1. Ritmo Circadiano - ? Ritmo Circadiano Circa dies, do latim, significa cerca de um dia, que

Download 1. Ritmo Circadiano - ? Ritmo Circadiano Circa dies, do latim, significa cerca de um dia, que

Post on 25-Sep-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

TRANSCRIPT

Ministrio da Educao Universidade Federal do Paran Setor de Cincias Exatas Departamento de Expresso Grfica 1. Ritmo Circadiano Circa dies, do latim, significa cerca de um dia, que o tempo aproximado das oscilaes que ocorrem no organismo humano, chamadas de ritmo circadiano. Estas oscilaes se mostram em vrios rgos do nosso corpo: os rins, por exemplo, produzem menos urina noite do que durante o dia. Uma das variaes mais facilmente percebida a variao de temperatura interna do corpo. Ela sofre variaes de 1,1 a 1,2C durante o dia (24 horas). Comea a subir por volta das 8 horas da manh e mantm-se elevada at as 22 horas, quando comea a cair, atingindo o mnimo entre 2 e 4 horas da madrugada, subindo depois para completar o ciclo. Este ritmo comandado, segundo estudos, pela presena da luz solar. Por isso indivduos que trabalham noite e dormem durante o dia mantm o ritmo circadiano quase inalterado, produzindo pequenas variaes que demoram 7 dias para acontecer. Estudos sobre os ritmos circadianos identificaram diferenas individuais que permitem a classificao de dois tipos de indivduos: os vespertinos e os matutinos. Os matutinos so aqueles indivduos que acordam de manh com mais facilidade, apresentam melhor disposio na parte da manh e costumam dormir cedo. A sua temperatura sobe mais rapidamente, a partir das 6 horas e atinge o mximo aproximadamente s 12 horas. Os vespertinos so mais ativos tarde e no incio da noite. A temperatura corporal sobe mais lentamente na parte da manh e aquela mxima s ocorre por volta das 18 horas. Encontram menor disposio na parte da manh, mas, em compensao, so mais facilmente adaptveis ao trabalho noturno. Em uma populao, a maioria das pessoas distribui-se em posies intermedirias, com diversos graus de tendncias entre os dois extremos. No estudo do trabalho, o ritmo circadiano tem grande importncia, pois existem resultados comprovados de sua influncia no nvel de alerta e desempenho. Coincidentemente, a maior frequncia de acidentes ocorre entre 2 e 4 horas da madrugada, quando o organismo est menos apto ao trabalho. Em um estudo exaustivo realizado por uma indstria, que registrou 62000 erros de leitura de diversos instrumentos ocorridos hora a hora, em turnos de 24 horas, constatou-se maior Ministrio da Educao Universidade Federal do Paran Setor de Cincias Exatas Departamento de Expresso Grfica frequncia de erros s 3 horas da madrugada, quando o indivduo apresenta menores ndices de alerta. Questo 1: Apresente os aspectos mais importantes deste contedo para a turma. Questo 2: Identifique atividades que possam ser melhor realizadas por indivduos vespertinos e matutinos, justificando suas escolhas. Ministrio da Educao Universidade Federal do Paran Setor de Cincias Exatas Departamento de Expresso Grfica 2. Incio da Atividade Da mesma forma que mquinas trmicas, como o automvel, que precisam ser pr-aquecidas para entrar num funcionamento de regime, tambm o corpo humano passa por diversas transformaes ao iniciar uma atividade, principalmente se esta necessitar de algum esforo fsico. No incio da atividade, os msculos trabalham em desvantagem, com um dbito de oxignio. O metabolismo dos msculos produz cido ltico e racmico, que aumentam o teor de acidez do sangue. Essa acidez serve como estimulante para a dilatao dos vasos e aumento da respirao, que contribuem para levar mais oxignio aos msculos. O equilbrio entre a demanda e o suprimento de oxignio estabelecido no prazo de 2 a 3 minutos. Terminando a atividade, o organismo retorna aos nveis fisiolgicos anteriores, demorando cerca de 6 minutos para essa transformao. Para trabalhos fsicos muito intensos, como em competies esportivas, h outras transformaes. O rim praticamente deixa de funcionar, cessando a produo de urina, e tambm a irrigao sangunea no aparelho digestivo se reduz. Por isso desaconselhvel se fazer esforo fsico com o estmago cheio, j que havendo forte demanda muscular, esta ltima predomina sobre a funo digestiva. O trabalho muscular intenso ativa tambm o mecanismo de eliminao do calor gerado pelo metabolismo. Um organismo acostumado a trabalhos fsicos pesados capaz de eliminar at 10 vezes mais calor que no seu estado de repouso. A musculatura se desenvolve pelo aumento de espessura das fibras, embora a quantidade delas permanea constante. Essas fibras tambm se tornam mais flexveis e h um desenvolvimento dos vasos capilares no interior dos msculos, facilitando a irrigao sangnea e, portanto, o abastecimento de mais oxignio e a remoo de resduos do metabolismo. O corao tambm se fortalece com o exerccio fsico. Ele se torna maior, seu ritmo diminui, porm ele capaz de bombar mais sangue a cada batida. Portanto, para um trabalho pesado, aconselhvel fazer um pr-aquecimento de 2 a 3 minutos, ou iniciar a atividade com menor intensidade, dando uma oportunidade para o organismo ir adaptando-se, de modo que no haja um grande Ministrio da Educao Universidade Federal do Paran Setor de Cincias Exatas Departamento de Expresso Grfica desbalanceamento entre a oferta e a demanda de oxignio. Em algumas empresas, adota-se a prtica da ginstica de aquecimento, antes da jornada de trabalho, assim como os atletas fazem aquecimento muscular antes das competies. Questo 1: Apresente os aspectos mais importantes deste contedo para a turma. Questo 2: Identifique 3 atividades que necessitam de consideraes especiais acerca de como inicia-las, justificando suas escolhas. Ministrio da Educao Universidade Federal do Paran Setor de Cincias Exatas Departamento de Expresso Grfica 3. Substncias estimulantes Diversas substncias estimulantes costumam ser utilizadas pelos trabalhadores, para quebrar a monotonia e manter a ateno. Vamos examinar o que acontece com os trs mais comuns, que so a cafena, o fumo e o lcool. Cafena A cafena tem sido apontada como estimulante, quando ingerida em doses moderadas de 0,3 a 0,5g. Em geral, ela serve para aumentar a vigilncia, reduzir a inibio, aliviar a fadiga e provocar a queda do apetite. Mas ela produz tambm alteraes fisiolgicas, elevando a temperatura do corpo, acelerando o ritmo cardaco e aumentando o consumo de oxignio. Entretanto, cada pessoa tem um determinado nvel de tolerncia que, se for ultrapassado, produz diversos efeitos nocivos, como indigesto, nervosismo e insnia. Em alguns casos crnicos, o consumo excessivo da cafena pode provocar patologias mais srias. Fumo O fumo contm monxido de carbono razo de 4% do seu volume. Esse gs tem afinidade de 200 a 300 vezes maior que a do oxignio para combinar com a hemoglobina do sangue. Como essas hemoglobinas funcionam como carrinhos para transportar o oxignio dos pulmes para os msculos, o monxido de carbono tender a ocupar o lugar do oxignio, reduzindo a capacidade circulatria para transporte de oxignio. As pessoas que fumam 15 a 25 cigarros por dia apresentam uma taxa de 6,3% de hemoglobina combinada com o monxido, o que resulta numa reduo de 5 a 10% de sua capacidade aerbica, ou seja, da sua capacidade fsica. lcool O lcool, consumido em doses moderadas, pode ser benfico ao desempenho. Ele provoca um aumento do ritmo cardaco e uma acelerao da transmisso dos impulsos atravs das clulas nervosas, reduzindo o tempo de reao. A pessoa tambm fica mais desinibida e consegue exercer maiores foras. Em experincias Ministrio da Educao Universidade Federal do Paran Setor de Cincias Exatas Departamento de Expresso Grfica realizadas com trabalhadores industriais, verificou-se que pequenas doses de lcool, inferiores a 25 gramas, tendem a aumentar a produtividade apenas durante os 30 minutos iniciais e depois comea a haver uma queda, retornando-se aos nveis anteriores aps 2 ou 3 horas. Questo 1: Apresente os aspectos mais importantes deste contedo para a turma. Questo 2: Identifique 3 atividades podem ser seriamente afetadas pelos consumo de cafena, fumo e lcool (uma atividade para cada substncia), justificando suas escolhas. Ministrio da Educao Universidade Federal do Paran Setor de Cincias Exatas Departamento de Expresso Grfica 4. Monotonia Monotonia a reao do organismo a um ambiente uniforme, pobre em estmulos ou com pouca variao das excitaes. Os sintomas mais indicativos da monotonia so uma sensao de fadiga, sonolncia, morosidade e uma diminuio da ateno. As operaes repetitivas na indstria e o trfego rotineiro so condies propcias monotonia. As experincias demonstram que as atividades prolongadas e repetitivas de pouca dificuldade tendem a aumentar a monotonia. Os trabalhos de vigilncia com baixa frequncia de excitao, mas que exigem ateno continuada, tambm provocam monotonia. Em termos operacionais, existem duas consequncias mensurveis da monotonia: a diminuio da ateno e o aumento do tempo de reao. Em tarefa de vigilncia da tela do radar, durante duas horas seguidas, observou-se que a quantidade mdia de sinais no detectados era de 50% na primeira meia hora. Essas percentagens subiram, respectivamente, para 77,84 e 90% para a segunda, terceira e quarta meia horas. Em condies experimentais, verifica-se que o desempenho na percepo de sinais pode ser aumentado, melhorando-se a visibilidade do sinal (contraste, fora) e sua intensidade (altura do som), proporcionando-se uma realimentao ao operador. Observa-se ainda que estes resultados so afetados pelo estado de fadiga do operador e pelas condies ambientais desfavorveis, como temperaturas elevadas e excesso de rudo. Questo 1: Apresente os aspectos mais importantes deste contedo para a turma. Questo 2: Identifique 2 atividades profissionais e 2 no profissionais que possam sofrer perdas pela monotonia, justificando suas escolhas. Ministrio da Educao Universidade Federal do Paran Setor de Cincias Exatas Departamento de Expresso Grfica 5. Fatores fisiolgicos da monotonia Para o sistema sensorial, as excitaes constantes e regulares comportam-se praticamente como se no houvesse novas excitaes, porque o organismo se adapta ao nvel dessas excitaes constantes e s seria ativado novamente com a mudana no nvel dessa excitao. Esse um mecanismo de defesa do organismo, que tende a se proteger das excitaes regulares, desligando-se delas. Portanto tarefas repetitivas tendem a diminuir o nvel de excitao do crebro, refletindo-se numa diminuio geral das reaes do organismo. Um dos motivos dessa reduo do nvel de atividade a menor produo da adrenalina pelas glndulas supra-renais. A produo desse hormnio, que responsvel por manter o nvel de atividade humana, est ligada a desafios fsicos, psquicos e mentais. Uma pessoa submetida durante longo tempo a uma tarefa montona, sofre uma reduo de sua capacidade fsica e mental, provocada pela falta de novos desafios. O homem, para desenvolver-se, precisa enfrentar desafios, e a ausncia destes pode provocar atrofias, semelhana da musculatura da perna que fica imobilizada pelo gesso, aps um acidente. Experincias realizadas com animais de laboratrio demonstram que os fortes desafios mentais provocam desenvolvimento dos mesmos nos planos funcional, morfolgico e bioqumico, que os tornam mais espertos e sensveis excitao. Pode-se concluir que uma tarefa exageradamente repetitiva, que no provoque novos desafios ao homem, tende a atrofi-lo, enquanto os ambientes que sempre provocam excitao ou novos desafios tendem a desenvolv-lo. Entretanto, no se deve exagerar, por outro lado. As pessoas submetidas a desafios muito grandes ou insuportveis manifestam comportamentos de fuga, sofrem de stress e podem ficar doentes. Questo 1: Apresente os aspectos mais importantes deste contedo para a turma. Questo 2: Identifique 2 atividades profissionais e 2 no profissionais que possam sofrer perdas pelo excesso de desafios, justificando suas escolhas. Ministrio da Educao Universidade Federal do Paran Setor de Cincias Exatas Departamento de Expresso Grfica 6. Fatores psicolgicos da monotonia O trabalho correspondente s capacidades e gostos da pessoa ser executado com maior interesse, satisfao, motivao e um bom rendimento. Ao contrrio, aqueles muito repetitivos e pouco desafiadores, que no estimulem as suas capacidades, sero pouco motivadores e montonos. No outro extremo, um trabalho que exige muito, alm das suas capacidades, tambm no permite um bom rendimento. Estudos realizados com pessoas que se mostram mais resistentes monotonia demonstram que elas tm outros objetivos na vida, fazendo do seu trabalho repetitivo apenas um meio. o caso de pessoas que mantinham outras atividades aps o expediente ou, nos pases europeus, os imigrantes, que pensavam em ganhar dinheiro para retornarem aos seus pases de origem. Os aprendizes, para os quais o trabalho ainda tinha o sabor de novidade apresentavam menos sintomas de monotonia que os trabalhadores experientes. As pessoas de carter mais extrovertido apresentavam maiores riscos de monotonia. Por outro lado, no se observou nenhuma correlao entre a inteligncia e a monotonia, e tambm a crena de que as mulheres so mais resistentes monotonia no teve comprovao cientfica. Uma das consequncias mais srias da monotonia a saturao psquica: um conflito interior entre o dever de trabalhar e um forte desejo de parar de trabalhar. Esse conflito provoca ansiedades e tenses cada vez mais fortes nas pessoas submetidas a um ritmo de trabalho repetitivo. Questo 1: Apresente os aspectos mais importantes deste contedo para a turma. Questo 2: Identifique 3 atividades que possam sofrer perdas relacionadas aos fatores psicolgicos da monotonia, justificando suas escolhas. Ministrio da Educao Universidade Federal do Paran Setor de Cincias Exatas Departamento de Expresso Grfica 7. Fadiga Fadiga o efeito de um trabalho continuado, que provoca uma reduo reversvel da capacidade do organismo e uma degradao qualitativa desse trabalho. A fadiga causada por um conjunto complexo de fatores, cujos efeitos so cumulativos. Em primeiro lugar, esto os fatores fisiolgicos, relacionados com a intensidade e durao do trabalho fsico e intelectual. Depois, h uma srie de fatores psicolgicos, como a monotonia, falta de motivao e, por fim, os fatores ambientais e sociais, como a iluminao, rudos, temperaturas e o relacionamento social com a chefia e os colegas de trabalho. Embora os mecanismos causadores da fadiga no sejam totalmente conhecidos, h uma razovel descrio das conseqncias da mesma. Uma pessoa fatigada tende a aceitar menores padres de preciso e segurana. Ela comea a fazer uma simplificao de sua tarefa, eliminando tudo o que no for essencial. Os ndices de erro comeam a crescer. Um motorista fatigado, por exemplo, olha menos para os instrumentos de controle e reduz a freqncia das mudanas de marcha. Observa-se que os pilotos de avio fatigados apresentam uma tolerncia irresistvel de relaxar, quando se aproximam do aeroporto , e isso produz um repentino aumento de erros, que podem resultar em acidentes. Mesmo que a pessoa pense que esteja fazendo o melhor possvel, o seu padro de desempenho vai piorando. 8. Fatores fisiolgicos da fadiga A fadiga fisiolgica resulta do acmulo de cido ltico nos msculos. Quando a atividade muscular muito intensa, o ritmo de produo do cido ltico, como subproduto do metabolismo, maior que a capacidade do sistema circulatrio em remov-lo, provocando ento, um desequilbrio. A fadiga ocorre tambm pelo esgotamento das reservas de energia, que se manifesta pelo baixo teor de acar no sangue. Entretanto, a fadiga no pode ser explicada somente em termos de exausto muscular ou energtica. Uma pessoa em situao estressante tambm apresenta diversos sintomas de exausto e fadiga. A pessoa fatigada apresenta diversas Ministrio da Educao Universidade Federal do Paran Setor de Cincias Exatas Departamento de Expresso Grfica alteraes de substncias presentes na urina e no sangue, indicando que h uma reao orgnica ao estado de stress. O aumento do consumo energtico e de oxignio de uma pessoa que executa um grande esforo mental se deve mais tenso muscular, associada a essas situaes, do que propriamente ao aumento da atividade do sistema nervoso. A fadiga fisiolgica, desde que no ultrapasse certos limites, reversvel e o corpo se recupera com pausas concedidas durante o trabalho, ou com o repouso dirio. Questo 1: Apresente os aspectos mais importantes deste contedo para a turma. Questo 2: Identifique 3 atividades que possam sofrer perdas relacionadas fadiga, justificando suas escolhas. Ministrio da Educao Universidade Federal do Paran Setor de Cincias Exatas Departamento de Expresso Grfica 9. Fatores psicolgicos da fadiga Os sintomas da fadiga psicolgica so mais dispersos e no se manifestam de forma localizada, mas de forma mais ampla, como sentimento de cansao geral, aumento da irritabilidade, desinteresse e maior sensibilidade a certos estmulos como fome, frio ou m postura. Esse tipo de fadiga est relacionado de forma complexa a uma srie de fatores como a monotonia, motivao, estado geral de sade, relacionamento social e assim por diante. A fadiga tambm ocorre em situaes em que h predomnio de trabalho mental, com poucas solicitaes de esforos musculares. Por exemplo, pessoas executando operaes aritmticas, repetidamente, aps algum tempo, sofrem lapsos ou bloqueios, que vo se tornando mais frequentes com o aumento da fadiga, ao mesmo tempo que os erros tambm crescem. Em alguns casos, relativamente fcil localizar as fontes de fadiga, que podem ser a exagerada carga muscular ou ambientes com rudos, vibraes, temperaturas ou iluminaes inadequadas. Em outros casos esto relacionados com horrios, trabalhos em turnos, programao da produo, ou relaes pessoais dentro e fora do trabalho. Quando essas causas puderem ser identificadas, devem ser estudadas e resolvidas. Em trabalhos que exigem atividade fsica pesada, ou em ambientes desfavorveis como altas temperaturas ou excesso de rudos, devem ser proporcionadas pausas durante a jornada de trabalho, que podem ser, por exemplo, de 10 minutos a cada hora de trabalho, para permitir a recuperao da fadiga. Em ambientes muito hostis, essas pausas podem ser maiores que a durao do prprio trabalho. Em alguns casos extremos, como em temperaturas muito altas, o trabalhador pode ficar exposto durante apenas 5 minutos e depois deve ter uma longa pausa, digamos, 1 hora, para que o organismo possa eliminar o excesso de carga trmica e restabelecer o equilbrio orgnico. As diferenas individuais na questo da fadiga so significativas. Algumas pessoas se fatigam mais facilmente que as outras. Outras ainda apresentam maior tolerncia em determinados tipos de trabalho. Existem tambm pessoas que se tornam mais suscetveis fadiga em certos dias ou em determinadas fases da vida. Ministrio da Educao Universidade Federal do Paran Setor de Cincias Exatas Departamento de Expresso Grfica Questo 1: Apresente os aspectos mais importantes deste contedo para a turma. Questo 2: Identifique 3 situaes nas quais os fatores psicolgicos da fadiga afetam o profissional de expresso grfica, justificando suas escolhas. Ministrio da Educao Universidade Federal do Paran Setor de Cincias Exatas Departamento de Expresso Grfica 10.Motivao Existe, no comportamento humano, algo que faz uma pessoa perseguir um determinado objetivo durante um certo tempo, que pode ser curto ou longo, e que no pode ser explicado somente pelos seus conhecimentos, experincia e habilidades (pr-requisitos). Esse algo conhecido como determinao, impulso, garra, objetivo, necessidade ou, mais genericamente, como motivo, e o processo pelo qual ativado e se mantm em funcionamento, chama-se motivao. A motivao no pode ser observada diretamente, mas somente atravs dos seus efeitos e pode ser medida indiretamente, por exemplo, pelas quantidades adicionais de peas produzidas por um trabalhador motivado. Portanto, um trabalho seria o resultado da habilidade conjugada com a motivao. A habilidade est relacionada com a capacitao ou condies prvias (pr-requisitos) apresentados pelo trabalhador, e a motivao, com a deciso de realizar esse trabalho. Para que uma tarefa seja motivadora, em primeiro lugar, necessrio estabelecer claramente as metas a serem alcanadas. A experincias demonstram que a fixao de metas ou objetivos concretos mais motivadora do que uma situao em que no se sabe onde se quer chegar (faam o melhor que puderem!). Em segundo lugar, a tarefa mais motivadora se contiver certo desafio do que aquelas consideradas triviais. Em geral, as pessoas tambm gostam de competir. Assim, o conhecimento dos resultados alcanados por seus colegas funcionam como um desafio, a ser alcanado ou superado, principalmente se houver recompensas para isso. Questo 1: Apresente os aspectos mais importantes deste contedo para a turma. Questo 2: Identifique 3 maneiras de motivar o profissional de expresso grfica, justificando suas escolhas. Ministrio da Educao Universidade Federal do Paran Setor de Cincias Exatas Departamento de Expresso Grfica 11.Idade e trabalho Todos os pases que se industrializam e se modernizam apresentam tendncia de aumento da vida mdia da populao, devida tanto ao decrscimo da taxa da natalidade como melhoria das condies de higiene e sade, prolongando a vida das pessoas. Isso traz duas consequncias, sob o ponto de vista ergonmico da questo. Em primeiro lugar, existiro mais pessoas na faixa dos 40 e 50 anos envolvidas no trabalho e estas apresentam caractersticas diferentes de desempenho, em relao aos jovens de 20 e 30 anos. Em segundo lugar, a aplicao da ergonomia ao projeto dos objetos e ambientes requer um conhecimento melhor das pessoas idosas. Antropometria A estatura das pessoas comea a diminuir gradativamente depois dos 50 anos. Os homens perdem 3cm at os 80 anos e as mulheres, 2,5cm . Contudo, as maiores influncias ocorrem nos dados de antropometria dinmica. H uma reduo dos alcances e da flexibilidade, especialmente dos braos. Dessa forma, para o uso de dados antropomtricos tabelados, necessrio fazer certas redues quando se tratar de pessoas idosas. A fora muscular comea a declinar significativamente aps os 40 anos. Para o homem, a fora mxima ocorre por volta dos 25 anos (100%) e ela se reduz a 95% aos 40 anos, 80% aos 50 e 50% aos 60. Aos 50, as mulheres conseguem exercer aproximadamente a metade da fora dos homens de mesma idade. Contudo, esse declnio no ocorre uniformemente em todas as partes do corpo. Os braos e as mos so menos afetados pela idade do que o tronco e as pernas. Psicomotricidade Com a idade, os movimentos se tornam mais lentos. Os tempos de reao para uma pessoa de 60 anos so 20% maiores do que os de um jovem de 20 anos, e essa diferena tende a crescer em tarefas mais complexas, que exijam capacidade de discriminao entre vrios estmulos diferentes. Ministrio da Educao Universidade Federal do Paran Setor de Cincias Exatas Departamento de Expresso Grfica Viso e audio A viso vai perdendo gradativamente a sua eficincia a partir dos 20 anos. H um decrscimo da acuidade visual, capacidade de acomodao, adaptao ao escuro e viso de cores. A perda da audio ocorre, sobretudo, em sons agudos, acima de 1000 hertz. Nesse ponto existe uma diferena significativa entre homens e mulheres. Elas sofrem uma perda maior na faixa dos 500 1000 hertz. Nos homens, a perda mais significativa ocorre na faixa dos 3000 hertz. Nessas faixas de som agudo, a perda dos homens ocorre 6 anos antes das mulheres. Isso faz com que as pessoas idosas tenham maiores dificuldades de entender a fala. Comparados com os grupos de 20 anos, os de 40 anos apresentam perda de 5%, os de 60, 10%, os de 70, 17% e os de 80, 35%. Memria H pouca reduo na capacidade de memria de curta durao, mas a informao passa a ser retida por menos tempo, e as informaes armazenadas temporariamente so facilmente perturbadas. O problema se agrava com pessoas muito velhas, que podem esquecer o objetivo da ao, em plena fase de execuo da mesma. Senilidade e trabalho Apesar desse quadro de perda das habilidades fsicas, no significa que as pessoas idosas fiquem incapacitadas para o trabalho. As pessoas idosas, tendo acumulado experincia durante muitos anos, podem apresentar um bom desempenho no trabalho, desde que este no faa exigncias acima de suas capacidades. Em relao aos trabalhadores mais jovens, so mais cautelosas na tomada de decises, adotam procedimentos mais seguros, reduzem as incertezas e so mais seletivas no aprendizado de novas habilidades. Pode-se dizer que h um mecanismo de compensao. Com a reduo de sua capacidade de receber e processar informaes, surge uma tendncia de estreitar o campo de interesse e a ignorar certos eventos, e Ministrio da Educao Universidade Federal do Paran Setor de Cincias Exatas Departamento de Expresso Grfica isso pode contribuir para reduzir a disperso e aumentar a concentrao e a confiabilidade nos resultados. Questo 1: Apresente os aspectos mais importantes deste contedo para a turma. Questo 2: Identifique 3 atividades que possam ser exercidas com eficincia por pessoas idosas, justificando suas escolhas. Ministrio da Educao Universidade Federal do Paran Setor de Cincias Exatas Departamento de Expresso Grfica 12.Pessoas portadoras de necessidades especiais So aquelas pessoas que no podem exercer plenamente as suas aptides fsicas, em consequncia de doenas ou acidentes. As necessidades especiais apresentam um quadro prprio, que, em geral, podem ser classificadas em: - os que dependem permanentemente de cadeiras de rodas; - os que usam pernas mecnicas, muletas ou bengalas; - os que so parcial ou completamente cegos; - os que so parcial ou completamente surdos; - os que tm leses no sistema nervoso central - as diversas deficincias provocadas pela idade avanada. A questo das pessoas com deficincias assim como de outras minorias populacionais, est sendo cada vez mais estudada em diversos pases do mundo, dispondo-se hoje de um razovel acervo de conhecimentos sobre os mesmos. Muitos esforos so feitos no sentido de integr-los melhor sociedade e capacit-los para o trabalho. Uma das contribuies mais significativas foi dada pelo Professor Asmussen, na Dinamarca, onde houve uma grande epidemia de poliomielite em 1950, produzindo muitos deficientes fsicos. Ele fundou um instituto especial para proporcionar exerccios musculares de reabilitao para as pessoas parcialmente paralisadas. Esse trabalho era complementado com o desenvolvimento de cadeiras de rodas especiais, inclusive para a prtica de esportes, utenslios domsticos, peas de banheiro, maanetas de portas, torneiras, elevadores e at casa e prdios de apartamentos especialmente projetados para deficientes. Em consequncia de trabalhos como esse, os deficientes esto conseguindo cada vez mais superar o isolamento e participar da atividade produtiva e da vida social. So citados como exemplos de perseverana e fora de vontade os jogos paraolmpicos, onde competidores originrios dos mais diferentes pases tm mostrado garra e entusiasmo fora do comum, na conquista das medalhas. Questo 1: Apresente os aspectos mais importantes deste contedo para a turma. Ministrio da Educao Universidade Federal do Paran Setor de Cincias Exatas Departamento de Expresso Grfica Questo 2: Identifique 3 atividades que possam ser exercidas com eficincia por pessoas portadoras de necessidades especiais, justificando suas escolhas.

Recommended

View more >