1ª Edição Out/Nov/Dez 2008

Download 1ª Edição Out/Nov/Dez 2008

Post on 12-Mar-2016

214 views

Category:

Documents

2 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

1 Edio Out/Nov/Dez 2008

TRANSCRIPT

  • JORNAL DA REPRODUO HUMANA | N 01 - OUT/NOV/DEZ 2008 1

    Jornal trimestral do Centro de Pesquisa e Reproduo Humana Nilo Frantz - N 01 - OUT/NOV/DEZ 2008

    Novidades do 24Congresso Europeu

    Pg. 02

    Imunologiada Reproduo

    Pg. 03

    Artigo: Gravidez apsmaturao in vitro

    de ocitosPg. 04

    Nasceu no ms de agosto, em Porto Alegre, RS, o primeiro beb b ra sileiro pela tcnica de fertilizao em laboratrio que elimina a necessid a de de estimulao hormonal dos o vrios, denominada Maturao in vitro dos ocitos (IVM ou in vitro maturation). O nascimento da pequena Nicole representa um marco no tratamento de ca sais infrteis no Brasil. A menina na sceu bem, pesando 3750 gramas e medindo 50 cm. Foram vrios anos de pesquisas e desenvolvimento da tcnica. A primeira gravidez por IVM registrada na Inglaterra ocorreu some nte no ano passado.

    Primeiro beb brasileiro com a tecnologia IVM

    Publicado recentemente no Jornal Bra- sileiro de Reproduo Assistida, o artigo intitulado Gravidez aps a maturao in vitro de ocitos obtidos sem estimula-o hormonal em pacientes com ovrios policsticos descreve a primeira gesta-o no Pas pela tcnica IVM. A tcnica consiste na captao de vulos imatu-ros e seu subseqente ama durecimento em laboratrio. Aps permanncia em meios de cultura desen volvidos para este fim, atingem o estgio de metfase II (MII), sendo ento fertilizados e trans-feridos os pr-embries para o tero da paciente.

    Mulheres portadoras de ovrios po-licsticos se beneficiam, pois no neces-sitam de estimulao, evitando assim o risco da sndrome da hiperestmulao ovariana, complicao que ocorre em cerca de 5% dos casos e pode levar hospitalizao. A fertilizao in vitro

    clssica, desenvolvida h 30 anos, neces-sita do uso de medicaes hormonais po-

    tentes para o crescimento e amadurecimento do prprio cor po da mu-

    lher. Para isso, necess-

    rio um acompanhamento peridico, a administrao de injees dirias e vrias avaliaes, principalmente atravs da re-alizao de exames de ultra-sonografia.

    Aplicabilidade A IVM tambm pode ser aplicada

    em pacientes que apresentam mlti-plos folculos na ultra-sonografia, mas no tm a sndrome. Outras vanta- gens so a praticidade do tratamento e, principalmente, a diminuio do cus- to, que chega a ser 50% menor, pois no necessria a administrao de gonadotrofinas, salienta o especialista Nilo Frantz.

    Diversas pesquisas cientficas apontam a IVM como uma tcnica que poder tambm ser aplicada para:

    - tentar preservar a fertilidade em mulhe- res acometidas por cncer: necessitam de tratamento (radioterapia, quimiote-rapia) com brevidade e no podem ser estimuladas com hormnios (devido aos efeitos nocivos que a estimulao pode acarretar ao tumor e pela demora dis-pendida durante o ciclo de estimulao);

    - casais de baixa renda: por no apresen-tarem condies de custear uma fertiliza-o in vitro tradicional;

    - outras potenciais indicaes que esto sendo avaliadas: pacientes com embries de baixa qualidade de causa desconhe-cida, doao de vulos, utilizao em pases com legislao mais restritiva para a reproduo assistida e, at mesmo, para todas as pacientes com indicao de fer-tilizao in vitro.

    CONFIRA O ARTIGO NA NTEGRA NA CONTRA-CAPA

    Nicole foi gerada com o auxlio da maturao in vitro de vulo

    LEIA TAMBM

    A equipe que realizou o parto: Dra. Tnia Mara Beatriz, Dr. Nilo Frantz, Dr. Lucas Teixeira, Dra. Flvia Denise Grillo e Dr. Jorge Teixeira (da esquerda para a direita)

  • JORNAL DA REPRODUO HUMANA | N 01 - OUT/NOV/DEZ 20082

    Apresentamos o primeiro exemplar do Jornal da Reproduo, publicao do Centro de Pesquisa e Repro-duo Humana Nilo Frantz, que aborda temas relevantes sobre o diagnstico e tratamento da in-fertilidade conjugal. So apresen-tados os mais recentes avanos e tecnologias da rea da reproduo assistida. Nesta edio, relatado o aperfeioamento de novas tcni-cas, como o caso da IVM. Con-seguimos obter trs gestaes com sucesso. O primeiro beb brasileiro e da Amrica Latina, no caso a me-nina Nicole, fruto de uma matura-o in vitro de ocitos, nascida em agosto, est proporcionando dis-cusses em torno do procedimento na mdia nacional e cientfica.

    O veculo traz os destaques do 24 Congresso da Sociedade Europia de Reproduo Humana e Embriologia (ESHRE), em Barcelona. Os leito-res tambm podero conferir arti-go publicado no American Journal of Obstetrics and Gynecology, que associa a interferncia dos mio-mas nos resultados reprodutivos. A imunologia ganha espao nesta edio para discutir a qualidade e a intensidade da resposta do sistema imune materno.

    Boa leitura!

    EDITORIAL NOTCIAS

    Foi realizada no ms de julho, a 24 Edio Anual do Congresso Euro-peu de Reproduo Humana e Em-briologia. O evento teve a participao do Dr. Nilo Frantz e reuniu mais de 5 mil especialistas. Pesquisadores austra-lianos da Monesh University apresenta-ram trabalho sobre a anlise do DNA das clulas embrionrias, que permite escolher o embrio com mais chances de se desenvolver.

    Outro destaque foi apresentado por pesquisadores franceses do Centro Eylau de Reproduo Assistida. O estudo mos-trou que homens acima de 40 anos tm mais dificuldade de conceber. Os dados foram obtidos, pela primeira vez, anali-

    sando o impacto da idade nos resultados da inseminao intra-uterina (IIU), tan-to nas taxas de gravidez como nas taxas de aborto espontneo. Estudo similar, publicado em 2006, j havia demonstra-do o efeito da idade em gestaes por fer-tilizao in vitro.

    Um novo exame desenvolvido nos Es-tados Unidos verifica a impresso di-gital qumica do fluido em que ficam imersos os embries resultantes da fer-tilizao em laboratrio para identificar qual poder ter mais chances de se desen-volver depois de transferido. Segundo os autores, o exame denominado ViaTestE, poder aumentar em 15% as taxas de gravidez.

    Sede do 24 Congresso em Barcelona

    Novidades do 24 Congresso Europeu emBarcelona

    Aperfeioamento no Jones Institute for

    Reproductive Medicine

    O diretor cientfico do Centro de Pesquisa e Reproduo Huma-na Nilo Frantz, Dr. Marcelo Ferreira, embarcou em setembro para

    a cidade de Norfolk, EUA, onde realiza

    estudos no Jones Institute for Reproduc-

    tive Medicine da Easter Virginia Medical

    School. O Centro considerado refern-

    cia mundial em reproduo assistida,

    responsvel em 1981 pela primeira gesta-

    o com fertilizao in vitro dos Estados

    Unidos. Dr. Marcelo: estudos em Norfolk

    Dr. Nilo FrantzDiretor do Centro de

    Pesquisa e Reproduo

  • JORNAL DA REPRODUO HUMANA | N 01 - OUT/NOV/DEZ 2008 3

    ARTIGO

    A qualidade e a intensidade da res-posta imune materna so funda-mentais para determinar o suces-so gestacional. A fecundao estabelece uma singular relao do tipo enxerto-hospedeiro, na qual o embrio apresenta grande potencial antignico ao organis-mo materno.

    O sistema imune deve permitir uma srie de eventos: a migrao dos esper-matozides pelo trato reprodutivo fe-minino at que ocorra a fertilizao do ocito, o trnsito do zigoto pela trompa, a nidao do blastocisto, a formao da unidade feto-placentria e, finalmente, o crescimento e desenvolvimento do feto at o nascimento.

    O complexo mecanismo da imunologia da reproduo ainda no foi completa-mente desvendado. Entretanto, algumas alteraes se encontram bem esclareci-das, como o caso da presena de an-ticorpos antifosfolpides. Estes levam a dano endotelial com aumento da adeso plaquetria e do tromboxano, o que pode ocasionar eventos trombticos e subse-qentes falhas de implantao, aborta-

    mentos, restrio de crescimento fetal e oligohidramnia.

    Acredita-se que o efeito seja cumulativo, aumentando em 15% a chance de aborta-mento aps cada fenmeno trombtico. Outras alteraes so a elevao das c-lulas NK (natural killer) e a existncia de trombofilias hereditrias. importante lembrar que a gravidez, fisiologicamente, j representa um risco aumentado em at 10 vezes de eventos trombo-emblicos. Assim sabe-se que muitos dos casos, no passado, classificados como infertilidade sem causa definida so decorrentes de al-teraes imunolgicas passveis de diag-nstico e tratamento.

    Histeroscopia de mioma submucoso

    Imunologia da Reproduo

    ATUALIZAO CIENTFICA

    Areviso realizada por Klatsky e Cols e publicada em abril no Ame-rican Journal of Obstetrics & Gy-necology avalia a relao entre os miomas e os resultados reprodutivos. Considera-se o tema relevante, pois se estima que cerca de 20 a 40% das mulheres em idade repro-dutiva apresentem miomas. Os ndulos

    submucosos foram os que tiveram maior repercusso no decrscimo das taxas de gestao (OR 0,5; 95% IC 0,3-0,8), devido diminuio da implantao embrion-ria.

    Nas mulheres com miomas intramurais, os ndices de gestaes cumulativas foram discretamente menores (36,9% vs 41,1%), o que pode refletir vieses da literatura (no h evidncia conclusiva de que miomas intramurais ou subserosos possam afetar a fecundidade). Essas pacientes tambm apresentaram taxas de abortamento mais altas: 20.4% vs 12.9%.

    Complicaes obsttricas associadas aos miomas so raras e podem ser atribudas idade ou a outras caractersticas da po-

    FERTILIDADE NA WEBSites com informaes e notcias ( possvel se

    cadastrar e receber boletins periodicamente):

    www.ivf.net www.orgyn.com

    Sites das principais sociedades de reproduo

    humana:

    Sociedade Brasileira de Reproduo Assistida

    (SBRA): www.sbra.com.brSociedade Brasileira de Reproduo Humana

    (SBRH): www.sbrh.med.brRede Latino-americana de Reproduo Assistida

    (REDELARA): www.redlara.comAmerican Society for Reproductive Medicine

    (ASRM): www.asrm.orgEuropean Society of Human Reproduction and

    Embryology (ESHRE): www.eshre.com

    Sites de publicaes cientficas internacionais

    (permite fazer download de artigos na ntegra ou

    apenas dos resumos):

    Publicao da ASRM:

    www.fertstert.orgPublicao da ESHRE:

    http://humrep.oxfordjournals.org

    *www

    Impacto dos miomas no prognstico reprodutivo (da concepo ao nascimento)

    pulao com miomas. Um aumento no risco de m apresentao fetal (OR 2,9; 2,6-3,2), cesariana (OR 3,7; IC 3,5-3,9) e nascimento pr-termo (OR 1,5; IC 1,3-1,7) foi verificado. Entre-tanto, a incidncia de distcia foi baixa (7,5%). H necessidade de mais estudos controlados para avaliar os efeitos da miomectomia.

    Resposta imune e anticorpos antifosfolpides

  • JORNAL DA REPRODUO HUMANA | N 01 - OUT/NOV/DEZ 20084

    Gravidez aps maturao in vitro de ocitos obtidos sem estimulao hormonal em paciente com ovrios policsticos

    CINCIA NA CLNICA

    Resumo Esta a primeira descrio no Brasil

    de gravidez aps o uso da tecnologia de maturao in vitro (IVM) de ocitos ob-tidos em ciclo sem estimulao ovariana com gonadotrofinas exgenas, em uma paciente com infertilidade primria, por-tadora de ovrios policsticos.

    Introduo

    A maturao in vitro uma me-todologia emergente em repro-duo assistida (RA) humana, a qual vem atraindo um nmero cada vez maior de especialistas em busca de um tratamento alternativo s tecnologias clssicas, particularmente para pacientes portadoras de ovrios policsticos ou da sndrome dos ovrios policsticos (SOP). Estas pacientes so muito sensveis es-timulao ovariana com gonadotrofinas exgenas e correm risco elevado de so-frerem a sndrome da hiperestimulao ovariana em conseqncia do tratamen-to hormonal que parte da teraputica de RA (Practice Commitee of the ASRM). Alm de efetivamente excluir o risco de hiperestmulo, a metodologia de IVM apresenta as vantagens adicionais de ter um custo reduzido e ser mais simples de ser conduzida pelo clnico.

    Em 2007 apresentamos no XI Con-gresso Brasileiro de Reproduo Assisti-da nossa primeira experincia com uma srie de 10 pacientes portadoras da sn-drome dos ovrios policsticos tratadas pela metodologia da IVM e transferncia de embries (Frantz et al., 2007). O pre-sente relato de caso descreve, a nosso ver, a primeira gestao no Brasil resultante da transferncia de embries gerados a partir de ocitos maturados in vitro, em

    EXPEDIENTEJornal da Reproduo Humana uma publicao trimestral do Centro de Pesquisa e Reproduo Humana Nilo Frantz. Av. Carlos Gomes, 111 conj 1304 - CEP 90480-003Porto Alegre/RS - Fone/Fax (51) 3328.4680nilo@nilofrantz.com.br - www.nilofrantz.com.br

    Diretor Tcnico: Dr. Nilo Frantz (CRM 4012)Conselho Editorial: Dr. Marcos Hher e Dr. Marcelo FerreiraJornalista Responsvel: Paula Oliveira de S (DRT/RS 8575)Estagiria de Comunicao: Larissa de Souza GuagniniProjeto Grfico: Engenho de Idias

    ciclo sem estimulao ovariana, em uma paciente com ovrios policsticos.

    Descrio do Caso

    A paciente N.E.P., 23 anos, procurou nosso servio em outubro de 2007 por infertilidade primria do ca-sal. Paciente com ciclos regulares, perfil hormonal normal e ovrios, ao ultrassom, com mltiplos pe-quenos folculos na periferia menores que 10 mm (ovrios policsticos). O marido apre-sentava astenoteratospermia, com esper-mograma apresentando concentrao de 26 milhes/ml, motilidade 3% A e 17%B, morfologia de 14% normais (OMS). J haviam tentado um ciclo de inseminao intra-uterina em outro servio, sem suces-so. Aps esclarecimentos e discusso so-bre a metodologia de IVM, o casal concor-dou em participar do programa assinando consentimento livre e informado.

    Discusso e Concluses

    O presente relato de gestao aps a transferncia de embries obtidos a par-tir de ocitos maturados in vitro culmina nossos esforos tcnicos e de pesquisa na metodologia de IVM humana no Brasil (clnico Frantz et al., 2007). Como diver-sos servios no mundo vm demonstran-do, a IVM uma metodologia vivel para o tratamento da infertilidade num grupo especfico de pacientes. Sua principal van-tagem eliminar o uso de gonadotrofinas exgenas evitando assim, a sndrome da hiperestimulao ovariana e seus riscos para a paciente. A incidncia de hiperest-mulo ovariano aps exposio a gonado-trofinas exgenas pode ser de at 6% em mulheres jovens portadoras da SOP (Mac Dougall et al., 1993; Brisden et al., 1995),

    uma freqncia que requer uma ateno especial por parte do clnico, quando do emprego de tecnologias clssicas de RA.

    Em concluso, acreditamos que a IVM tem um nicho importante entre as tecno-logias de RA humana, sendo particular-mente recomendvel para mulheres jo- vens, portadoras de ovrios policsticos ou da sndrome dos ovrios policsticos.

    Nilo Frantz1, Adriana Bos-Mikich2, Gerta Frantz1, Marcos Hher1, Marcelo Ferreira1

    Centro de Pesquisa e Reproduo Huma-na Nilo Frantz, Porto Alegre, RS

    Departamento de Cincias Morfolgicas, ICBS, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS

    Jornal Brasileiro de Reproduo Assisti-da. 2008;12(1):45-47