19 - mtodos aplicados e propostas em geografia: ambiente e ... acaba dando origem ao lixo urbano,...

Download 19 - MTODOS APLICADOS E PROPOSTAS   em Geografia: Ambiente e ... acaba dando origem ao lixo urbano, ... que  o de tratar a questo do lixo,

Post on 20-Apr-2018

213 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • IX Seminrio Nacional de Resduos Slidos por uma gesto integrada e sustentvel

    19 - MTODOS APLICADOS E PROPOSTAS ALTERNATIVAS NA GESTO DE RESDUOS SLIDOS

    Joo Paulo Meira Marinho(1)Gegrafo formado pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Mestrando em Geografia: Ambiente e Desenvolvimento Regional pelo Programa de Ps-Graduao em Geografia, Instituto de Cincias Humanas e Sociais (ICHS/UFMT). Bolsista CAPES. Endereo(1): Rua Julho Mlher, 178-Pascoal Ramos-Cuiab/MT -Tel.(65)3667-7105-E-mail: jpgeo@ibest.com.br RESUMO

    Representando um problema srio para os rgos responsveis pela limpeza pblica e para toda a sociedade, o acmulo de resduos de toda espcie, acaba dando origem ao lixo urbano, que necessita de um destino final adequado. Infelizmente, devido falta de recursos tcnicos e financeiros, alm de s vezes faltar vontade poltica e conhecimento tcnico, o trabalho de ordenar a disposio dos resduos, ficam prejudicados e o lixo acaba sendo lanado diretamente no solo, no ar e nas guas, provocando poluio do meio ambiente, e reduzindo a qualidade de vida do homem. Para atingir seu principal objetivo, que o de tratar a questo do lixo, este trabalho objetiva especificamente: identificar os mais variados tipos de resduos que so produzidos diariamente pelas sociedades; apresentar mtodos de destinao final para estes resduos e apontar propostas de mudanas e melhorias para o setor. Metodologicamente, os propsitos deste trabalho, foram alcanados, utilizando-se de pesquisas bibliogrficas e documentais, centradas em livros, artigos e outros documentos. Como resultados e concluses, pde-se observar que apesar de ser um tema amplamente discutido e de j haver polticas pblicas que busquem tratar a questo, nas mais variadas regies do espao geogrfico, ainda no existem aes que resolvam em definitivo este problema. O que existe so inmeras propostas alternativas. PALAVRAS-CHAVE: Resduos slidos, Reciclagem, Coleta seletiva, Disposio final, Educao ambiental. INTRODUO

    Na atualidade, o grande desafio para as naes, tanto nas reas urbanas quanto nas zonas rurais, lidar com a questo dos resduos slidos. Em especial nas reas urbanas, o lixo, resultante das atividades humanas, origina uma massa heterognea, de to grande volume, cuja coleta e destinao final tm se constitudo um grande transtorno para a sociedade. Essa grande massa de resduos se tornou evidente, graas ao modelo de desenvolvimento e cultura, gerado por um estilo de vida, baseado em conforto e excesso de consumo, alm do desperdcio inconseqente, pois a natureza acabou sendo vista como fonte de recursos inesgotveis, apresentando capacidade ilimitada de absoro de materiais residuais. Historicamente, podem-se buscar no passado, fatos que ajudaram a criar grandes quantidades de dejetos, alm de provocar uma grande demanda de matrias primas, que so fortes caractersticas das sociedades de consumo de hoje. Foi depois da II Guerra Mundial que um novo estilo de vida, baseado no consumismo espalhou-se pelo mundo. Neste contexto, era a quantidade de produtos comercializados por uma nao que demonstrava seu avano e crescimento econmico. Esta atitude e maneira de pensar criaram uma necessidade de se desenvolver produtos com baixa durabilidade para propiciar as trocas de mercado, utilizando-se novos produtos em nome da modernidade, investindo em novo design, mas que conseqentemente eram mais frgeis e descartveis. A conseqncia desta poltica foi o declnio dos produtos duradouros e re-aproveitveis. A situao se tornou to grave que os fabricantes limitavam (e isso ainda ocorre) deliberadamente a vida til de um bem, que um fenmeno que passou a ser chamado de obsolescncia planejada. Layrargues (2002:184) acrescenta ainda, o termo obsolescncia planejada simblica, que caracterizada pela induo da iluso de que a vida til do produto esgotou-se. Na atualidade, mesmo quando um determinado produto, ainda se encontra dentro de um prazo de vida til, funcionalmente e simbolicamente j est ultrapassado. o caso, por exemplo, de um veculo que logo ao sair da concessionria perde, em termos de

    ABES Associao Brasileira de Engenharia Sanitria e Ambiental 1

    mailto:jpgeo@ibest.com.br

  • IX Seminrio Nacional de Resduos Slidos por uma gesto integrada e sustentvel

    mercado, uma boa porcentagem de seu valor; ou ainda de aparelhos eletrnicos como computadores e celulares, que devido s atualizaes constantes no mercado, que oferece novidades diariamente, vai forando os consumidores a aderirem nova tecnologia, at mesmo por causa da moda e das propagandas que provocam um desvio da funo primria desses produtos. No caso do Brasil, de acordo com dados coletados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatstica) atravs da Pesquisa Nacional de Saneamento Bsico de 2000 (citado em ABIPTI & Instituto IDEIAS, 2005), produzido cerca de 240 mil toneladas dirias de lixo com uma produo mdia de 1 kg por habitante/dia. Este mesmo instituto, aponta ainda que no ano de 2000 foram coletadas no Brasil 149 mil toneladas/dia de lixo, das quais somente 2,8% foram destinadas reciclagem, ou seja, voltaram ao ciclo produtivo, e 3,9% compostagem. Isso significa que 93,3% foram destinadas a diversas formas de aterros, lixes, incineradas ou dispostas em reas inadequadas. Considerando os dados do Manual de Gerenciamento Integrado de Resduos Slidos da SEDU/IBAM (2001), que indica ser a composio do lixo no Brasil, formado por 65% de matria orgnica e 35% de materiais diversos (vidro, metal, plstico, papel, etc.), e que destes, somente 2,8% foram destinados reciclagem. Podemos concluir que ainda temos um horizonte de 32,2% de material que poderia voltar ao ciclo produtivo, mas que est recebendo destinao inadequada. Diante dessa realidade, pode-se afirmar que se torna necessrio uma mudana na maneira de pensar e agir da sociedade. extremamente necessrio, buscar orientar os membros desta sociedade, para uma educao ambiental que priorize a preservao do meio ambiente, alm de buscar alternativas para se resolver os inmeros problemas decorrentes dos princpios poluidores, que regem a estrutura poltica econmica do mundo moderno. Considerando que para se implementar qualquer programa de educao ambiental deve-se comear, primeiramente, investindo em conhecimento, este artigo foi pensado com o objetivo geral de apresentar uma reviso conceitual da gesto de resduos slidos, destacando que a responsabilidade desta ao no deve ser nica do poder pblico, mas de todos os atores da sociedade. Para que este objetivo seja alcanado, especificamente, sero apresentados os conceitos aplicados a resduos slidos (definio; classificao; acondicionamento/coleta e destinao final) e algumas alternativas propostas para o setor. Este trabalho foi desenvolvido porque h uma crescente preocupao das sociedades, com a grande massa de resduos que so produzidas diariamente, e que mesmo sendo descartadas em aterros sanitrios, uma das maneiras mais adequadas para o destino final, ainda no respondem grande questo: o que fazer com tanto lixo produzido? Assim, a justificativa deste trabalho est relacionada diretamente com a preservao ambiental, haja vista que o lixo mal gerenciado, gera uma srie de problemas ambientais como a poluio do solo, dos rios, do ar atmosfrico, alm de provocar a proliferao de insetos e animais que espalham doenas, comprometendo a qualidade de vida. METODOLOGA

    Para atingir os objetivos propostos, foi realizada uma pesquisa exploratria, que segundo Gil (2007:41) aquela que visa proporcionar maior familiaridade com o problema, tornando-o mais explcito ou constituindo hipteses. Para analisar os fatos empiricamente, confrontando a teoria com os dados coletados, o modelo conceitual e operativo da pesquisa (delineamento) foi a utilizao de pesquisa bibliogrfica. RESULTADOS E DISCUSSO

    Dentre as inmeras definies que so apresentadas pelos mais variados autores cerca do que so os resduos slidos, ou simplesmente lixo, podemos destacar a de Oliveira & Carvalho (1997:49), que afirma que lixo o nome dado a todos os tipos de resduos slidos resultantes das diversas atividades humanas ou ao material considerado imprestvel ou irrecupervel pelo usurio, seja papel, papelo, restos de alimentos, vidros, embalagens plsticas. Etimologicamente, a palavra lixo, deriva do latim lix, que significa cinzas. Sendo denominado, em geral pelos tcnicos, como resduos slidos, pelo fato deste, quase no conter substncias lquidas.

    ABES Associao Brasileira de Engenharia Sanitria e Ambiental 2

  • IX Seminrio Nacional de Resduos Slidos por uma gesto integrada e sustentvel

    Kuhnen (1995:18) acrescenta que o resduo um conceito que est relacionado situao tecnolgica e ao aprimoramento da produo, o que o torna um elemento cultural e histrico. Alm disso, de acordo com a autora, pode-se valoriz-lo considerando o seu uso, ou seja, por exemplo, se ele se torna matria-prima numa nova produo (reciclagem), deixa de ser considerado dejeto para tornar-se uma fonte, representando um valor de troca potencial. Com relao ao tipo de resduo verificou-se que este depende do local onde ele produzido. Assim, ele mais ou menos caracteriza os hbitos e atividades da populao que reside em uma determinada rea. Isso na prtica, significa que se analisarmos o lixo produzido pelos habitantes de um local, cujo poder aquisitivo, por exemplo, seja elevado, teremos um tipo x de resduos (usque importado e outros restos). Se em outro momento analisarmos o lixo produzido pelos habitantes de um outro local (como uma favela, por exemplo), veremos que um tipo de lixo ser encontrado com muito maior freqncia como embalagens de refrigerantes de valor e qualidade inferior, etc. O mais importante a se considerar que independente da origem ou do que indicam, os resduos devem ser recolhidos de forma correta e colocados em locais adequados que dificulte o contato com a populao, evitando assim que infeces e doe