1ª Reunião da Rede do Tema 4 - PROSAB 5 Manejo de Águas Pluviais - DF Natal-RN, 8 e 9 de fevereiro de 2007

Download 1ª Reunião da Rede do Tema 4 - PROSAB 5 Manejo de Águas Pluviais - DF Natal-RN, 8 e 9 de fevereiro de 2007

Post on 17-Apr-2015

105 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

<ul><li> Slide 1 </li> <li> 1 Reunio da Rede do Tema 4 - PROSAB 5 Manejo de guas Pluviais - DF Natal-RN, 8 e 9 de fevereiro de 2007 </li> <li> Slide 2 </li> <li> Objetivos Geral: Desenvolver sistemas de manejo de guas pluviais com a finalidade de evitar ou atenuar os impactos negativos da urbanizao sobre o escoamento, tanto no aspecto quantitativo como no qualitativo. Alm disso, o projeto visa a integrao harmoniosa desses sistemas de manejo de guas pluviais na paisagem urbana, e com os demais sistemas que fazem parte da infra-estrutura de saneamento bsico de uma cidade. </li> <li> Slide 3 </li> <li> Objetivos (cont.) Especficos: a) Desenvolvimento de alternativas simples, econmicas e de fcil implementao visando a reduo do escoamento superficial; b) estabelecimento e operao de uma rede de monitoramento quantitativo e qualitativo do escoamento no sistema de drenagem urbana; e c) proposio de indicadores de desenvolvimento urbano, e de infra-estrutura de saneamento, para compor um processo de gesto integrada da gua em meio urbano. </li> <li> Slide 4 </li> <li> Atividades a) Sistemas de manejo de guas pluviais a.1) Etapa experimental: Implantao das parcelas de pavimento permevel e das trincheiras experimentais. Ensaios de campo e laboratrio para a caracterizao dos solos das reas experimentais. Ensaios com pavimentos permeveis e trincheiras experimentais para determinao da eficincia das mesmas para diversos tempos de retorno. Avaliao como os diversos mecanismos (sedimentao, filtrao, infiltrao e remoo biolgica) observados nas trincheiras contribuem para a reteno de.alguns poluentes contidos no escoamento pluvial urbano. </li> <li> Slide 5 </li> <li> Atividades (cont.) a) Sistemas de manejo de guas pluviais a.2) Etapa de simulao matemtica: Escolha e/ou adequao do(s) modelo(s) para simular o comportamento das estruturas de infiltrao, e realizao das simulaes. Comparao entre os resultados experimentais e numricos. Desenvolvimento de metodologia para a concepo e o dimensionamento de estruturas que favoream a infiltrao levando em considerao aspectos quantitativo, qualitativos e urbansticos. Avaliao do impacto dessas estruturas no controle de cheias, a nvel de uma bacia hidrogrfica. </li> <li> Slide 6 </li> <li> Atividades (cont.) b) Monitoramento quantitativo e qualitativo do escoamento no sistema de drenagem urbana e sua relao com o uso e ocupao do solo: Implementao de um programa de monitoramento composto, basicamente, por trs aes, que so: b.1) medio da vazo do escoamento pluvial; b.2) coleta de amostras de gua e anlise das mesmas em laboratrio; b.3) relacionamento entre a qualidade do afluente que escoa na rede de drenagem pluvial em estudo com o tipo de uso do solo. </li> <li> Slide 7 </li> <li> Atividades (cont.) </li> <li> Slide 8 </li> <li> Slide 9 </li> <li> Metodologia (cont.) c) Gesto integrada das guas urbanas (abastecimento, esgoto, resduos slidos e drenagem): A ocupao urbana e, conseqentemente, a infra-estrutura a ela associada, tem impacto significativo na drenagem das guas pluviais, sendo que esta ltima tem seu desempenho prejudicado pelas falhas no funcionamento dos sistemas encarregados do esgotamento sanitrio e da limpeza pblica. O abastecimento pblico, principalmente o componente manancial, sofre grandes impactos da drenagem da rea urbana, tanto no aspecto quantitativo como qualitativo. </li> <li> Slide 10 </li> <li> Metodologia (cont.) c) Gesto integrada das guas urbanas (abastecimento, esgoto, resduos slidos e drenagem): Desse conjunto de idias percebe-se que h necessidade de viso sistmica e integradora sobre as guas urbanas. A questo que a compreenso dessas relaes ainda incipiente, resultando em grandes dificuldades para a gesto efetiva e tomada de deciso fundamentada para essa situao. </li> <li> Slide 11 </li> <li> Atividades (cont.) c) Gesto integrada das guas urbanas (abastecimento, esgoto, resduos slidos e drenagem): Pretende-se iniciar o desenvolvimento de um modelo conceitual para descrever o funcionamento dessas relaes, procurando desenvolver a rede causal (baseadas num conjunto de indicadores) para efeitos e impactos relacionados com esses componentes do saneamento (abastecimento de gua, esgotamento sanitrio, manejo de resduos slidos e manejo de guas pluviais). </li> <li> Slide 12 </li> <li> Atividades (cont.) Pretende-se definir o conjunto de indicadores e os valores associados aos mesmos em um sistema com funcionamento ideal ou timo. Esse conceito permite identificar a meta para funcionamento do sistema de gesto. Concomitantemente, pretende-se analisar a confiabilidade desses indicadores, sua preciso e dificuldade para obteno. </li> <li> Slide 13 </li> <li> Metas Fsicas Desenvolvimento de sistemas de manejo de guas pluviais. Monitoramento e caracterizao do escoamento pluvial urbano. Desenvolvimento de modelo conceitual para representar relaes entre os diversos setores do saneamento em ambientes urbanos. </li> <li> Slide 14 </li> <li> Transferncia dos Resultados CAESB, NOVACAP, SLU receberam as concluses e recomendaes do projeto, o que contribuir de fato para a gesto integrada da gua na cidade. ADASA Agncia de gua e Saneamento do DF e a Cmara Legislativa do DF receberam as concluses e recomendaes do projeto por meio das quais podero atualizar a legislao ambiental vigente contemplando os recursos hdricos de forma integrada. </li> <li> Slide 15 </li> <li> Transferncia dos Resultados (Cont.) Associaes de Condomnios Residncias do DF tambm tero acesso aos resultados deste Projeto, podendo implementar as medidas propostas de imediato em seus respectivos condomnios. Os recursos humanos (alunos de graduao e ps graduao, e tcnicos) formados no projeto podero ser aproveitados por empresas locais, para compor seus quadros tcnicos. </li> <li> Slide 16 </li> <li> Equipamentos Solicitados DescrioFinalidadeQuantidade ADCP lateral Channelmaster Medio de vazo1 Linigrafo Orphimedes Medio de nveis (vazo)3 Linigrafo Thalimedes Medio de nveis (vazo)4 Tensimetro tipo Jet Fill Medio de umidade do solo10 Bloco de gesso Delmhorst Medio de umidade do solo50 Medidor de umidade e temperatura do solo. Watchdog Medio de temperatura e umidade do solo 2 </li> <li> Slide 17 </li> <li> Equipamentos Solicitados (cont.) DescrioFinalidadeQuantidade Amostrador automtico Isco 3700 Coletar amostras de gua2 Outros Itens Computador porttil Coletar dados em campo2 Bolsa ICColaborar na execuo das atividades experimentais, principalmente 2 Bolsa DTIColaborar na execuo de todas as atividades. 1 </li> <li> Slide 18 </li> <li> Oramento do Projeto Despesas de Custeio e de Investimento Proposto: R$ 203.685,48 Aprovado: R$ 148.907,00 Diferena: 26,8% Despesas de Pesquisa Bolsas solicitadas: R$ 35.901,36 Bolsas concedidas: R$ 35.901,36 Contrapartida Proposta: R$ 0,00 Aprovada: R$ 0,00 </li> <li> Slide 19 </li> <li> Situao Atual do Projeto Foram contratados os dois bolsistas de IC. Foi contratado o bolsista DTI. Os trs bolsistas esto em processo de treinamento, principalmente no que diz respeito coleta e anlise de amostras de gua, e medio de vazo nas galerias pluviais. Foi solicitada a compra dos equipamentos importados. A FINATEC aguarda a liberao da cota de importao 2007 por parte do CNPq. Foi adquirido parte do material permanente nacional. Obteve-se autorizao para utilizar uma rea dentro do campus da UnB como rea experimental. FINATEC e UnB no autorizaram a utilizao em campo de equipamento porttil comprado com recursos do Projeto. </li> <li> Slide 20 </li> </ul>