(1) idade media -- até sec. xiii (apostila - 2006)

Download (1) Idade Media -- Até Sec. Xiii (Apostila - 2006)

Post on 12-Jan-2016

32 views

Category:

Documents

2 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Música Idade Media

TRANSCRIPT

  • CLVIS DE ANDR

    APOSTILA DE HISTRIA DA MSICAIdade Mdia (at o sculo XIII)

    FIC - Faculdades Integradas CantareiraEscola Superior de Msica

    So Paulomaro/2006

  • FIC 2006 / PROF. CLVIS DE ANDR HISTRIA DA MSICA (IDADE MDIA) ii

    Copyright Clvis de Andr

    1 edio: 2001

    6 edio: 2006

    A impresso deste material destinada apenas ao uso durante as aulas da disciplina de

    Histria da Msica ministradas pelo prof. Clvis de Andr nesta instituio de ensino.

    A impresso ou distribuio (total ou parcial) deste material, fora do mbito desta disciplina,poder ser realizada somente com autorizao expressa do autor.

    Citaes acadmicas de trechors selecionados da apostila poderm ser realizados,sem a necessidade de autorizao,

    desde que a devida refeerncia bibliogrfica seja apresentada,sempre incluindo o nome do autor, ano desta edio da apostila e o nmero das pginas.

  • FIC 2006 / PROF. CLVIS DE ANDR APOSTILA (IDADE MDIA) 1

    IDADE MDIA

    L ITURGIA

    * MISSA *

    -- Esta a celebrao (ou servio) mais importante dentro da liturgia romana, noapenas por se constituir numa representao da ltima Ceia e do Sacrifcio de Cristo,mas tambm por ser uma celebrao essencialmente comunitria, da qual todos osiniciados (fiis) podem participar.

    -- Os textos das celebraes litrgicas pblicas eram divididos em dois tipos: os fixos,que fazem parte do ORDINARIUM MISSAE (i.e., Ordinrio da Missa), e os mutveis, quefazem parte do PROPRIUM MISSAE (i.e., Prprio da Missa) -- em outras palavras os textosdo PROPRIUM variam conforme os dias (festas) do ano litrgico, enquanto os textos doORDINARIUM so invariveis.

    -- Nem todos os textos so cantados, sendo que alguns dos rezados podem tambm serrecitados, dependendo do tipo de celebrao.

    -- Inicialmente cantavam-se apenas os cantos do PROPRIUM; sendo o canto doORDINARIUM reservado para festas especiais ou mais solenes, pois era principalmente notexto do ORDINARIUM que se esperava a participao da congregao (assemblia) --aparentemente, no houve preocupao em anotar (ou prescrever) cantos doORDINARIUM antes do sec. X, tendo a maioria dos exemplares sobreviventes sidocomposta nos sec. XI e XII, ou mesmo depois.

    -- O ritual da Missa pode ser ainda dividido em 2 duas sees principais: a Liturgia daPalavra (tens de 1 a 9, na tabela abaixo) e a Liturgia da Eucaristia (tens de 10 a 20) --esta ltima pode ainda ser subdividida em 2 outras pores, a Celebrao da Eucaristia(tens de 10 a 16) e a Celebrao da Comunho (tens de 17 a 20).

    -- No item 20 (abaixo), o "Ite, missa est" substitudo pelo "Benedicamus Domino" emmissas seguidas de alguma procisso (e.g., algumas da Semana Santa), ou em missasonde o "Gloria" omitido (e.g., durante os dias da Quaresma e outros tempospenitenciais).

    ==> Cabe notar que a descrio apresentada aqui apenas uma simplificao do ritual,pois este inclui um maior nmero de tens que os descritos na tabela. Por exemplo, aLiturgia da Palavra inclui uma oratio communis (orao comum, aps o "Credo",originalmente cantada pelo sacerdote) que portanto serve de transio para a Liturgia daEucaristia. Do mesmo modo, a Celebrao da Eucaristia termina com o "Libera nos"(que d seqncia ao "Pater noster", originalmente cantado pelo sacerdote) e aCelebrao da Comunho comea com uma orao (rezada) de 'partio do po' (rezadaantes do "Agnus Dei").

  • FIC 2006 / PROF. CLVIS DE ANDR HISTRIA DA MSICA (IDADE MDIA) 2

    CANTADO FALADO ou RECITADO

    PROPRIUM ORDINARIUM PROPRIUM ORDINARIUM

    LITURGIA DA PALAVRA

    Introitus 1

    Kyrie 2

    Gloria 3

    4 Coleta (orao)

    5 Epstola(s)

    Gradual 6

    Alleluia(ou Tractus)

    7

    8 Evangelho

    Credo 9

    LITURGIA DA EUCARISTIA

    Offertorium 10

    11Oraes doOfertrio

    12 Orao Secreta

    13 Prefcio

    Sanctus 14

    15Canon

    (Consagrao)

    16 Pater noster

    Agnus Dei 17

    Comunho 18

    19 Ps-comunho

    Ite, missa estou

    BenedicamusDomino

    20

  • FIC 2006 / PROF. CLVIS DE ANDR APOSTILA (IDADE MDIA) 3

    ALGUNS TIPOS DE MISSA

    * Missa solemnis *

    -- Literalmente "Missa solene", refere-se a missas onde todos os tens so cantados,excetuando-se as leituras (Epstolas, Evangelho e Sermo), embora pudessem existirtambm Epstolas ou mesmo trechos do Evangelho submetidos a frmulas meldicas(baseadas em tons salmdicos -- cf. abaixo); geralmente, eram as missas de maiordurao.

    ==> Alternativamente, o termo Missa cantada pode tambm servir paraindicar uma celebrao onde todos os tens so cantados. Em termospolifnicos, os dois termos indicam a execuo de composio musicaissobre os textos do ORDINARIUM.

    * Missa privata ou lecta *

    -- Refere-se missa apenas rezada, ou seja, onde nenhuma das partes cantada. Apalavra "privata" pode ser traduzida tanto como "particular" (ou "privada") quantocomo "isenta" de excessos; j "lecta" pode ser "seleta" (i.e., "selecionada") ou "lida"(i.e., "rezada").

    * Missa brevis *

    -- Literalmente "Missa abreviada". Nos scx. XV e XVI, refere-se a obras polifnicassobre cada um dos cantos do ORDINARIUM, porm mantendo propores breves (i.e.,no muito longas). Nos scs. XVII e XVIII, refere-se principalmente a composiespolifnicas apenas do "Kyrie" e do "Gloria", para uso em servios Luteranos.

    * Missa dominicalis *

    -- Literalmente "Missa de Domingo". Dentro da tradio do Cantocho, refere-seespecificamente aos cantos do ORDINARIUM da Missa XI (In Dominicis infra annum,tambm chamada Orbis factor), que aplicada genericamente aos domingos nos quaisno haja outra festa ou prescrio de outro canto o canto desta missa foi utilizadocomo material meldico para a composies polifnicas principalmente nos sec. XVI.

    * Missa pro defunctis *

    -- Literalmente, "Missa de (ou, para os) defuntos" ou "Missa de Requiem". Refere-se missa (baseada em textos do Missal de 1507) que omite o "Gloria" e o "Credo", masinclui um Gradual ("Requiem aeternam"), um Tractus ("Absolve, Domine") e, logo aps,uma Seqncia ("Dies irae, dies illa") tens que tm recebido as maiores atenes emcomposies polifnicas. Alm disso, esta missa inclui um Introitus cuja antfona tem omesmo texto do Gradual (i.e., "Requiem aeternam"), que serve, portanto, como incipit,de onde deriva a denominao "Missa de Requiem".

  • FIC 2006 / PROF. CLVIS DE ANDR HISTRIA DA MSICA (IDADE MDIA) 4

    * OFCIO * (HORAS CANNICAS) (Grout 1988, 4344; Grout 2001, 51)

    ==> Tambm se aplicam, alternativamente, as denominaes: OFCIOS(i.e., o termo no plural, por se referir a diversas horas), ou maisespecificamente OFCIO DIVINO (diferenciando dos trabalhos prosicos,prprios de manuteno do mosteiro e de seus membros, como limpeza,comida, etc.)

    HORAS CANNICAS (DENOMINAES ESPECFICAS)

    Matinas -- aps meia-noiteLaudes -- ao nascer do SolPrima -- 6 hs.Tera -- 9 hs. (tambm denominada Tertia)

    ==> Missa (muitas vezes realiza-se entre a Hora Tera e a HoraSexta, embora no haja prescrio nesse sentido, variando deacordo com a celebrao de diferentes festas litrgicas)1

    Sexta -- 12 hs.Nona(s) -- 15 hs.Vsperas -- ao pr do sol (ou, no incio da noite)Completas -- antes de recolher

    -- A exatido de algumas das horas depende do nascer- e pr-do-sol, que naturalmentemodificado com as estaes do ano e com diferentes regies geogrficas -- fazendocom que a observncia destes eventos naturais seja apenas simblica (nascer-do-sol =comeo das atividades dirias; pr-do-sol = trmino das atividades dirias).

    1 No h uma prescrio rigorosa para o horrio da Missa, que podia variar de acordo com as

    diferentes festas litrgicas. A celebrao entre as horas Prima e Tera pode ser considerada usual,inclusive por facilitar a quebra do jejum que se impunha queles que iriam comungar: 'jejum

    eucarstico'. De fato, a Missa (ou melhor, a Comunho) marcava a quebra do 'jejum eucarstico', dentrodo qual no se permitia nem mesmo a ingesto de gua. Antigamente, esse 'jejum' vigorava a partir dameia-noite at a realizao da Eucaristia, que deveria ser o primeiro alimento do cristo, cujo corpo

    deveria estar livre das impurezas de alimentos terrenos ou seja, 'purificado' para a ingesto apropriadado alimento espiritual simbolizado pela hstia. No tempo do pontificado de Pio XII (19391958), o

    'jejum' foi diminudo para um perodo de trs horas anterior Eucaristia, sendo que a ingesto de guafoi liberada. No Conclio Vaticano II (1962-65), esse perodo de 'jejum' foi novamente diminudo paraapenas uma hora.

  • FIC 2006 / PROF. CLVIS DE ANDR APOSTILA (IDADE MDIA) 5

    -- O Ofcio (e sua diviso bsica -- embora levemente diferente da apresentada acima)foi inicialmente descrito/estabelecido na "Regra de So Bento" ("Rule of St. Benedict")- ca. 520 ou 530.

    -- Matinas -- Inclue alguns dos cantos mais antigos. (Note que as Matinas podem sesubdividir em Noturnos -- e.g., Matinas de festas importantes podem ser subdivididasem 3 Noturnos.)

    -- Matinas, Laudes, Vsperas -- Musicalmente, estas so as mais importantes.

    -- Prima, Tera, Sexta, Nona -- Conhecidas como "horas menores" (de menorimportncia), tm durao (e portanto texto e/ou msica) relativamente curta. (A HoraPrima foi abolida pelo Conclio Vaticano II.)

    -- Completas -- Cronologicamente, esta seo foi a ltima a ser adicionada ao Ofcio,possuindo durao levemente mais curta que as Vsperas e as Laudes e comsignificao musical tambm menos relevante.

    -- Existem duas prticas diferentes na celebrao do Ofcio, variando de acordo com afuno e organizao de cada ordem clerical: o monstico (mais rigoroso e elaborado praticado por ordens enclausuradas ou semi-enclausuradas) e o secular (mais liberale simples praticado por ordens semi-enclausuradas ou abertas [modernamentechamados de seminrios], muitas vezes dedicados formao de padres seculares, ouseja, padres que atuaro dire