mudanas quando comparada das estrelas mais primitivas geradas a partir do Big Bang, constitudas essencialmente pelos dois elementos mais abundantes do universo, Hidrognio e Hlio. O surgimento de elementos mais pesados como Carbono, Oxignio e Nitrognio, essenciais vida, decorrncia do desenvolvimento de estrelas primitivas, dando origem s estrelas de segunda ou terceira gerao (ver Figura 1).

    CI_NAT_A09_RAARL_090810.indd S23CI_NAT_A09_RAARL_090810.indd S23 09/08/10 15:3309/08/10 15:33

  • 4 Aula 09 Cincias da Natureza e Realidade 2 Edio

    Atividade 2

    Fornea uma descrio qualitativa dos elementos qumicos presentes no solo da sua regio.

    Figura 1 Proporo relativa de elementos mais abundantes no Sol

    Portanto, para a ocorrncia da vida em um planeta, imprescindvel que as condies listadas a seguir sejam atendidas:

    a dimenso de sua rbita no seja muito grande;

    a distncia da estrela responsvel pelo aporte de energia ao planeta esteja em acordo com as leis da natureza, favorecendo assim as condies fsico-qumicas reinantes;

    por razes de estabilidade trmica, o movimento de translao do planeta em torno da estrela deve se processar numa rbita com geometria prxima a de um crculo;

    a massa do planeta seja adequada, a fi m de que a acelerao da gravidade seja capaz de reter os elementos relativame

Recommended

View more >