1 Aula 3 – Analise das Demonstrações Financeiras GESTÃO FINANCEIRA 1 Prof. CARLOS EDUARDO MARINHO DINIZ.

Download 1 Aula 3 – Analise das Demonstrações Financeiras GESTÃO FINANCEIRA 1 Prof. CARLOS EDUARDO MARINHO DINIZ.

Post on 22-Apr-2015

106 views

Category:

Documents

3 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Slide 1
  • 1 Aula 3 Analise das Demonstraes Financeiras GESTO FINANCEIRA 1 Prof. CARLOS EDUARDO MARINHO DINIZ
  • Slide 2
  • 2 CONCEITOS DE CAPITAL DE GIRO Ativo Circulante - AC Capital Circulante Lquido - CCL CCL = AC - PC Capital de Giro Prprio - CGP CGP = PL - (AP + RLP) ANLISE FINANCEIRA AVANADA
  • Slide 3
  • 3 ANLISE DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO Investimento Operacional em giro - IOG Ciclo Financeiro da Empresa Capital Permanente Lquido e Saldo de Tesouraria Anlise da tendncia do IOG Efeito Tesoura Overtrade FLUXO DE CAIXA (CASH FLOW) Elaborao do Fluxo de Caixa Anlise do Fluxo de Caixa ANLISE FINANCEIRA AVANADA
  • Slide 4
  • 4 Para analisar as Demonstraes Contbeis e Financeiras, o que que eu preciso saber?
  • Slide 5
  • 5 Uma srie infinita de contas entrelaadas. Uma srie de regis- tros de valores. Uma srie ordenada de registros de direi- tos e obrigaes. h vrias formas de se ver o balano patrimonial saber ver o balano
  • Slide 6
  • 6 a melhor maneira de se ver o balano patrimonial entender os seus grande grupos saber ver o balano
  • Slide 7
  • 7 Recapitulando: O balano patrimonial se divide em seis grandes grupos. Ativo Circulante Realizvel a Longo Prazo Permanente Passivo Circulante Exigvel a Longo Prazo Patrimnio Lquido O nmero de contas no importa O que importa o valor das contas FIQUE DE OLHO
  • Slide 8
  • 8 VALOR DAS CONTAS refazendo os seis grandes grupos, pelo VALOR DAS CONTAS. O nmero de contas no importa O que importa o valor das contas FIQUE DE OLHO Ativo Circulante Realizvel a Longo Prazo Permanente Passivo Circulante Exigvel a Longo Prazo Patrimnio Lquido Ativo Circulante 449.433 Realizvel a Longo Prazo 35.379 Permanente 444.922 Passivo Circulante 230.170 Exigvel a Longo Prazo 56.794 Patrimnio Lquido 642.770 TOTAL DO ATIVO 929.734 TOTAL DO PASSIVO 929.734
  • Slide 9
  • 9 Os ndices nos ajudam a entender as relaes entre as diferentes reas de negcios da empresa. Por exemplo: 1.Qual o investimento adicional (crescimento do saldo da rubrica) que dever ser realizado em Contas a Pagar, Estoques e Contas a Receber, para cada Real (R$) adicional a ser obtido pelo aumento das vendas? 2.Qual nvel de Ativos Permanentes d suporte a um determinado nvel de vendas? Porm nenhum ndice vale isoladamente. Sempre deve ser usado associado a outro ou outros ndices. Nenhum ndice vale isoladamente. Sempre deve ser usado associado a outro ou outros ndices.
  • Slide 10
  • 10 Exemplos: 1.Uma empresa com excelente ndice Exigvel X Patrimnio Lquido (baixo endividamento) pode est com suas Vendas estagnadas e sem gerar caixa suficiente para quitar as dvidas. 2.As Vendas podem ter aumentado e todos os ndices parecerem timos, porm a empresa no consegue pagar o salrio dos empregados. 3.O crescimento das Vendas provoca um aumento no nas rubricas Contas a Receber e Estoques, o que provoca queda no saldo do Fluxo de Caixa. Por si s a Anlise Financeira por meio de ndices pode fornecer um retrato falso. Por isso deve ser usada em conjunto com uma anlise mais profunda dos negcios da empresa. A Anlise Financeira por meio de ndices pode fornecer um retrato falso. Deve ser usada em conjunto com uma anlise mais profunda dos negcios da empresa.
  • Slide 11
  • 11 ndices de liquidez Os ndices de liquidez (ou do solvncia) evidenciam quantas vezes o numerador contm o denominador. Exemplo: Ativo Circulante 20/Passivo Circulante 10 = 2 : 1 O numerador (Ativo Circulante) tem 2 Reais para cada Real do denominador (Passivo Circulante). Quanto mais elevados sejam os ndices melhor ser a situao financeira da empresa.
  • Slide 12
  • 12 os principais ndices de liquidez so: 1 - O capital circulante lquido. 2 - O ndice de liquidez corrente. 3 - O ndice de liquidez seca. 4 - O ndice de liquidez geral. ndices de liquidez
  • Slide 13
  • 13 Capital Circulante Lquido (ou Capital de Giro Lquido) = Ativo Circulante Passivo Circulante Todas as Disponibilidades + Realizvel a Curto Prazo Todos os valores a pagar a curto prazo. 1 - capital circulante lquido
  • Slide 14
  • 14 -(Menos) 1 - capital circulante lquido + + Dinheiro e dep- sitos bancrios. Ttulos e Che- ques a receber. Estoques. Emprstimos e financiamentos bancrios. + Fornecedores Salrios + + Lucro dos scios + Tributos
  • Slide 15
  • 15 ndice de Liquidez Corrente = Ativo Circulante / Passivo Circulante Todas as Disponibilidades + Realizvel a Curto Prazo / Todos os valores a pagar a curto prazo. 2 - ndice de liquidez corrente
  • Slide 16
  • 16 2 - ndice de liquidez corrente + + Dinheiro e dep- sitos bancrios. Ttulos e Che- ques a receber. Estoques. Emprstimos e financiamentos bancrios. + Fornecedores Salrios + + Lucro dos scios + Tributos /(Divididopor)
  • Slide 17
  • 17 ndice de Liquidez Seca = Ativo Circulante Estoques Despesas de Exerccios Seguintes / Passivo Circulante. Todas as Disponibilidades + Contas a Receber Estoques Despesas Antecipadas de outros exerccios / Todos os valores a pagar a curto prazo. 3 - ndice de liquidez seca
  • Slide 18
  • 18 3 - ndice de liquidez seca + - Dinheiro e dep- sitos bancrios. Despesas antecipadas. Estoques. - Ttulos e Che- ques a receber. / (Dividido por) Emprstimos e financiamentos bancrios. + Fornecedores Salrios + + Lucro dos scios + Tributos
  • Slide 19
  • 19 ndice de Liquidez Geral = Ativo Circulante + Realizvel a Longo Prazo / Passivo Circulante + Exigvel a Longo Prazo. Todas as Disponibilidades + Contas a Receber + Estoques + Despesas Antecipadas de outros exerccios / Todos os valores a pagar a curto prazo + Todos os valores a pagar a Longo Prazo 4 - ndice de liquidez geral
  • Slide 20
  • 20 4 - ndice de liquidez geral + - Dinheiro e dep- sitos bancrios. Despesas antecipadas. Estoques. - Ttulos e Che- ques a receber. /(Divididopor) Emprstimos e financiamentos bancrios. + Fornecedores Salrios + + Lucro dos scios + Tributos Tudo o que houver de CURTO e de LONGO PRAZO
  • Slide 21
  • 21 os ndices de prazos mdios evidenciam o tempo de algumas atividades da empresa e constatam a qualidade da gesto do seu capital de giro, medindo: 1.O prazo mdio para pagamento aos fornecedores. 2.O tempo mdio de permanncia das mercadorias nos Estoques. 3.O prazo mdio para recebimento das vendas a prazo. ndices de prazos mdios
  • Slide 22
  • 22 um desses prazos favorvel empresa. Os outros dois so contrrios. 1.Quanto maior o prazo obtido dos fornecedores para pagamento das compras, melhor. 2.Quanto menor o prazo que as mercadorias permanecerem estocadas, melhor. 3.Quanto menor o prazo que os clientes levarem para pagar as suas compras, melhor.
  • Slide 23
  • 23 os principais ndices de prazo mdio so: 1 - Prazo mdio de pagamento a fornecedores. 2 - Prazo mdio de estocagem. 3 - Prazo mdio de cobrana. ndices de prazos mdios
  • Slide 24
  • 24 Prazo mdio de pagamento a fornecedores= Saldo mdio de Fornecedores Compras Brutas / 360 Soma dos saldos da conta Fornecedores dos balanos atual e passado : 2 / Compras brutas : 360 Compras brutas: Custo das Mercadorias Vendidas - Tributos includos no preo das mercadorias (IPI, ICMS etc.) - Devolues realizadas pelos clientes de mercadorias vendidas - Abatimentos concedidos pela empresa aos seus clientes. 1 - prazo mdio de pagamento a fornecedores
  • Slide 25
  • 25 Tais brincando???. Calendrio falso !!! 1 - prazo mdio de pagamento a fornecedores Fornecedores Saldo em 31/12 do Balano 1 Fornecedores Saldo em 31/12 do Balano 2 + : 2 : 360 Compras Brutas Vamos tornar esta frmula mais atraente? No lugar do 360 coloque um calendrio. Tais brincando ? Calendrio falsificado ? D para aumentar ?
  • Slide 26
  • 26 Prazo mdio de Estocagem= Saldo mdio de Estoques Custos das Vendas / 360 Soma dos saldos da conta Estoques dos balanos atual e passado : 2 / Custo das mercadorias vendidas : 360 Indica qual o tempo mdio de permanncia das mercadorias na empresa; entre a data da compra e a data da venda. 2 - prazo mdio de estocagem
  • Slide 27
  • 27 2 - prazo mdio de estocagem Estoques do balano 1 Estoques do balano 2 +: 2 Custo das Mercadorias Vendidas :
  • Slide 28
  • 28 Prazo mdio de Cobrana = Saldo mdio de Contas a Receber Receita Operacional Bruta Devolues Abatimentos / 360 Soma dos saldos das contas que tiveram origem em vendas, dos balanos atual e passado : 2 / Valor de todas as vendas a vista e a prazo As Devolues de mercadorias feitas pelos clientes Os Abatimentos concedidos pela empresa : 360 Indica qual o tempo mdio que a empresa leva para receber as vendas a prazo; as datas entre a venda e o efetivo recebimento do seu valor. 3 - prazo mdio de cobrana
  • Slide 29
  • 29 / Cheques em Cobrana Soma do saldo dos balanos 1 e 2, dividido por 2 Ttulos a Receber Soma do saldo dos balanos 1 e 2, dividido por 2 + DEVOLUES e ABATIMENTOS - 3 - prazo mdio de cobrana Total das vendas
  • Slide 30
  • 30 prazos mdios Se os prazos mdios de pagamento a fornecedor for de 120 dias; de estocagem for 60 dias e de cobrana for de 90 dias, teremos a seguinte situao: Favorvel a empresa Prazo para pagar aos fornecedores:................. 120 dias Contra a empresa Prazo de estocagem:.................... 60 dias Prazo de cobrana:....................... 90 dias 150 dias Tempo que a empresa usa custos para esto- car as mercadorias e para cobrar as vendas:..... 30 dias
  • Slide 31
  • 31 Estocagem 60 dias Cobrana 90 dias Fornecedores 120 dias A descoberto 30 dias No exemplo, a firma est sendo financiada por 120 dias e financiando 150. Para cobrir os 30 dias restantes, tem que desviar recursos de outras atividades ou usar recursos de terceiros, pagando juros. Obs.: Os fornecedores tambm cobram juros.
  • Slide 32
  • 32 ndices de estrutura patrimonial Os ndices de estrutura patrimonial so calculados em termos de nmero de vezes que o numerador contm o denominador. Uma interpretao simplista desses ndice seria dizer que quanto menor eles forem, melhor ser a situao da empresa analisada.
  • Slide 33
  • 33 os principais ndices de estrutura patrimonial so: 1 - Capital de Terceiros/Capital Prprio. 2 - Composio do Endividamento 2 - Composio do Endividamento. 3 - Endividamento Geral 3 - Endividamento Geral. 4 - Imobilizao do Capital Prprio. 5 - Imobilizao dos Recursos Permanentes. ndices de estrutura patrimonial
  • Slide 34
  • 34 1 - capital de terceiros/capital prprio Capital de Terceiros/Capital Prprio = Passivo Circulante + Exigvel a Longo Prazo / Patrimnio Lquido Essa equao evidencia o montante de quanto de capitais de terceiros que a empresa usa, em relao aos recursos prprios (Patrimnio Lquido), isto , a relao entre os recursos de terceiros e os recursos prprios usados nos negcios da empresa analisada.
  • Slide 35
  • 35 1 - capital de terceiros/capital prprio Passivo Circulante 230.170 Exigvel a Longo Prazo 56.794 Patrimnio Lquido 642.770 286.964 642.770 = 0,44 : 1 Neste caso para cada R$ 1,00 de recursos prprios da empresa ela s usa R$ 0,44 de recursos de terceiros. uma situao muito boa, pois R$ 0,66 so recursos prprios.
  • Slide 36
  • 36 2 - composio do endividamento Composio do endividamento = Passivo Circulante / Passivo Circulante + Exigvel a Longo Prazo Evidencia quanto a empresa tem de dvidas de curto prazo, em relao ao total de seus dbitos para com terceiros. Quanto menor for o montante das dvidas de curto prazo, melhor.
  • Slide 37
  • 37 2 - composio do endividamento Passivo Circulante 230.170 Exigvel a Longo Prazo 56.794 230.170 286.964 = 0,80 : 1 Neste caso, para cada R$ 1,00 do total das suas dvidas a empresa deve R$ 0,80 vencvel a curto prazo. uma situao regular, pois s R$ 0,20 vencvel a longo prazo. Passivo Circulante 230.170
  • Slide 38
  • 38 3 - endividamento geral Endividamento geral = Passivo Circulante + Exigvel a Longo Prazo / Ativo Total Esse ndice mostra o total que a empresa deve em relao ao total do que ela possui em direitos e bens, ou seja, o quanto ela pertence a terceiros e qual a sua liquidez.
  • Slide 39
  • 39 3 - endividamento geral Passivo Circulante 230.170 Exigvel a Longo Prazo 56.794 Ativo Circulante 449.433 Realizvel a Longo Pra 35.379 Permanente 444.922 286.964 929.734 = 0,31 : 1 Neste caso para cada R$ 1,00 dos seus direitos e bens pertencentes a empresa usou s R$ 0,31 de recursos de terceiros. uma situao boa, pois R$ 0,69 foram com recursos prprios.
  • Slide 40
  • 40 3 - imobilizao do capital prprio Imobilizao do Capital Prprio = Ativo Permanente / Patrimnio Lquido Mostra o quanto do Patrimnio Lquido (recursos prprios) da empresa est aplicado no Ativo Permanente (Imobilizado em prdios, mquinas, instalaes etc. e Investimentos em outros empresas).
  • Slide 41
  • 41 4 - imobilizao do capital prprio 444.922 642.770 = 0,69 : 1 Neste caso, para cada R$ 1,00 dos recursos prprios da empresa somente R$ 0,69 foram investidos em carter permanente. uma situao boa, pois R$ 0,31 dos recursos prprios financiam o capital de giro da empresa. Permanente 444.922 Patrimnio Lquido 642.770
  • Slide 42
  • 42 5 - imobilizao dos recursos permanentes Imobilizao dos recursos permanentes = Ativo Permanente / Exigvel a Longo Prazo + Patrimnio Lquido Revela quanto de financiamento de longo prazo e de recursos prprios esto aplicados em ativos, cuja maturao financeira muito longa, o que resulta em baixa liquidez.
  • Slide 43
  • 43 5 - imobilizao dos recursos permanentes 444.922 699.564 = 0,64 : 1 Neste caso para cada R$ 1,00 dos recursos tidos permanentes da empresa, somente R$ 0,64 foram investidos em carter permanente. uma situao boa, pois R$ 0,36 desses recursos financiam o capital de giro da empresa. Permanente 444.922 Patrimnio Lquido 642.770 Exigvel a Longo Prazo 56.794
  • Slide 44
  • 44 ANLISE FINANCEIRA E CONTBIL DE BALANO Planejamento, criao e execuo do Prof. Tomislav R. Femenick Desenhos e imagens compilados pelo autor. Bibliografia: WESTON, J. Fred e BRIGHAM, Eugene F. Fundamentos da administrao financeira. 10 ed. So Paulo: Makron, 2000. GITMAN, Lawrence J. Princpios de administrao financeira. 7 ed. So Paulo: Harbras, 1997. FEMENICK, Tomislav R. Administrao financeira & oramentos. So Paulo: Unibero, 1997. ROSS, Stephen A., WESTERFIELD, Randolph W. e JAFFE, Joffrey F. Administrao financeira: corporate finance. So Paulo: Atlas, 1995. BRAGA, Roberto. Fundamentos e tcnicas de administrao financeira. 12 ed. So Paulo: Atlas, 2003.

Recommended

View more >