1 adm aplic enf

Download 1 Adm Aplic Enf

Post on 17-Aug-2015

220 views

Category:

Documents

4 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

administração enfermagem

TRANSCRIPT

PROF. ENF. HYGOR ELIASADMINISTRAR ...ADMINISTRAO O PROCESSO DE PLANEJAR,ORGANIZAR, DIRIGIR E CONTROLAR AS AESDE UMA EMPRESA/INSTITUIO/SERVIO AFIM DE ALCANAR SEUS OBJETIVOS. Oenfermeiro incorpora, emsua formaoprofissional, o saber de vrias cincias, dentreelas, a cincia da administraoTEORIAS ADMINISTRATIVASVERSAM SOBRE CINCO VARIVEIS BSICAS:- TAREFAS- PESSOAS- ESTRUTURA- AMBIENTE- TECNOLOGIATEORIA CIENTFICA - Taylor Aumento da produo pela eficincia operacional.- Diviso do trabalho- Especializao- Padronizao das tarefas- Superviso funcional autoridade funcional NA ENFERMAGEM- Elaborao ou adoo de POPs- Escalas dirias de diviso de atividades entre os membrosda equipe.TEORIA CLSSICA - FayolEFICINCIA DA ORGANIZAO E FUNCIONAMENTO- POCCC: prever; organizar; comandar; coordenar e controlar.- Diviso horizontal do trabalho: departamentalizao- Diviso vertical do trabalho: hierarquia de autoridade.NA ENFERMAGEM:- Organogramas institucionais- Atividades rotineiras com avaliao exclusivamentequantitativas.TEORIA DAS RELAES HUMANAS Elton Mayo ENFATIZA A VARIVEL PESSOAS EM LUGAR DAESTRUTURA- Humanizao e democratizao na administrao depessoal- Fator psicolgico interfere na produo mais que ofisiolgico- Importncia da cooperao, motivao humana,liderana, comunicao e dinmica de grupo. NA ENFERMAGEM: Chefe x LderTEORIA BUROCRTICA - Weber VISA EFICINCIA ORGANIZACIONAL- Carter racional e sistemtica diviso de trabalho.- Impessoalidade nas relaes humanas- Determinao de procedimentos e rotinas NA ENFERMAGEM:- Falta de autonomia da Enfermagem Segue as normas da instituio- Prtica administrativa estanque com poucas perspectivas de mudanas.TEORIA COMPORTAMENTALISTAEVIDENCIA OS ESTILOS COMQUE OS ADMINISTRADORESDIRIGEMOPESSOAL:Escolhadoestilosconvicesqueosadministradores tinham a respeito do comportamentohumano.- Teoria da Motivao de MaslowPrimrias: fisiolgicas e seguranaSecundrias: sociais, estima e auto-realizao- Teoria de Mc GregorTeoria X: homempreguioso, irresponsvel e resistente mudanas.TeoriaY: homemresponsvel, criativoeindependentecomchefia dinmica, aberta, inovadora e democrtica.TEORIA DOS SISTEMAS BASEIA-SE NO CONCEITO DE HOMEM FUNCIONAL, QUESE CARACTERIZA PELO RELACIONAMENTO INTERPESSOALCOM OUTRAS PESSOAS.- Teoria recente e coerente com a viso estruturalfuncionalista tpica do sistema capitalista. NA ENFERMAGEM:- As organizaes so aceitas como subsistemas do sistemamaior, o qual, no caso, o sistema de sade.ADMINISTRAO DE SERVIOS DE SADE SUBSDIOS BSICOS PLANEJAMENTO TOMADA DE DECISO ESTRUTURA ORGANIZAO E MANUAIS RECURSOS HUMANOS EM ENFERMAGEM ADMINISTRAO DOS RECURSOS FSICOS E MATERIAIS SUPERVISO LIDERANA TRABALHO EM EQUIPEPLANEJAMENTO ESTRATGIAPARASISTEMATIZAROTRABALHO, PREVERMUDANAS E ADEQUAR OS RECURSOS PARA ATINGIR OSOBJETIVOS PROPOSTOS.Na maioria das vezes relacionado a aes assistenciais, sistematizao da assistncia, porm, pouco utilizadopara obter resultados efetivos no gerenciamento derecursos humanos, materiais, custos, ou mesmo nosuporte a decises e mudanasPLANEJAMENTO - Fases1) Conhecer o Sistema como um todo: organizacional, social etcnico.2) Determinao dos objetivos3) Estabelecimento de prioridades4) Seleo de recursos disponveis: fsicos, financeiros,humanos e materiais5) Estabelecimento do plano operacional com prazos6) Desenvolvimento do plano operacional: implementao7) Avaliao e aperfeioamentoTOMADA DE DECISO A ESCOLHA DE DETERMINADA LINHA DE AO. ETAPAS DO PROCESSO DECISRIO:1) Percepo do problema2) Definio do problema: causa x sintoma3) Coleta de dados4) Anlise de dados5) Procura de solues alternativas6) Escolha ou deciso7) Implementao e avaliaoPROCESSO DECISRIO x PROCESSO DE ENFERMAGEMPROCESSO DECISRIO PROCESSO DE ENFERMAGEMIdentificao e definio do problema + Coleta de dadosAnlise dos dados + Procura de solues + Escolha da soluoImplementaoAvaliaoColeta de dadosPlanejamentoImplementaoAvaliaoESTRUTURA ORGANIZACIONALDEFINE AS RELAES ENTRE SERVIOS E UNIDADES FORMAL: Planejada e definida em organograma. INFORMAL: Emerge espontaneamente entre as pessoas ese define a partir dos relacionamentos entre osenvolvidos.ESTRUTURA ORGANIZACIONALDEFINE AS RELAES ENTRESERVIOS E UNIDADES.- REGIMENTO- REGULAMENTOS- MANUAISESTRUTURA ORGANIZACIONAL REGIMENTO: ATO NORMATIVO QUE DIRECIONA OFUNCIONAMENTO DOS SERVIOS E ESCLARECE AATUAO DA EQUIPE NA INSTITUIO.- Misso e finalidade do servio- Estrutura administrativa- Competncia dos servios- Requisitos profissionais dos recursos humanos- Atribuies de cada membro da equipe- Informaes de horrios de trabalhoESTRUTURA ORGANIZACIONAL REGULAMENTO: ATO NORMATIVO DE CARTER ESTVEL,BAIXADO PELA ADMINISTRAO SUPERIOR, QUE REGULAE AMPLIA O ESTATUTO, PARA CARACTERIZAR AORGANIZAO NOS SEUS ASPECTOS FUNDAMENTAIS.- Contm as diretrizes bsicas da organizao de sade:Entidade mantenedoraFilosofia da organizaoEstrutura organizacionalObjetivos e atividades das unidades administrativasQuadro de pessoal da organizaoESTRUTURA ORGANIZACIONAL MANUAIS DE ENFERMAGEM:INSTRUMENTO QUE RENE, DE FORMA SISTEMATIZADA,NORMAS, ROTINAS, PROCEDIMENTOS E OUTRASINFORMAES NECESSRIAS PARA A EXECUO DASAES DE ENFERMAGEM.- Esclarece dvidas- Orienta a execuo das aes de enfermagem- Deve ser constantemente submetido anlise crtica.TIPOS DE MANUAIS NORMAS E ROTINAS- Normas: conjuntoderegras paradesenvolvimentodasatividades. O QUE? COMO?Ex: Todas as solicitaes dirias de materiais esterilizadosdas Unidades devem ser encaminhadas ao CME at 9h.- Rotinas: descrioexatacomoasatividadesdevemserrealizadas. Deve esclarecer qual o agente que executa,as aes desenvolvidas e as normas inerentes quelarotina. O QUE? QUEM? ONDE?Ex: Rotina de Admisso de paciente para Cirurgia.TIPOS DE MANUAIS MANUAL DE PROCEDIMENTOSDescrio detalhada e sequencial de como uma atividade realizada. Baseado em princpios cientficos.Ex: Tcnica de sondagem vesical de demora. MANUAL DE EQUIPAMENTOSDescrio dos equipamentos e orientaes sobre suautilizao.ADMINISTRAO DE RHDIMENSIONAMENTO DE PESSOAL- Primeirafasedoprocessodeprovimentodepessoal eestabelece o nmero necessrio de profissionais porcategoriaparaatender as demandas deassistnciadeEnfermagem nos servios.- Resoluo do COFEN185/96: determina o grau de dependncia dospacientes e orienta como utiliz-los na determinao do nmero depessoas ideal para assistir os pacientes.- ResoluoCOFEN189/96: determinaonmerodehoras mnimas porcategoria de cuidados, bem como a distribuio percentual dosprofissionais de Enfermagem para cada categoria de pacientes.DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL Res.COFEN 293/2004CATEGORIA DE CUIDADO HORAS DE ENFERMAGEMINDEPENDENTE 3,8INTERMEDIRIO 5,6SEMI INTENSIVO 9,4INTENSIVO 17,9DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL INDEPENDENTE: paciente estvel clinicamente eauto-suficiente para as necessidades humanasbsicas. INTERMEDIRIOS: paciente estvel, requerendoavaliaes mdicas edeenfermagem, comparcialdependncia dos profissionais de enfermagem para oatendimento das necessidades humanas bsicas.DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL SEMI-INTENSIVOS: paciente recupervel, sem risco iminente de morte, passveis de instabilidade das funes vitais, requerendo assistncia permanente e especializada. INTENSIVOS: paciente grave e recupervel, com risco iminente de morte, sujeitos instabilidade das funes vitais, requerendo assistncia permanente e especializada.DIMENSIONAMENTO DE PESSOALTHE = [(PCMx3,8) + (PCIx5,6) + (PCSIx9,4) + (PCItX17,9)]QP = Km x THEKm = DS/JST xISTESCALA DIRIA DE ATIVIDADES Mtodo de cuidado integral ao paciente por paciente- Maior conhecimento das condies do paciente- Exige maior capacitao dos profissionais Mtodo funcional de atendimento por tarefa- Fragmentao da assistncia- Econmico,porm com menor satisfao do profissional. Mtodoporequipe: profissionaisdeformaolimitadacolaboram prestando assistncia sob direo d@enfermeir@.ESCALA MENSAL DISTRIBUIO DA CARGA HORRIA SEMANAL NMERO DE HORAS TRABALHADAS POR PERODO EINTERVALO ENTRE JORNADAS AFASTAMENTOS LEGAIS- Frias- Licenas para tratamento de sade- Licena maternidade- Folgas- Licena prmioRECRUTAMENTO E SELEO DE PESSOAL RECRUTAMENTO O CONJUNTO DE TCNICAS EPROCEDIMENTOS QUE VISA ATRAIR CANDIDATOSPOTENCIALMENTE QUALIFICADOS E CAPAZES DE OCUPARCARGOS NA ORGANIZAO. PODE SER REALIZADODENTRO OU FORA DA INSTITUIO.Ex:Lanamentodeedital paraconcursodeenfermeirosda SES-DF. FONTES DE RECRUTAMENTO- Interno: promoveoutransferefuncionriosparaoutrossetores- Externo: candidatos que vem de fora. Ex: concurso.RECRUTAMENTO E SELEO DE PESSOAL SELEO: PROCESSOQUE VISA ESCOLHER, ENTRE OSCANDIDATOSRECRUTADOS,OSMAISQUALIFICADOSOUOSQUESEIDENTIFICAMCOMASCARACTERSTICASDAVAGA (MAIS APTOS), VISANDO MANTER OU AUMENTAR AEFICINCIA E O DESEMPENHO DO PESSOAL, BEM COMOA EFICINCIA DA ORGANIZAO.Ex: PROVA NEM SEMPRE O CANDIDATO SELECIONADO OMELHOR PARA O CARGOAVALIAO DE DESEMPENHO FORMA DE MENSURAR A QUALIDADE DO TRABALHO DEDETERMINADOPROFISSIONALNAREALIZAODESUASATIVIDADES, POR MEIO DE CRITRIOS PR-ESTABELECIDOS.- Realizadaesporadicamenteeseus resultados somaisdirecionados a questes legais e trabalhistas.- Preparo do avaliador: deve ter conhecimento dosobjetivos da avaliao e analisar tanto o comportamentohumano quanto a questo tcnica do avaliado. No podeser utilizada como instrumento de fora e poder.- Deve servir de base para programas de treinamento.ADMINISTRAO DE RECURSOS FSICOS DEVEM SEGUIR AS DETERMINAES DO MINISTRIODASADEPARASUACONSTRUO, CONTIDASNOMANUAL DE NORMAS E PADRES DE CONSTRUO EINSTALAO DE SERVIOS DE SADE (MS, 2006).Ex: Metragem recomendada para um posto deenfermagem 6mEx2: Espao fsico de uma enfermaria para adultos de3 a 6 leitos com 6m por leito e distncia mnima de1m entre elesADMINISTRAO DE RECURSOS MATERIAIS OBJETIVA COORDENAR AS ATIVIDADES QUEGARATEMOSUPRIMENTODESSESRECURSOSPARATODA A INSTITUIO, COM MENOR CUSTO ECONTINUAMENTE. FASES DA ADMINISTRAO DOS RECURSOSMATERIAIS:1) Compra2) Armazenamento3) Distribuio4) ControleADMINISTRAO DE RECURSOS MATERIAIS EM ENFERMAGEM PREVISO : Levantamento das necessidades,quantidade e especificidade. PROVISO: Reposio dos materiais necessrios pararealizao das atividades da unidade (solicitao) ORGANIZAO: Di