17º encontro

Click here to load reader

Post on 06-Jun-2015

23.559 views

Category:

Education

1 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

grandezas e medidas

TRANSCRIPT

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPRITO SANTOCENTRO DE EDUCAONCLEO DE ALFABETIZAO, LEITURA E ESCRITA DO ESPRITO SANTOPACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAO NA IDADE CERTAFORMAO COM PROFESSORES ALFABETIZADORES17 ENCONTRO 2014Orientadoras Locais: Nysa Taboada e Valria RochaFormadoras UFES Alfabetizao - 1 ano:Elis Beatriz de Lima FalcoFormadoras UFES de Matemtica - 1 ano:Rosangela Cardoso Silva Barreto08 de setembro

2. Mediao antes da leitura1. Vamos ler um livro deliteratura infantil que na capa hessas ilustraes. O que elas nossugere sobre o assunto do livro?2. Qual ser o ttulo desse livro?ESTRATGIA DE LEITURA (E.L) 1.Antecipao do tema ou idiaprincipal a partir de elementos pr-textuais,como ttulo, subttulo, daanlise de imagens e outros; 3. 3. Quem acertou ou se aproximou?E.L 13. Confirmao, rejeio ouretificao das antecipaes ouexpectativas criadas antes daleitura;4. Qual o significado da palavra GMEO?Vamos consultar o dicionrio.E.L 15. Esclarecimentos depalavras desconhecidas a partirda inferncia ou consulta dodicionrio; 4. 5. A histria sobre meninos ou meninas?Como ficaria o ttulo se fossem meninas?6. Algum tem um irmo gmeo ou irmgmea? (Se tiver perguntar como ter umirmo gmeo ou irm gmea. Se noperguntar como ser ter um)7 .Como ser a convivncia entre os irmosgmeos dessa histria? O que nos fazpensar assim? (Registrar as hiptesesno quadro)E.L 16. Formulao de conclusesimplcitas no texto, com base emoutras leituras, experincias devida, crenas, valores; 5. 8. Vamos localizar na capa o nomeda autora.9. Young So Yoo a autora eYoung Mi Park, a ilustradora.Esses nomes demonstram que elasso brasileiras?De que pas elas podero ser? 6. 10. As caractersticas fsicasdos irmos e do pai nos ajudaa identificar o pas de origemda autora e ilustradora? Qualser o pas?E.L 11. Relao de novasinformaes ao conhecimentoprvio. 7. 11. Elas so da Coria do Sul. Ser que longe ou perto doBrasil?E.L 11. Relao de novasinformaes ao conhecimentoprvio. 8. Young So Yoo estudou na FaculdadeFeminina de Soung Shin. Ganhouprmio de criatividade em histriasinfantis e prmio de arte eliteratura infantil por um canal deTV coreano. Na Coreia do Sul, ela jpublicou mais de cinco ttulos. NoBrasil, por enquanto s conhecemosesse.A ilustradora Young Mi Park especialista em gravuras e,atualmente, trabalha comoilustradora de livros infantis.Ela sempre gosta de olhar asilustraes dos livros que l ebusca fazer desenhos cada vezmais bonitos nos livros queilustra. 9. Mediao durante a leitura 10. Quem ser que pegou mais farinha?Como vocs fariam para descobrir?Sugesto: podemos levar a farinha e xcara (oucopos de caf) para fazer o experimento... 11. Quem ser que tem mais massa?Quem acha que o Marco? Quem acha que oDaniel?Sugesto: levar massa de modelar e representar asmassas de Marco e Daniel para que visualizem.Entregar massa de modelar, na mesma quantidade,porm em formatos diferentes para fazerem aexperincia. 12. Ser que a mame deu mais leite para Marco?Por que ser que Daniel acha isso? (sedestacarem, lev-los a observar o tamanho doscopos) Os copos so diferentes. Como poderamos fazerpara descobrir se h o mesmo volume de leite noscopos?Sugesto: Levar os copos para fazer oexperimento. 13. E agora, ser que Marco tem mais areia do queDaniel?Como poderamos medir quem tem mais?Sugesto: podemos levar areia e potespara fazer o experimento. 14. Mediao aps a leituraDialogando com o texto:1. Como era a convivncia entre os irmos na maior parte dotempo? Reconte uma parte da histria que confirma a suaresposta.A atividade poder ser mediada deforma diferenciada de acordo com oprocesso de alfabetizao.Alunos podero escrever sozinhos, emduplas ou desenhar.EL. 18. Utilizao do registroescrito para melhorcompreenso; 15. 2. Na histria eles brigavam porque discordavam sobrevrias coisas, como a quantidade de farinharecolhida do cho. No final das contas, eleschegavam em qual concluso?E.L 20. Relao de informaespara tirar concluses;3. Na sua opinio, eles brigavam com motivo ou semmotivo?E.L 22. Avaliao crtica dotexto. 16. 4. Os irmos mesmo brigando gostavam um do outro?5. Qual episdio da histria demonstra que eles apesarde brigarem se amavam?E.L 20. Relao de informaespara tirar concluses;6. Quem tem irmo? Conte para o colega ao lado como a sua convivncia com ele?7. Tem algum que no tem irmo? Como se sente?Sugesto: Professora, a partir da sua experincia, compartilhecom os alunos como quando temos ou no irmo depois deadultos. 17. Sugesto: realizar um trabalho comembalagens de produtos para introduzir asformas convencionais de medida. 18. Alm da dimenso leitura e produo detextos, quais as dimenses da EducaoMatemtica podem ser potencializadaspedagogicamente com a literatura Irmosgmeos? 19. A literatura possibilita uma significativamediao com a Lngua Materna e com aEducao Matemtica.Na Educao Matemtica, a literaturapotencializa o trabalho com a comparao desubstncias utilizando unidades no-convencionaisde medida. Trabalhoimprescindvel antes da introduo dotrabalho com as unidades padronizadas. 20. A LITERATURA INTRODUZIU UM POUCO DOSCONHECIMENTOS QUE SERO TRABALHADOSNESSA 4 FORMAAO.2. OBJETIVOS E CONTEDOS 21. Objetivos Conhecimentos- Aprofundar a compreenso do texto como processo deproduo de sentidos que responde a condies deproduo;- Compreender a leitura como dimenso constitutiva doprocesso de produo;- Refletir sobre prticas de leitura e de produo de textosque perpassam o ensino da Matemtica na alfabetizao;- Organizar o ensino da Matemtica, articulando prticas deleitura e da produo de textos a partir do trabalho com aliteratura infantil.- Concepo de texto, deleitura e de produo detexto numa perspectivadiscursiva;- Condies de produotextual;- Estratgias discursivas(lingusticas eextralingusticas) quedenunciamintencionalidades do texto.ALFABETIZAOTema: leitura e produo de textos 22. Objetivos Conhecimentos Construir estratgias para medir comprimento, massa,capacidade e tempo, utilizando unidades no padronizadase seus registros; Compreender o processo de medio, validando eaprimorando suas estratgias; Reconhecer, selecionar e utilizar instrumentos de medidaapropriados grandeza (tempo, comprimento, massa,capacidade), com compreenso do processo de medio edas caractersticas do instrumento escolhido; Produzir registros para comunicar o resultado de umamedio, explicando, quando necessrio, o modo como elafoi obtida; Comparar comprimento de dois ou mais objetos paraidentificar: maior, menor, igual, mais alto, mais baixo, etc.; Grandezas de medida(tempo, comprimento,massa, capacidade).MATEMTICACaderno 6: Grandezas e medidas 23. Objetivos Conhecimentos Identificar a ordem de eventos em programaes dirias,usando palavras como: antes, depois, etc.; Reconhecer a noo de intervalo e perodo de tempo para ouso adequado na realizao de atividades diversas; Construir a noo de ciclos atravs de perodos de tempodefinidos por meio de diferentes unidades: horas, semanas,meses e ano; Identificar unidades de tempo dia, semana, ms, bimestre,semestre, ano - e utilizar calendrios e agenda; alm deestabelecer relaes entre as variadas Unidades de tempo; leitura de horas, comparando relgiosdigitais e analgicos; Reconhecer cdulas e moedas que circulam no Brasil e depossveis trocas entre cdulas e moedas em funo de seusvalores em experincias com dinheiro em brincadeiras ou emsituaes de interesse das crianas. Unidades de tempo dia,semana, ms, bimestre,semestre, ano. Sistema MonetrioBrasileiro 24. POR QUE TRABALHAR GRANDEZAS E MEDIDAS NOENSINO FUNDAMENTAL? 25. POR QUE TRABALHAR GRANDEZAS E MEDIDAS NOENSINO FUNDAMENTAL?O ato de medir muito comum em nosso dia adia... 26. O ato de medir est to presente nonosso dia a dia como o ato de contar eas medies so sempre expressas pornmeros, mesmo que sejam medidas degrandezas das quais nunca ouvimos falar(BRASIL, 2014, p.13) 27. CONTRIBUIES DO CICLO DE ALFABETIZAOO Ciclo de Alfabetizao, deve privilegiar aconstruo da noo de grandeza e de medidadentro de uma uma abordagem adequada doponto de vista conceitual e didtico.O que poder ajudar a minimizar as dificuldadesnos ciclos posteriores, como dificuldades emfalar sobre medida de tempo, de temperatura, decapacidade, dificuldades em converter umaunidade em outra e dificuldades com frmulas(BRASIL, 2014, p.13) 28. AS IDEIAS INFANTIS SOBRE MEDIDASIniciando a conversa p. 5 e 6Estudo do texto: pgs. 13-15 29. O PAPEL DA ESCOLA...Vygotsky (2000) considera que os conceitos cientficos eespontneos envolvem experincias e atitudes diferentes porparte das crianas e se desenvolvem por caminhos diferentes.Os conceitos espontneos so utilizados pelas crianas deforma no consciente; j os conceitos cientficos so sempremediados por outros conceitos.Para Vigotski (2000), os conceitos espontneos se desenvolvemfora da escola e os conceitos cientficos se desenvolvem naescola, por meio da mediao, do ensino. 30. REFLEXESO que destacariam sobre o modo como osprofessores podem realizar a relao entre aliteratura e a introduo dos conceitosmatemticos, no caso grandezas e medidas? 31. OUTRAS REFLEXESContribuio da literatura para alm de pretextopara se introduzir contedo da matemtica;Ampliao de produo de sentidos a partir dotexto no-verbal (como o presente na capa dolivro);Contribuio da literatura enquanto provocadorado pensamento matemtico a partir de umaperspectiva discursiva e dialgica. 32. Sistematizando No trabalho fundamental manter a referncia ao usode partes do corpo no processo de medio, ao uso e acriao de jogos, bem como discusso sobre textos deliteratura que trazem elementos do mundo das medidas.As medidas no devem ser vistas apenas como umcontedo escolar de matemtica que se deveobrigatoriamente conhecer, ao contrrio, a escola devernos ajudar a perceber o quanto usamos de medidas nodia a dia, abrindo possibilidades de tornarmos esse usoo mais amplo possvel. (Paulo Figueiredo Lima e PaulaMoreira Baltar Bellemain- coleo explorando o ensinode matemtica) 33. CONEXES COM OUTRAS RE