1º e 2º pedro - lições bíblicas 4t2001

Download 1º e 2º Pedro - Lições Bíblicas 4T2001

Post on 16-Feb-2016

124 views

Category:

Documents

30 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Esta lição visa familiarizar o leitor com as cartas do apóstolo Pedro. Hoje conheceremos um pouco mais sobre a vida desse grande apóstolo o dos crentes que foram os destinatários originais de suas abençoadas epístolas. Alem disso, teremos uma visão geral sobre cada carta. Isto será de grande valia para compreendermos alguns ensinamentos do apóstolo Pedro, dirigidos a vários segmentos da igreja, que serão considera dos nas próximas lições.

TRANSCRIPT

  • A L U N O

  • Comentrio: ELIEZER LIRAConsultor Doutrinrio e Teolgico: ANTONIO GILBERTO Lies do 4 Trimestre de 2001

    SUMRIOLio IApresentando as cartas de Pedro Lio 2O novo nascimentoLio 3Sede santosLio 4Uma nova vida Lio 5O cristo e a sociedade Lio 6Os deveres do crente no matrimnio Lio 7O relacionamento entre os irmos Lio 8A alegria no sofrimento Lio 9Aos obreiros do Senhor Lio 10O relacionamento entre os membros da igreja Lio liOs falsos mestres Lio 12A certeza da vinda de Cristo Lio 13Aguardando a vinda do Senhor

    Lies Bblicas 1

  • LOJAS

    ALUNOPublicao Trimestral da Casa Pubiicadora

    das Assemblias de DeusAv. Brasil, 34.401 - Bangu

    CEP 21852-000 - Rio de Janeiro - RJ Tel.: (21) 2406-7373 - Fax: (21) 2406-7320 Livraria Virtual - http://www.cpad.com.br

    E-mail: comercialCidcpad.com.br

    Presidente da Conveno Geral Jos Wellington Bezerra da Costa

    Presidente do Conselho Administrativo

    Antonto Dionsio da Silva

    Diretor ExecutivoRonaldo Rodrigues de Souza

    Gerente FinanceiroWalter Alves de Azevedo

    Gerente de PublicaesClaudionor Corra de Andrade

    Gerente de ProduoRuy Bergstcn

    Gerncia do ComercialCcero da Silva

    Setor de Educao Crist Marcos Tuler

    Alexandre Coelho Gerson Napoleo

    Lilian Fonseca da Motta Pedrina Helena Trevas

    Projeto GrficoEduardo Souza

    Editorao EletrnicaOlga Rocha dos Santos

    CapaMontagem de Eduardo Souza

    Atendimento - CotasFlavia Rosa de Souza

    MlFIL IA IS :AM AZON AS - Rua BflfKigu 4 GerjlrC EP 69010-050- Manaus - AM feisia* |3s ( t ?I iiiail: cpadmanaus@objetivtiMei. !:: Ssrssifc:1 iidos Rocha dos SantosBRA SLIA - Setor Comercial Sul - d b, 01 L j*4 G.ilori.i Nova Ouvidor - Braslia - DF (.1 P /u h? kai lelolnx (61) 321-9288 - E-mail: cpbra@ ii } u Goronto: Severino Joaquim da Silva Filho PARAN - Rua Senador X av ie r d a 'S ilv a , 450 C E P 110630 060 - Centro C v ico - Curitiba PR Tel.. (4 1) 222-6612 Gerente: Josias Paz de Magalhan PERNAMBUCO Av. Dantas Barreto, 1021- So Jos- C E P '50020 000 - Rocife - P E - Telefax: (81) 3424 6600 E-mail: cpadnoftOelogica.com.br Gerente: Joo Batisla G . da SilvaRIO DE JANEIROVicente de Carvalho Av. Vicenle de Carvalho, 1083- V. de Carvalho - C EP 21210 000 Rio de Janeiro R J - Tel.: (21) 2481-2101/2481-2350 Fax: (21) 2481- 5913 - E-m ail: cpadvcftOuol.com.hr Gerente: Maria Madalena Pimenlel da SilvaNiteri - Rua Aurelino Loal, 47 - loja B - C EP 24020- 110 - Centro - Niteri - R J - Tel.: (21) 2620-4318 - Fax: (21) 2621-4038 Gerente: Silvio Torn da Silva Jnior Nova Iguau - Av. Governador Amaral Peixoto, 427 loja 101 e 103 - C E P 26210-060 - Galeria Veplan Centro - Nova Iguau - R J - Tel.: (21) 2667-4061 Fax: (21) 667-8163 - Gerente: Marlene Campos SANTA CATARINA - Rua Felipe Schmidl, 752 Loja I ,2 e 3 - Edifcio Bougainvillna Conlro - C LP8B010 002- Florianpolis - SC - Telolax: (48) 225-3923 / 225 II2H E-mail: cpadfloripa@uol.com IxGerente: Edgard Pereira do SantoB Junior SO PAULO - Rua Conselheiro Coleglpe, 3 10 < ;i ( 03058-000 - Belenznho SP lololnx (11) 207 16// E-mail: cpadb@uol.com.bi Gerente: Paulo Gilberto Bdungral/FLRIDA IJSA 3939 NorIh I mlmol I linhwey IVini|rii) 231 3004 Gerente: Gilvan XavierP A RA - E .L .G O U V E IA Av Gov. Jo s Mnlcher 1579 - Conlro C E P 0001.0 330 Belm PA Tel.: (91) 222-/965 Goronle Bunodllo do Moraes Jr

    DISTRIBU IDO RES:C EAR - l.ojrni dn Bihlltt - Rua ,Senador Pompeu, 834loja 20 Centro C E P 60025 000 Fortaleza - CETel.: (85) 252-3236 Gerente: Jos Maria Nogueira LiraESPIR ITO SANTO - Livraria Belm - Av. Marcos deAzevedo, 205 - Vila Rubim - C E P 29020-160 - Vitria -E S -T e l.: (27) 3222-1015Gerente: Nascimento Leo dos SantosMATO G RO SSO - L iv ra ria Assem blia de DeuAv. Rubens de Mendona, 3.500 - Grande TemploC E P 78008-000 - Centro - Cuiab - MT - Tel.: (06) B442136 - Gerente: Hlio Jos da SilvaMINAS G ER A IS - L iv ra ria Shalom - Rua Ri

  • Lio IAPRESENTANDO AS CARTAS

    DE PEDRO7 d e o u tu b ro d e 2001

    TEXTO UREOToda Escritura divinamente inspirada proveitosa para

    ensinar, para redargir, para corrigir, para instruir em justia

    (2 Tm 3.16).

    VERDADE PRTICAEmbora estas cartas tenham

    sido escritas para destinatrios especficos, continuam atuais e aplicveis Igreja do Senhor.

    LEITURA BBLICA EM CLASSE

    1 PEDRO 1.1,2; 2 PEDRO 3.1,2 1 Pedro 11 - Pedro, apstolo de Jesus Cristo, aos estrangeiros dispersos no Ponto, Galcia, Capadcia, sia e Bitnia,2 - eleitos segundo a prescincia de Deus Pai, em santificao do Esprito, para obedincia e asperso do sangue de Cristo: graa e paz vos sejam multiplicadas.

    n ' wBj1 ' j 1 S

    Segunda - 2 Pe 1.1 Quinta -1 Pe 1.1-7Pedro, servo e apstolo Normas bblicas para casais

    Tera - 1 Pe 5.1 Sexta -1 Pe 5.1Pedro - presbtero entre seus pares

    Normas bblicas para jovens

    Sbado -1 Pe 5. 6-9Quarta - S Pe 4.12Os crentes so provados

    Normas bblicas para todos

  • 2 Pedro 31 - Amados, escrevo-vos, agora, esta segunda carta, em ambas as quais desperto com exortao o vosso nimo sincero,2 - para que vos lembreis das palavras que primeiramente foram ditas pelos santos profetas e do mandamento do Senhor e Salvador, mediante vossos apstolos.

    COMENTRIO

    INTRODUOEsta lio visa familiarizar o

    leitor com as cartas do apstolo Pedro. Hoje conheceremos um pouco mais sobre a vida desse grande aposlolo o dos i rentes que foram os destinatrios originais de suas abenoadas epstolas. Alem disso, teremos uma viso geral sobre cada carta. Isto ser de grande valia para compreendermos alguns ensinamentos do apstolo Pedro, dirigidos a vrios segmentos da igreja, que sero considera dos nas prximas lies.I. PEDRO, 9 AUTOR

    1. Seu nome. O nome oiigi nal de Pedro provm do helu.di o Sinto. No era iiuonmm aos |n deus o uso de nomes girgo'., espe cialmente na Galilela. De acordo com Joo 1.1.1, lesiis deu a Sinio o nome Pedro, quando o encontrou pela primeira vez. Tanto na verso grega (Pedro) quanto na aramaieu (Celas) este nome significa rocha, pedra.

    2 Sua vida 1'i-dro e seu irmo \mhi- i i.iiii | ii .i .ulores, scios ilo l i.igi i..... ! ilhos deZebedeulli S hu 1odro citado em primeiro liig n m nulas as listas dos apstolos i I. q-n nimo porta-voz deles (Mt 1 (> l . itn.si mo era da Galilia e ah, m.m, do que em Jerusalm, as pessoas ape gavam-se s profecias que prome tiam a reverso dos destinos de Israel e o estabelecimento do Reino de Deus. Simo provavelmente acalentava tais anseios do povo hebreu. No de admirar, pois, que ele e seus amigos fossem a procura de Joo Batista, algum que eles talvez esperassem ser o libertador mencionado nas prole i ias. Mas Joo, < om muita t e i cr lez.i, apontou para ntilio; |esus. Andr, ao talai de |esus para seu irmo Pedro, dei l.unu lhe: Achamos o Messias!" (|o 1.11). I stn foi a primeira mensagem que Simo ouviu concernente Aquele que se tornou o objeto de todas as suas esperanas.

    A parlii de ento, Pedro pron- lamente seguiu a Jesus. Como seu disi ipulo, ele em varias oportuni-

    | dades demonstrou o seu tempera mento impetuoso:

    a) Quando Jesus comeou a rv plicar aos discpulos "que convi nha ir a Jerusalm, e [ >.nl. n muitas coisas ... e sei nnoln" (Mt 16.21), Pedro n -.j anlni: "... demodo nenhum n .....< er isso(Mt 16.22), I U- um i nii-.eguiacom preendn qn< o i aminlio para o trono pav.av.i pelo ( al ario. Jesus

    4 i ies Blilii -i'.

  • Ideveria sofrer antes de entrar em sua glria. Esta foi uma lio extremamente difcil para Simo assimilar.

    b) No cenculo, onde Jesus celebrou sua ltima pscoa, Pedro a princpio no queria permitir que seu Senhor fizesse o trabalho de escravo e lavasse seus ps e os dos demais discpulos (Jo 13.6-8).

    c) No Jardim do Getsmani, ele resistiu priso de Jesus e cortou a orelha de Malco, servo do sumo sacerdote (Jo 18.10).

    Certamente muitas dvidas devem t-lo afligido enquanto seguia Jesus de longe (Mc 14.54) em direo ao local de julgamento.

    Chegou, ento, o teste final: ele haveria de negar o Filho de Deus por trs vezes. Cumprindo o que Jesus profetizara, l estava o impetuoso discpulo, afogado num rio de lgrimas, remorso e desiluso. 0 Messias fora preso. No dia seguinte, Ele foi crucificado e expirou na cruz.

    Mas trs dias depois, o Mestre amado ressuscitou poderoso, triunfante e apareceu a Pedro (Lc 24.34; 1 Co 15.5). Suas esperanas renasceram (1 Pe 1.3); ele mesmo renasceu! Enfim, Pedro aprendeu a lio. Mais tarde, aps a descida do Esprito Santo, o mesmo apstolo que primeiro defendeu e depois negou o Senhor, foi submetido a um interrogatrio, aoitado, aprisionado e passou uma noite sob a perspectiva de ser executado (At 12.6). Tudo isso fez com que seu antigo esprito infla

    mado desse lugar a uma nova e viva esperana. Essa transformao pode ser claramente notada no teor dos seus sermes (nos primeiros captulos de Atos) e tambm no contedo de suas cartas.

    011. OS DESTINATRIOSNo primeiro versculo da pri

    meira epstola, Pedro declara que sua mensagem destinava-se aos estrangeiros dispersos no Ponto, Galcia, Capadcia, sia e Bitnia. Esses so nomes antigos de algumas provncias que os romanos organizaram no seu imprio. Os lugares citados localizam-se na regio norte da atual Turquia. Havia igrejas estabelecidas em toda aquela rea, pelo esforo dos de- nodados missionrios daqueles dias, cheios de f e de poder pen- tecostal. A maioria dos habitantes daquela regio era de origem gentlica, mas isto no exclui o fato de que parte deles era de judeus. Porm, como podemos perceber, a nfase na epstola recai sobre o que eles passaram a ser, e no sobre o que originariamente eram.

    1. Situao socia l e ec o n m ica . A leitura da Primeira Epstola de Pedro mostra claramente a preocupao_dtrjLulx>r com a condio soc-ial de saus lsi- tores. Pelo tom geral desta carta parece que o