07 Pragas Do Milho Safrinha

Download 07 Pragas Do Milho Safrinha

Post on 05-Jul-2015

341 views

Category:

Documents

23 download

TRANSCRIPT

Tecnologia e Produo: Milho Safrinha e Culturas de Inverno 2009

077.1. Introduo

Pragas do Milho SafrinhaRicardo Barros1

Dezenas de espcies de insetos esto associadas cultura do milho, mas relativamente poucas apresentam caractersticas de uma praga-chave, como regularidade de ocorrncia, abrangncia geogrfica e potencialidade para causar danos economicamente significativos. Os prejuzos provocados economicamente por insetos na cultura do milho materializam-se, em boa parte, devido dificuldade de acesso s informaes sobre as tecnologias disponveis para o seu controle. Sendo assim, esta publicao tem como principal objetivo suprir uma parte desta carncia.

7.2. Lagarta-elasmo Elasmopalpus lignosellusA lagarta-elasmo uma das principais pragas do milho em condies de campo. Tem sido observado que esta praga ocorre com maior frequncia em solos arenosos sob vegetao de cerrado e em perodos secos aps as primeiras chuvas, sobretudo no primeiro ano de cultivo. Descrio e biologia A forma adulta da lagarta-elasmo uma pequena mariposa medindo cerca de 20 mm de envergadura, apresentando colorao cinza-amarelada. A postura feita nas folhas, bainhas ou hastes de plantas hospedeiras, onde ocorre a ecloso das larvas, num perodo varivel, de acordo com as condies climticas. A larva inicialmente alimenta-se das folhas, descendo em seguida para o solo e penetrando na planta altura do colo, no qual faz uma galeria ascendente que termina destruindo o ponto de crescimento da planta. As larvas completamente desenvolvidas medem cerca de 15 mm so de colorao verde-azulada com estrias transversais marrons, purpreas e pardo escuras (Figura 7.1). O perodo larval dura em mdia 21 dias, as larvas transformam-se em crislidas, prximo haste das plantas ou nas proximidades desta no solo, e aps 8 dias, aproximadamente, emergem os adultos.

FUNDAO MS

Figura 7.1. Lagarta-elasmo Elasmopalpus lignosellus.

Identificao no campo Os maiores prejuzos para a cultura do milho so causados nos primeiros trinta dias aps a germinao. Devido ao Figura 7.2. Orifcio e Lagarta-elasmo Elasmopalpus lignosellus. ataque, ocorre primeiramente a morte das folhas centrais, cujo sintoma denominado 'corao morto'. Sendo puxadas com a mo, as folhas secas do centro destacam-se com facilidade. Junto ao orifcio de entrada encontra-se um tubo construdo pela lagarta, com terra, teia e detritos vegetais, dentro do qual ela se abriga (Figura 7.2). Uma caracterstica importante desta praga que as larvas so bastante ativas e saltam quando tocadas.1

Eng. Agr. M.Sc. (CREA/MS 10602/D) Pesquisador da FUNDAO MS.

90

FUNDAO MS

Tecnologia e Produo: Milho Safrinha e Culturas de Inverno 2009

7.2.1. Mtodos de controle da lagarta-elasmo

a) Controle natural Esta praga pouco afetada pelos inimigos naturais, pois est sempre protegida dentro da planta ou no interior do abrigo j referido. b) Uso de prticas agronmicas Sistema de plantio direto: sua incidncia tem sido mais frequente e severa em perodos de estiagem nos sistemas de plantio convencional. No sistema de plantio direto, que propicia melhor conservao da umidade no solo, tem sido observada a menor incidncia da praga, pois a mesma no est adaptada aos solos midos. Neste sentido, uma boa cobertura com palha se torna imprescindvel para o manejo desta praga. Coberturas de solo: algumas coberturas de solo, geralmente cultivadas durante o inverno, podem ser mais atrativas para oviposio pelas mariposas, dentre as principais constam os restos culturais do trigo e sorgo, devendo-se haver maior precauo quando do cultivo de milho sobre estes dois tipos de palhada, principalmente em perodos de veranico. No caso da safrinha, como geralmente a semeadura realizada sobre restos culturais de soja, os fatores mais determinantes para a ocorrncia de infestaes severas de elasmo so os perodos de estiagem e a textura de solo. Irrigao: a irrigao pode se constituir de um fator de controle, desde que economicamente vivel. c) Controle qumico Tratamento de sementes: atualmente o tratamento de sementes com inseticidas tecnologia consagrada no manejo de pragas da cultura do milho safrinha. No caso da lagarta-elasmo, este tratamento pode ser realizado com produtos do grupo qumico dos carbamatos (tiodicarbe, carbofuran, furatiocarbe) ou finil-pirazis como o fipronil. Pulverizaes: vlido lembrar que em condies extremamente favorveis a esta praga (solos leves, estiagem prolongada aps a emergncia e plantio convencional), o tratamento de sementes isoladamente se torna pouco eficiente, tendose ainda que utilizar pulverizaes com inseticidas de contato e ao de profundidade (por exemplo, clorpirifs, Tabela 7.1) realizadas durante a noite e com alto volume de calda.

Tabela 7.1. Inseticidas* recomendados para o controle da Largarta-elasmo Elasmopalpus lignosellus. Compilado por Degrande & Lopes (2007) a partir de informaes do Ministrio da Agricultura.

Nome Tcnico Carbaril Carbofurano

Nome Comercial Carbaryl Fersol 75 DP Carboran Fersol 350 SC Diafuran 50 GR Fenix 250 FS Furadan 350 SC Furadan 350 TS Furadan 50 GR Furazin 350 FS Marzinc 250 DS Lorsban 480 BR EC Vexter 480 EC Promet 400 CS Cropstar SC Cruiser 350 FS Futur 300 SC Semevin 350 SC

Dose** (g i.a.ha-1)

Dose produto comercial (kg ou l.ha-1)

Intervalo de segurana (dias) entre aplicao e colheita

Clorpirifs Furatiocarbe Imidacloprido+Tiodicarbe(150+450) Tiametoxam Tiodicarbe

1125 a 1500 15 a 20 700 2/100kg 1500 30 600 a 700 2,4 a 2,8/100kg 1050 a 1400 3 a 4/100kg 700 a 1050 2 a 3/100kg 1050 30 787,5 2,25/100kg 500 2/100kg 480 1 480 1 640 1,6/100kg (45+135) a (135+157,5) 0,3 a 0,35 210 0,6/100kg 600 2/100kg 700 2/100kg

14 30 30 30 2 21 21 -

* Antes de emitir indicao e/ou receiturio agronmico, consultar a relao de defensivos registrados no Ministrio da Agricultura e cadastrados na Secretaria de Agricultura de seu Estado. ** g i.a.ha-1 = gramas de ingrediente ativo por hectare.

91

Tecnologia e Produo: Milho Safrinha e Culturas de Inverno 2009

7.3. Cor ou po-de-galinha Liogenys suturalis, Diloboderus abderus, Phyllophaga cuyabanaDescrio As larvas desse besouro so de colorao brancoleitosa e apresentam trs pares de pernas (Figura 7.3). Mesmo no seu mximo desenvolvimento, cerca de 25 mm de comprimento, tm formato arredondado e posicionam-se em forma de C, quando em repouso. Os adultos (besouros) medem cerca de 13 15 mm, e ventralmente so de colorao marrom-escura brilhante. A revoada dos adultos ocorre durante os meses de outubro e novembro, quando acasalam e efetuam a postura no solo a ser cultivado no vero.FUNDAO MS

Figura 7.3. Cor-do-milho.

Danos Nas condies de Mato Grosso do Sul, os danos de cors tm sido mais frequentes a partir do ms de maro e abril,poca de cultivo do milho safrinha. Isto porque neste perodo as larvas destes insetos j atingiram seu mximo desenvolvimento, passando com isto a ter uma capacidade de consumo bastante elevado.

7.3.1. Mtodos de controle do cora) Controle Biolgico Alguns agentes de controle biolgico natural atuam sobre as larvas de 'cors', como, por exemplo, nematides, bactrias, fungos (especialmente Metharrizium e Beauveriae sp.), no entanto, o sistema de cultivo utilizado na regio de produo de milho safrinha de Mato Grosso do Sul, baseado na sucesso soja no vero e milho no inverno, o que oferece alimento s larvas durante praticamente todo ano, propicia condies de sobrevivncia desta praga alm daquelas da capacidade dos agentes de controle natural de manter as populaes de cor abaixo dos nveis de dano econmico. b) Uso de Prticas Agronmicas O preparo do solo com implementos de disco tem sido sugerido como uma alternativa de controle das larvas. Alm do efeito mecnico do implemento, as larvas ficam expostas na superfcie do solo sob a ao da radiao solar e de inimigos naturais, especialmente os pssaros. No entanto esta alternativa implica, pelo menos num primeiro momento, no abandono do sistema de plantio direto, que tantos benefcios tem proporcionado em termos de meio ambiente e produtividade. c) Controle Qumico O uso de inseticidas qumicos em tratamento de sementes tem se apresentado como alternativa de controle, no entanto sua utilizao isolada insuficiente para a supresso desta praga. Sendo assim, algumas alternativas de produtos para tratamento de sementes so apresentadas na Tabela 7.2.

Tabela 7.2. Inseticidas* registrados no Ministrio da Agricultura para tratamento de sementes de milho visando o controle de cor.

Ingrediente Ativo Tiodicarbe Tiodicarbe Fipronil Bifentrina

Produto Comercial Futur 300 SC Semevin 350 SC Standak 250 SC Capture 120 FS

Dose por 100 kg de sementes g i.a.** 600 700 25 - 50 120 - 180 p.c. (kg ou l)*** 2,0 l 2,0 l 0,1 - 0,2 l 1,0 - 1,5 l

* Antes de emitir indicao e/ou receiturio agronmico, consultar a relao de defensivos registrados no Ministrio da Agricultura e cadastrados na Secretaria de Agricultura de seu Estado. ** g i.a. = gramas de ingrediente. *** p.c.(kg ou l) = produto comercial.

92

Tecnologia e Produo: Milho Safrinha e Culturas de Inverno 2009

7.4. Percevejo barriga-verde Dichelops furcatus e D. melacanthus

Os percevejos barriga-verde (Figura 7.4) (Hemiptera: Heteroptera) so insetos sugadores, isto , alimentam-se introduzindo o aparelho bucal (estiletes) nas plantas hospedeiras retirando destas a seiva para sua nutrio. Eles introduzem uma saliva que ir se solidificar, formando a chamada bainha alimentar ou flange. Aps, injetam uma saliva aquosa, contendo enzimas digestivas e toxinas, que pr-digerem o alimento, ocorrendo ento a ingesto. Descrio H duas espcies de percevejos conhecidos por barriga-verde na cultura do milho safrinha Dichelops furcatus (F.) e Dichelops melacanthus (Dallas). Elas so muito semelhantes. D. furcatus maior e os espinhos dos ombros (pronoto) so da mesma cor do pronoto. D. melacanthus menor e a extremidade dos espinhos mais escura do que o restante do pronoto. Danos Os percevejos que esto no solo, devido ao hbito de permanecerem na palhada, atacam as plntulas de milho na regio do caulculo, causando pequenas perfuraes (Figura 7.5). medida que o milho cresce e as folhas se desenvolvem, a leso aumenta, formando reas necrosadas no sentido transversal da folha, podendo esta dobrar na regio danificada. Como resultado do dano, as plantas de milho ficam com o desenvolvimento comprometido, apresentando um aspecto popularmente chamado de "encharutamento" ou "enrosetamento", havendo ainda o perfilhamento das plantas quando os insetos ao se alimentarem atingem a regio de crescimento das plntulas de milho. Em ataques severos ocorre perfilhamento e morte das plantas com consequente reduo no estande.

FUNDAO MS

Figura 7.4. Percevejo Barriga-verde.

FUNDAO MS

Figura 7.5. Percevejos Barriga-verde mortos e danos leves no milho.

7.4.1. Mtodos de controle do percevejo barriga-verdea) Controle qumico Uma das caractersticas do percevejo barriga-verde a sua presena em rea total da lavoura de milho, onde permanece sob o abrigo de touceiras de plantas daninhas e torres aps a colheita da soja no vero at a emergncia do milho safrinha. Neste sentido, essencial para o manejo desta praga a realizao de um controle eficaz de percevejos na cultura da soja, uma vez que o barriga-verde praga secundria desta cultura. O objetivo deste manejo a reduo da populao de percevejos para a safrinha. Por isto, pulverizaes no final do ciclo da soja, alm de proporcionar melhor qualidade de gros, reduzem as populaes de percevejos para as culturas subsequentes. Nestas reas com histrico de ocorrncia do percevejo barriga-verde, os produtores tm feito aplicaes de inseticidas em forma preventiva, isto , misturando produtos ao herbicida usado na dessecao (utilizada no sistema de plantio direto), deciso esta que deve ser tomada sempre com base nos resultados de uma boa vistoria da rea a ser dessecada, para a determinao da ocorrncia ou no de pragas. Devido ao hbito deste percevejo de se abrigar durante o dia, principalmente nas horas mais quentes, estas vistorias devem ser realizadas nas primeiras horas da manh.93

Tecnologia e Produo: Milho Safrinha e Culturas de Inverno 2009

Como complemento das vistorias nas palhadas, plantas iscas de milho podem ser cultivadas em canteiros prximos s reas onde ser cultivado o milho safrinha, como forma de atrativo de exemplares da praga, onde se deve observar a presena dos insetos e os danos nas plantas. O tratamento de sementes com inseticidas sistmicos do grupo dos neonicotinides (Tabela 7.3), em reas com a presena da praga, tem se mostrado uma boa alternativa de controle, por ser ecologicamente mais seletivo que as pulverizaes em rea total. No entanto, em condies de alta infestao da praga, a utilizao do tratamento de sementes como medida isolada de controle pode apresentar falhas, isto ocorre porque para ser controlado o percevejo tem que realizar a picada de prova na planta, ingerir certa quantidade de seiva da planta tratada com inseticida sistmico, intoxicar-se e morrer. Sendo assim, em reas densamente infestadas o nmero de picadas de prova muito grande, fazendo com que vrios percevejos antes de morrer (Figura 7.4) realizem a picada de prova em uma mesma planta, aumentando a probabilidade destes insetos sugadores atingirem o ponto de crescimento das plntulas de milho, evento este que determina a reduo da produo da planta afetada e at mesmo sua morte. Sendo assim, nestas reas altamente infestadas o tratamento de sementes deve ser associado a pulverizaes de parte area com inseticidas que apresentem bom efeito de choque associado ao sistmica (metamidofs, betaciflutrina + imidacloprido, lambdacialotrina + tiametoxam, cipermetrina + tiametoxam), lembrando-se que o limite mximo para a realizao desta aplicao de at sete dias aps a semeadura.

Tabela 7.3. Inseticidas* recomendados para o controle de Percevejo Barriga-verde Dichelops spp. Compilado por Degrande & Lopes (2007) a partir de informaes do Ministrio da Agricultura.

Nome Tcnico Beta-ciflutrina+Imidacloprido (12,5+100) Cipermetrina+Tiametoxam (220+110) Clotianidina Imidacloprido Imidacloprido+Tiodicarbe (150+450) Lambda-cialotrina+Tiametoxam(106+141) Tiametoxam

Nome Comercial Connect CS Engeo CE Platinum CE Poncho 600 FS Gaucho 600 FS Cropstar SC Engeo Pleno SC Cruiser 350 FS

Dose** (g i.a.ha-1) (6,25+50) a (12,5+100) (22+33) a (44+66) (22+33) a (44+66) 210 210 (37,5+52,5) a (112,5+157,5) (21,2+26,5) a (28,2+35,25) 210

Dose produto comercial (kg ou l.ha-1)

Intervalo de segurana (dias) entre aplicao e colheita

0,5 a 1,0 0,2 a 0,3 0,2 a 0,3 0,35/100kg 0,35/100kg 0,25 a 0,35 0,2 a 0,25 0,6/100kg

30 30 -

* Antes de emitir indicao e/ou receiturio agronmico, consultar a relao de defensivos registrados no Ministrio da Agricultura e cadastrados na Secretaria de Agricultura de seu Estado. ** g i.a.ha-1 = gramas de ingrediente ativo por hectare. *** Dias entre a aplicao e a colheita.

7.5. CaracisNos ltimos anos populaes elevadas de moluscos filfagos (principalmente caracis) tm ocorrido em lavouras de soja e milho que apresentam abundncia de cobertura vegetal sobre o solo. Estes gastrpodes (Figura 7.6) so favorecidos por ambientes de temperatura amena e alta umidade do solo e ar, encontrando em lavouras de plantio direto condies favorveis para seu abrigo e reproduo. So considerados pragas importantes de hortas, jardins e estufas, porm mais recentemente tm causado danos em lavouras extensivas de soja, milho, feijo e trigo. No sul do pas foram identificados os caracis do gnero Bulimulus spp. (Mollusca, Bulimulidae), sendo estes os provveis causadores de danos tambm em lavouras da regio Centro Sul de Mato Grosso do Sul.FUNDAO MS

Figura 7.6. Caracol.

94

Tecnologia e Produo: Milho Safrinha e Culturas de Inverno 2009

Descrio e biologia So poucas as informaes a respeito da biologia destes moluscos no Brasil. O que se sabe que seus ovos de colorao branco-leitosa de formato esfrico e dimetro aproximado de 0,2 mm so ovipositados em cmaras cavadas pelos adultos ou em aberturas realizadas por outros insetos e animais no solo. Aps quatro semanas de incubao os caracis jovens eclodem e se abrigam sob touceiras de restos culturais ou plantas daninhas que lhes conferem ambiente mido e proteo da radiao solar, alm de abrig-los contra a ao de inimigos naturais, principalmente aves. Danos Estes moluscos apresentam hbito noturno, mas so tambm ativos em dias nublados com elevada umidade do solo e temperaturas amenas. Sua presena nas lavouras denunciada pelo rastro de muco que deixam ao se locomover, no solo e sobre as plantas. Atacam normalmente a parte area das plantas raspando com a lngua spera o tecido vegetal, podendo causar desfolha semelhante de insetos mastigadores, em plntulas apresentam maior potencial de dano, causando reduo de estande. Os danos so potencializados em condies climticas que favorecem maior perodo de atividade dos caracis em detrimento ao rpido desenvolvimento da cultura, como a sucesso de dias nublados (devido falta de sol para a fotossntese), sendo assim, em solos com baixa fertilidade e/ou com fraca adubao o problema se agrava, pois as plantas tero menor arranque inicial permanecendo por um perodo mais prolongado na fase mais suscetvel a esta praga.

7.5.1. Mtodos de controle dos caracisa) Uso de prticas agronmicas As estratgias de manejo desta praga no devem ser pontuais e nem a curto prazo, pois se deve levar em considerao todo o sistema de cultivo. A principal medida de controle destes moluscos a rotao de culturas, principalmente em reas j com a presena da praga, alternando-se culturas favorveis como crucferas (nabo-forrageiro, canola, crambe, etc.) e leguminosas (soja, ervilhaca, etc.) com plantas que ofeream baixa qualidade alimentar para os caracis e ambiente desfavorvel como gramneas-forrageiras. A realizao de um bom controle de plantas daninhas antes da instalao da cultura do milho indispensvel em reas infestadas, pois com isto elimina-se o abrigo e o alimento dos caracis antes da instalao da cultura principal. b) Controle mecnico A utilizao de grade aradora ou niveladora pode ser utilizada como medida de controle fsico destes moluscos realizando o esmagamento e o enterramento destes no solo, infelizmente isto implica na eliminao do plantio direto em reas infestadas pela praga, sendo esta uma das ltimas medidas de controle a ser tomadas. O emprego de rolo compactador leve ou de triturador de palha, operao que deve ser realizada durante a noite, quando os caracis esto sobre as plantas e restos culturais, pode ajudar na reduo da populao destes gastrpodes antes da instalao da cultura principal. c) Controle qumico De maneira geral, o controle destes moluscos em pulverizao de rea total com inseticidas no apresenta resultados satisfatrios. Pulverizaes de metomil a 215 g i.a. ha-1 em mistura com sal de cozinha ou uria vinham sendo utilizadas para suprimir os danos causados pelos caracis na cultura do milho, no entanto a eficincia deste tratamento sempre foi baixa (menores que 50%) e com o aumento da infestao em determinadas reas tornou-se invivel. Aplicaes de sulfato de cobre na proporo de 0,5 kg.ha-1 podem ser realizadas nas lavouras no incio do desenvolvimento das plantas, na fase mais crtica do ataque dos caracis, apresentando controle abaixo de 50%. No entanto, este tratamento tem proporcionado a diminuio temporria do dano da praga possibilitando s plntulas desenvolverem-se e escapar dos danos causados pelos moluscos. Entretanto a utilizao de sulfato de cobre deve ser cautelosa para se evitar fitotoxicidade cultura e aumentos nos teores do solo a nveis txicos, alm de ser um produto altamente danoso aos equipamentos de pulverizao. Bons resultados com controle qumico tm sido obtidos atravs da utilizao de iscas txicas comerciais base de metaldedo na dosagem de 2 a 3 kg de iscas por hectare distribudas a lano. Para realizar a aplicao destas iscas normalmente utilizam-se enchimentos que viabilizem sua distribuio, podendo-se utilizar fertilizantes com granulometria uniforme aplicando-se uma quantidade da mistura suficiente para a distribuio a lano (geralmente 25 a 50 kg.ha-1). A pulverizao noturna de solues salinas concentradas base de uria, nitrato de amnia, cloreto de potssio, sulfato de amnia, etc. podem reduzir as populaes de caracis em lavouras de plantio direto numa proporo mdia de 50 kg de matria prima por hectare, utilizando-se diluio entre 100 e 120 l.ha-1 operao esta que deve ser realizada antes da emergncia das plantas de milho, para se evitar problemas com fitotoxicidade.95

Tecnologia e Produo: Milho Safrinha e Culturas de Inverno 2009

7.6. Lagarta-do-cartucho Spodoptera frugiperdaA lagarta-do-cartucho considerada uma das principais pragas do milho no Brasil. A mdia percentual de prejuzos causados pela lagarta-do-cartucho depende do estdio em que a planta se encontra na ocasio do ataque. Sendo assim, at os 30 dias de desenvolvimento da cultura podem ser esperados prejuzos da ordem de 15 %, j no florescimento podem chegar a 34%. Descrio e biologia O inseto adulto (Figura 7.7) uma mariposa que mede cerca de 35 mm de envergadura e apresenta uma colorao pardo-escura nas asas anteriores, e branco-acinzentada nas asas posteriores. As larvas recm-eclodidas alimentam-se da casca de seus ovos. Quando encontram hospedeiros adequados, elas comeam a alimentar-se dos tecidos verdes, geralmente comeando pelas reas mais tenras, deixando apenas a epiderme membranosa, provocando o sintoma conhecido como "folhas raspadas" (Figura 7.8). medida que as larvas crescem, comeam a fazer orifcios nas folhas, podendo destruir completamente as plantas mais novas; o ataque pode ocorrer desde os 10 dias aps a emergncia at a formao das espigas. A lagarta (Figura 7.9) completamente desenvolvida mede cerca de 40 mm, tem colorao varivel de pardo-escura, verde at quase preta e com um caracterstico Y invertido na parte frontal da cabea. A postura ocorre no limbo foliar em massas de ovos com incubao de trs dias, o perodo larval depende das condies de temperatura com durao mdia em torno de 20 dias. Findo este perodo, a larva geralmente vai para o solo onde se torna pupa. O perodo pupal varia de 10 a 12 dias nas pocas mais quentes do ano.FUNDAO MS

Figura 7.7. Adulto de Spodoptera frugiperda.FUNDAO MS

Figura 7.8. Folha de milho raspada por Spodoptera.

Danos As larvas de primeiro nstar geralmente consomem o tecido verde de um lado da folha, deixando intacta a epiderme membranosa do outro lado. Isto uma boa indicao da presena de larvas mais jovens na cultura do milho, uma vez que so poucos os insetos que apresentam hbitos semelhantes a este. A presena da larva no interior do cartucho da planta pode ser indicada pela quantidade de excrementos ainda frescos existentes na planta, ou abrindo-se as folhas, observando-se a Figura 7.9. Lagarta-do-cartucho Spodoptera frugiperda. presena de lagartas com cabea escura e um Y invertido caracterstico na parte frontal da cpsula ceflica. A lagarta-do-cartucho tambm pode danificar a lavoura de milho de forma semelhante a lagarta-elasmo e lagarta-rosca. A larva entra pela base da planta e alimenta-se do interior do colmo pouco desenvolvido provocando o sintoma conhecido de corao morto, tpico do ataque de elasmo. Em plantas maiores pode ocorrer o seccionamento total ou parcial do colmo, matando a planta semelhantemente ao ataque de lagarta-rosca. Geralmente este tipo de dano provocado por lagartas mais desenvolvidas. Uma outra modalidade de ataque da lagarta-do-cartucho que vem se tornando comum nos ltimos anos o dano causado s espigas do milho. Este tipo de prejuzo tem sido verificado com mais frequncia em hbridos de milho de ciclo mais curto, caracterizados pela rpida emisso do pendo. Dessa maneira acaba o cartucho da planta sem que a lagarta ali presente tenha atingido seu completo desenvolvimento. Assim, o inseto dirigi-se para o pendo ou para a espiga, sendo comum tambm alimentar-se do ponto de insero da espiga no colmo, seccionando-o. A lagarta tambm pode penetrar na base da espiga danificando gros e abrindo portas para a entrada de patgenos.96

FUNDAO MS

Tecnologia e Produo: Milho Safrinha e Culturas de Inverno 2009

7.6.1. Mtodos de controle da lagarta-do-cartucho

a) Controle biolgico Diversos inimigos naturais so citados como importantes agentes de controle da lagarta-do-cartucho, destacando-se os predadores de lagartas (besouros da famlia carabidae, percevejos reduvideos e tesourinhas); predadores de ovos (tesourinhas); parasitoides de lagartas (formas jovens de Ichneumonidae, Bracconidae e moscas da famlia Tachinidae), parasitoides de ovos (Trichograma spp.) e microrganismos entomopatognicos (fungos: Nomureae sp.,e Beuaveria sp. e vrus: baculovrus spodoptera). b) Controle Qumico O controle feito atravs de monitoramento da cultura e a aplicao do produto feita quando forem constatadas 10% de plantas atacadas (folhas raspadas), que o nvel de dano econmico da praga no milho. Os principais grupos de inseticidas para controle da lagarta-do-cartucho no milho safrinha so os carbamatos (carbaril, metomil e tiodicarbe), inibidores da sntese de quitina (lufenuron, diflubenzuron, triflumuron, novaluron e clorfuazuron), e espinosinas (espinosade), organofosforados (triazofs, triclorfon e parathion metlico) e piretrides (permetrina e lambdacialotrina) eventualmente podem ser utilizados mas h indcios de perda de sua eficcia (Tabela 7.4). No caso de ocorrncia de lagartas cortando plantas, as medidas de controle devem ser mais rpidas, uma vez que danos elevados diminuem o estande final da cultura, neste caso o jato de pulverizao deve ser direcionado para a base das plantas, dando-se preferncia para aplicaes noturnas com alto volume de calda.

Tabela 7.4. Inseticidas* recomendados para o controle da Largarta-do-cartucho Spodoptera frugiperda. Compilado por Degrande & Lopes (2007) a partir de informaes do Ministrio da Agricultura.

Ingrediente Ativo Alfa-cipermetrina Alfa-cipermetrina+Teflubenzuron(75+75) Beta-ciflutrina

Nome Comercial

Dose** (g i.a.ha-1)

Dose produto Intervalo de comercial segurana (dias) entre aplicao e colheita (kg ou l.ha-1)

Beta-ciflutrina+Imidacloprido (12,5+100) Beta-cipermetrina Carbaril Carbofurano

Ciflutrina Cipermetrina

Clorfenapir Clorfluazuron

5 Fastac 100 SC (11,25+11,25)a(12,75+12,75) Imunit 5 Bulldock 125 SC 5 Ducat 50 EC 5 Full 50 EC 5 Turbo 50 EC (9,37+75) a (12,5+100) Connect CS 7,5 a 10 Akito 100 CE 1125 a 1500 Carbaryl Fersol 75 DP 700 Carboran Fersol 350 SC 1000 a 1500 Diafuran 50 GR 1000 a 1500 Furadan 50 GR 700 a 1050 Furadan 350 TS 700 a 1050 Ralzer 350 TS 15 Baytroid 50 EC 10 a 16 Arrivo 200 EW 10 a 16 Cipermetrina Agria 200 EC 10 a 16,25 Cipermetrina Nortox 250EC 12,5 a 15 Cipertrin 250 EC 10 a 16 Commanche 200 EC 12,5 a 15 Cyptrin 250 EC 12,5 Galgotrin 250 EC 10 Ripcord 100 EC 120 a 180 Pirate 240 SC 7,5 a 15 Atrabon 50 EC

0,05 0,15 a 0,17 0,04 0,1 0,1 0,1 0,75 a 1,0 0,075 a 0,1 15 a 20 2/100kg 20 a 30 20 a 30 2 a 3/100kg 2 a 3/100kg 0,3 0,05 a 0,08 0,05 a 0,08 0,04 a 0,065 0,05 a 0,06 0,05 a 0,08 0,05 a 0,06 0,05 0,1 0,5 a 0,75 0,15 a 0,3

21 45 20 20 20 20 7 14 30 30 14 30 30 30 30 30 30 30 30 45 14Continua...

97

Tecnologia e Produo: Milho Safrinha e Culturas de Inverno 2009...continuao Tabela 7.4.

Ingrediente Ativo Clorpirifs

Nome Comercial

Dose** (g i.a.ha-1)

Dose produto Intervalo de comercial segurana (dias) entre -1 aplicao e colheita (kg ou l.ha )

135 a 225 Astro 450 EW 192 a 288 Catcher 480 EC 192 a 288 Clorpirifs Fersol 480 EC 192 a 288 Clorpirifs Sanachem 480EC 192 a 288 Klorpan 480 CE 192 a 288 Lorsban 480 BR CE 192 a 288 Nufos 480 CE 192 a 288 Pitcher 480 CE 192 Pyrinex 480 CE 135 a 225 Sabre 450 EW 192 a 288 Vexter 480 CE Cromafenozida 25 Ciclone 50 SC 25 Matric 50 SC Deltametrina 4a5 Decis Ultra 100 CE 5 Decis 25 CE 5,2 a 8 Decis 4 VL 2,5 a 3,75 Dominador 50 CS 5 Keshet 25 CE Deltametrina+Triazofs (10+350) (2,5+87,5) a (3,5+122,5) Deltaphos CE Diflubenzurom 25 Dimilin 250 WP Enxofre 800 Kumulus 800 WG Espinosade 18,24 a 48 Alea 480 CS 18,24 a 48 Tracer 480 CS Etofenproxi 21 a 30 Safety 300 CE 10 a 14 Trebon 100 CS Fenitrotiona 15 a 20 Sumidan 25 CE 500 a 750 Shumithion 500 CE Fenpropatrina 30 a 36 Danimem 300 CE 22,5 30 Meothrin 300 CE Furatiocarbe 640 Promet 400 SC Gama-cialotrina 36 Fentrol 600 SC 3,75 Nexide 150 SC 3,6 Stallion 60 SC 3,75 Stallion 150 SC Imidacloprido+Tiodicarbe (150+450) (45+135) a (135+157,5) Cropstar SC Lambda-cialotrina 7,5 Karate Zeon 50 CS 7,5 Karate Zeon 250 CS Lambda-cialotrina+Tiametoxam(106+141) Engeo Pleno CS (21,2+28,2)a(26,5+35,25) Lufenuron 15 Match 50 CE Malationa 1250 Malathion Sultox 500 CE Metomil 64,5 a 129 Lannate 215 SL 129 Lannate Express 215 SL 129 Methomex 215 SL Metoxifenozida 36 a 43,2 Inteprid 240 SC 36 a 43,2 Vallient 240 SC Novaluron 15 Gallaxy 100 CE 15 Rimon 100 CE Parationa-metlica 390 Ferus 600 CE 300 Folidol 600 CE 300 a 390 Folisuper 600 BR CE 390 Mentox 600 CE 390 Nitrosil 600 CE 315 Paracap 450 CS

0,3 a 0,5 0,4 a 0,6 0,4 a 0,6 0,4 a 0,6 0,4 a 0,6 0,4 a 0,6 0,4 a 0,6 0,4 a 0,6 0,4/100L 0,3 a 0,5 0,4 a 0,6 0,5 0,5 0,04 a 0,05 0,2 1,3 a 2 0,05 a 0,075 0,2 0,25 a 0,35 0,1 1 0,038 a 0,1 0,038 a 0,1 0,07 a 0,1 0,1 a 0,14 0,6 a 0,8 1 a 1,5 0,1 a 0,12 0,075 a 0,1 1,6/100kg 0,06 0,025 0,06 0,025 0,3 a 0,35 0,15 0,03 0,2 a 0,25 0,3 2,5 0,3 a 0,6 0,6 0,6 0,15 a 0,18 0,15 a 0,18 0,15 0,15 0,65 0,5 0,5 a 0,65 0,65 0,65 0,7

21 21 21 21 21 21 21 21 21 21 21 7 7 1 1 1 1 1 21 60 7 7 3 3 26 15 7 7 15 15 15 15 15 15 35 7 14 14 14 7 7 83 83 15 15 15 15 15 15Continua...

98

Tecnologia e Produo: Milho Safrinha e Culturas de Inverno 2009

...continuao Tabela 7.4.

Ingrediente Ativo Permetrina

Nome Comercial Permetrina Fersol 384 CE Piredan 384 CE Pounce 384 CE Supermetrina Agria 500 CE Talcord 250 CE Valon 384 CE Ofunack 400 CE Curacron 500 CE Polytrin 400/40 CE Mimic 240 CS Nomolt 150 CS Futur 300 SC Larvin 800 WG Semevin 350 SC Hostathion 400 BR CE Dipterex 500 SL Triclorfon 500 Milenia Alsystin 480 SC Alsytin 250 WP Certero 480 SC Rigel 250 WP Fury 180 EW Fury 200 EW Fury 400 EC

Dose** (g i.a.ha-1) 38,4 a 49,92 24,96 24,96 25 25 24,96 200 250 (100/10) a (160/16) 72 7,5 a 15 600 80 a 120 700 120 a 200 400 a 1000 500 a 1000 24 25 24 25 7,2 16 a 20 20 a 32

Dose produto Intervalo de comercial segurana (dias) entre -1 aplicao e colheita (kg ou l.ha )

Piridafentiona Profenofs Profenofs+Cipermentrina (400+40) Tebufenozida Teflubenzuron Tiodicarbe

Triazofs Triclorfon Triflumuron

Zeta-cipermetrina

0,1 a 0,13 0,065 0,065 0,05 0,1 0,065 0,5 0,5 0,25 a 0,4 0,3 0,05 a 0,1 2/100kg 0,1 a 0,15 2/100kg 0,3 a 0,5 0,8 a 2 1a2 0,05 0,1 0,05 0,1 0,04 0,08 a 0,1 0,05 a 0,08

45 45 45 45 45 45 7 7 30 60 45 30 21 7 7 20 28 20 20 20 20

* Antes de emitir indicao e/ou receiturio agronmico, consultar a relao de defensivos registrados no Ministrio da Agricultura e cadastrados na Secretaria de Agricultura de seu Estado. ** g i.a.ha-1 = gramas de ingrediente ativo por hectare.

7.7. Lagartas-das-espigas Helicoverpa zeaDescrio e biologia O inseto adulto uma mariposa com cerca de 40 mm de envergadura; as asas anteriores so de colorao amarelo-pardo, com uma faixa transversal mais escura, apresentando tambm manchas escuras dispersas sobre as asas. As asas posteriores so mais claras, com uma faixa nas bordas externas. A fmea fecundada pe os ovos em qualquer parte da planta, mas de preferncia nos "cabelos" da flor feminina, ou "boneca". Cada fmea deposita em mdia 1.000 ovos durante sua vida. Os ovos so geralmente depositados individualmente, e somente um ou dois por planta. Aps 3-4 dias d-se a ecloso das larvas que comeam a alimentar-se imediatamente. medida que elas se desenvolvem, penetram no interior da espiga e iniciam a destruio dos gros em formao. A larva completamente desenvolvida mede cerca de 35 mm e com colorao varivel de um verde-claro ou rosa para marrom ou quase preta, com partes mais claras. O perodo larval varia de 13 a 25 dias, aps este intervalo as larvas saem da espiga e vo para o solo para se tornarem pupas. O perodo pupal requer de 10 a 15 dias. Identificao no campo O ovo da H. zea mede cerca de 1 mm de dimetro podendo ser visualizado atravs de um exame minucioso da boneca, com uma lupa ou mesmo a olho nu. Aps a ecloso, as lagartas penetram nas espigas deixando um orifcio bem visvel. Na fase de milho verde, pelo despalhamento, geralmente se encontra uma lagarta no interior da espiga infestada. Prejuzos Os prejuzos mdios devido ao da lagarta-das-espigas no Brasil so da ordem de 8,4% (experimentos em Jaboticabal-SP) e decorrem de:99

Tecnologia e Produo: Milho Safrinha e Culturas de Inverno 2009

a) corte do cabelo da espiga, impedindo a fertilizao e consequentemente, provocando falhas na espiga; b) destruio dos gros da ponta da espiga; c) perfurao da palha, permitindo a penetrao de microrganismos. Alm do prejuzo direto causado pela lagarta-da-espiga, seu ataque favorece a infestao de outras pragas importantes, tais como o caruncho, Sitophilus zeamais e a traa Sitotroga cerealella.

7.7.1. Mtodos de controle da lagarta-das-espigasA importncia no controle populacional desta praga seria maior no caso da explorao do milho verde, sendo, neste caso, relacionado diretamente ao aspecto visual da espiga do que propriamente perda em peso. a) Controle Qumico O controle qumico da H. zea no tem sido (normalmente) realizado em funo da dificuldade de transito de maquinas e dificuldades no tratamento na cultura j formada e o problema da carncia do inseticida que deve ser respeitada. Na necessidade de realizao do controle qumico, deve ser realizada a aplicao area ou com equipamento pulverizador autopropelido. O controle da lagarta-das-espigas pode ser feito com os inseticidas apresentados na Tabela 7.5.

Tabela 7.5. Inseticidas* recomendados para o controle da Largarta-da-espiga Helicoverpa zea. Compilado por Degrande & Lopes (2007) a partir de informaes do Ministrio da Agricultura.

Nome Tcnico Carbaril Triclorfom

Nome Comercial Carbaryl Fersol 75 DP Dipterex 500 SL Triclorfon 500 Milenia

Dose** (g i.a.ha-1) 1125 a 1500 400 a 1000 500 a 1000

Dose produto comercial (kg ou l.ha-1)

Intervalo de segurana (dias) entre aplicao e colheita

15 a 20 0,8 a 2 1a2

14 7 7

*Antes de emitir indicao e/ou receiturio agronmico, consultar a relao de defensivos registrados no Ministrio da Agricultura e cadastrados na Secretaria da Agricultura de seu estado. **g i.a./ha= gramas do ingrediente ativo por hectare.

7.8. Broca da cana Diatraea saccharalisDescrio e biologia O adulto uma mariposa de colorao amarelo palha com variaes que podem atingir o tom do marrom amarelado. A envergadura dos adultos machos varia de 18-28 mm e das fmeas de 27-39 mm. O perodo de incubao dos ovos pode variar de 4 a 6 dias, o estdio larval pode durar de 25 a 30 dias em milho. A fase de pupa pode ser de 8 a 9 dias. Danos Na fase inicial de desenvolvimento das plantas de milho as lagartas podem atacar o cartucho, cujos danos se forem superficiais, resultam na formao de uma srie de furos transversais na lmina foliar, semelhante ao dano leve causado pelo percevejo barriga-verde (Figura 7.5). Se o dano for mais profundo o ponto de crescimento da planta pode ser atingido provocando o sintoma caracterstico de corao-morto. Em plantas de milhos mais desenvolvidas, as lagartas, geralmente de 3 nstar, penetram no colmo onde fazem galerias ascendentes. medida que se desenvolvem, a capacidade de dano das larvas aumenta fazendo com que o colmo das plantas fique enfraquecido e sujeito ao quebramento. Cada larva pode consumir de dois a trs ns. Eventualmente pode haver danos s espigas. A capacidade de dano mdio da praga pode resultar em perdas de 21 a 27% no rendimento de gros, no entanto, prejuzos maiores podem ocorrer, principalmente se o ataque ocorrer nos entrens prximos espiga, o que provavelmente afeta a relao fonte/dreno da planta.100

Tecnologia e Produo: Milho Safrinha e Culturas de Inverno 2009

7.8.1. Mtodos de controle da broca da canaa) Controle qumico O tratamento de sementes com inseticidas para o controle da lagarta-elasmo tambm tem efeito sobre a broca da cana em ataque na fase inicial da cultura do milho. Quanto ao uso de inseticidas em pulverizao, a utilizao de inibidores da sntese de quitina pode ter utilizao vivel, haja vista o comportamento da praga de somente broquear o colmo das plantas aps o 3 estdio larval. Sendo assim, a pulverizao deve ser determinada atravs de uma boa amostragem da rea para a identificao de ovos e lagartas recm eclodidas da praga com o objetivo de control-las antes de sua penetrao na planta. b) Controle biolgico Em cana-de-acar o controle biolgico de D. saccharalis a principal ferramenta de manejo desta praga, atravs da liberao massal de parasitides de larvas como Cotesia flavipes e mais recentemente de parasitides de ovos como Trichogramma galloi. Na cultura do milho a possibilidade de utilizao destes mesmos inimigos naturais possvel, no entanto, h antes a necessidade de integrao destas ferramentas com as tticas de controle da lagarta-do-cartucho, o que passa principalmente pela utilizao de inseticidas seletivos a estes inimigos naturais no controle da spodoptera.

7.9. Pulgo-do-milho Rhopalosiphum maidisDescrio e biologia O pulgo-do-milho Rhopalosiphum maidis um inseto sugador de seiva do floema e apresenta aparelho digestivo provido de uma estrutura chamada cmara filtro, cuja funo reter os aminocidos circulantes na seiva e eliminar o excesso de lquido absorvido, usualmente rico em acares. Formam colnias (Figura 7.10) com indivduos que medem de 0,9 a 2,6 mm de comprimento, com corpo mole e formato periforme, alados ou pteros, de colorao varivel do amarelo-esverdeado ao azul-esverdeado, quase preto com duas expanses no final do abdome denominadas sifnculos. Enquanto os indivduos alados so de migrao e disperso, os pteros so as ninfas e os adultos reprodutivos das colnias. Figura 7.10. Colnias de pulgo-do-milho. A reproduo do R. maidis em condies de clima tropical ocorre por partenognese teltoca, ou seja, sem concurso do macho e onde as fmeas do origem a outras fmeas; so insetos vivparos pois no ovipositam, as ninfas saem do corpo da me j completamente formadas. A reproduo pode ser contnua, com uma nova gerao ocorrendo a cada sete dias durante o vero. As caractersticas biolgicas so altamente dependentes das condies ambientais, sendo favorecidos por altas temperaturas e condies normais de umidade relativa do ar, entretanto em condies de umidade baixa e estiagem a situao pode se agravar, pois as plantas reduzem sua capacidade de suportar o ataque e o aumento da concentrao de fotoassimilados na seiva das plantas, devido baixa turgidez das clulas, favorece o desenvolvimento da praga. um inseto intimamente relacionado a desequilbrios biolgicos, principalmente aqueles causados pelo uso irracional de inseticidas na fase inicial de desenvolvimento da cultura Danos Os danos causados pelo pulgo-do-milho esto relacionados com a suco contnua da seiva das plantas que em perodos de estiagem apresenta consequncias mais srias: a) Sob condies de baixa umidade do ar e temperaturas elevadas a concentrao dos aminocidos e acares na seiva da planta aumenta beneficiando diretamente a biologia da praga e proporcionando condies favorveis para a incidncia de altas populaes do inseto;101FUNDAO MS

Tecnologia e Produo: Milho Safrinha e Culturas de Inverno 2009

b) Alm disso, em condies de estiagem, h o acmulo da substncia aucarada excretada pelos pulges a qual se deposita sobre os estigmas (cabelos da espiga) impedindo a entrada dos gros de plen, da mesma forma, devido infestao da praga ocorrer geralmente prxima ao pendoamento, esta substncia aucarada pode aglutinar os gros de plen impedindo-os de se dispersar. Este conjunto de fatores causa falha na polinizao e fecundao das espigas com consequente prejuzo na formao de gros. Somando-se a isto o pulgo-do-milho vetor de viroses, podendo transmitir o vrus do mosaico comum do milho.

7.9.1. Mtodos de controle do pulgo-do-milhoFUNDAO MS

a) Controle Natural Frequentemente as populaes do pulgo-do-milho so naturalmente mantidas sob controle devido existncia de diversos inimigos naturais associados a esta praga, como coccineldeos (Cycloneda sanguinea, Eriopis connexa), sirfdeos, crisopdeos e microimenperos (parasitides) que transformam os pulges em indivduos vulgarmente denominados de mmias (Figura 7.11).

b) Uso de prticas agronmicas A observao a campo de hbridos de milho mais suscetveis ao pulgo uma informao importante para estruturar as tticas de manejo. Outro fato a ser considerado o de se evitar o Figura 7.11. Mmia de pulgo-do-milho. escalonamento do plantio das reas de milho, para que no haja a migrao de pulges alados de lavouras mais velhas para outras mais novas, as quais sofreriam grande presso da praga e consequentemente maiores prejuzos. Alm disso, plantios de milho safrinha mais tardios estariam mais sujeitos a perodos de estiagem mais prolongados, favorecendo o ataque da praga. A constatao precoce da praga nas reas de cultivo tambm uma estratgia eficaz de manejo, uma vez que visa evitar prejuzos causados por altas infestaes e ainda facilita o controle. c) Controle qumico Os produtos registrados para o controle do pulgo-do-milho se resumem ao tratamento de sementes (Tabela 7.6), no entanto pulverizaes areas com inseticidas a base de neonicotinides tm apresentado bons resultados a campo, devendo-se respeitar, sempre, o perodo de carncia. Pulverizaes de parte area s se justificam se a infestao da praga tiver atingido populaes demasiadamente elevadas (mais de 100 indivduos por planta) em um percentual muito expressivo de plantas por hectare. Fatores agravantes como estresse hdrico prximo ao pendoamento das plantas pode potencializar os danos. A quantidade e diversidade de inimigos naturais na rea devem sempre ser levadas em considerao para a tomada de deciso com controle qumico.

Tabela 7.6. Inseticidas* recomendados para o controle do Pulgo-do-milho Rhopalosiphum maidis. Compilado por Degrande & Lopes (2007) a partir de informaes do Ministrio da Agricultura.

Nome Tcnico Clotianidina Imidacloprido Imidacloprido+Tiodicarbe(150+450)

Nome Comercial Poncho 600 FS Gaucho 600 FS Cropstar SC

Dose** (g i.a.ha-1) 240 240 (37,5+112,5)a(52,5+157,5)

Dose produto Intervalo de comercial segurana (dias) entre aplicao e colheita (kg ou l.ha-1)

0,4/100kg 0,4/100kg 0,25 a 0,35

-

* Antes de emitir indicao e/ou receiturio agronmico, consultar a relao de defensivos registrados no Ministrio da Agricultura e cadastrados na Secretaria de Agricultura de seu Estado. ** g i.a.ha-1 = gramas de ingrediente ativo por hectare.

102

Tecnologia e Produo: Milho Safrinha e Culturas de Inverno 2009

7.10. Resistncia a inseticidasA agricultura moderna baseada na macia utilizao de insumos onde agricultores e tcnicos muitas vezes no se preocupam ou desconhecem as conseqncias do emprego de produtos agrcolas. Constantemente a facilidade da utilizao de determinada tecnologia para o controle de pragas se torna to frequente que outros mtodos so esquecidos ou simplesmente ignorados, em consequncia disto toda comunidade produtora de uma regio passa a lanar mo de uma nica ferramenta que muitas vezes pode trazer consequncias indesejveis devido ao uso exagerado. Dentre estes insumos, os inseticidas caracterizam-se praticamente como a nica ferramenta utilizada para o controle de pragas da cultura do milho, abrangendo basicamente duas modalidades de aplicao, tratamento de sementes ou sulco e pulverizaes de parte area. Como consequncias dos malefcios que o uso exacerbado de inseticidas qumicos possa causar, pode-se mencionar a mudana de 'status' de pragas secundrias para a condio de pragas primrias, ressurgncias de pragas aps as aplicaes, efeitos prejudiciais sade humana, como resduos nos alimentos, gua e solo e ainda seleo de insetos e caros resistentes. A resistncia de insetos ou caros pragas nas culturas agrcolas tem se tornado frequente em vrias regies produtoras do mundo e nas mais diversas culturas. As consequncias imediatas desta seleo de indivduos resistentes a um determinado grupo qumico passam primeiramente pelo aumento das doses dos ingredientes ativos seguida pelo aumento na frequncia de aplicaes e por fim pela necessidade de substituio do produto, encarecendo os custos de produo. Na cultura do milho a lagarta-do-cartucho (Spodoptera frugiperda) a praga que sofre as maiores presses de seleo de indivduos resistentes, devido principalmente ao nmero de aplicaes a qual submetida ao longo das safras. No Brasil o primeiro caso de falhas no controle da lagarta-do-cartucho do milho ocorreu na safra 93/94 para o uso de inseticidas piretrides e organofosforados. Mais recentemente tem-se observado a campo tendncias na necessidade de aumento de doses de alguns carbamatos. Em algumas regies produtoras que cultivam milho vero e safrinha (geralmente sob piv), ou seja, pulverizam a praga praticamente o ano todo, outros grupos de inseticidas, como os inibidores da sntese de quitina, j mostram a necessidade do aumento do nmero de aplicaes e de dosagens por hectare. Dentre as ferramentas para se evitar ou retardar o mximo possvel a seleo de indivduos resistentes de S. frugiperda esto a realizao de aplicaes nos estdios mais suscetveis da praga (lagartas recm eclodidas), utilizao de boa tecnologia de aplicao nos horrios apropriados, conhecer se h casos de resistncia na regio e a quais grupos qumicos e rotacionar inseticidas com mecanismos de ao diferentes como pode ser observado na Tabela 7.7.

Tabela 7.7. Grupos qumicos e mecanismos de ao dos principais ingredientes ativos registrados para o controle de pragas na cultura do milho. FUNDAO MS, 2008.

Grupo Qumico Carbamatos

Mecanismo de Ao Inibidores da enzima acetilcolinesterase

Ingredientes Ativos Metomil Carbofurano Tiodicarbe Furatiocarbe Carbaril Lambdacialotrina Permetrina Bifentrina Alfa-cipermetrina Beta-ciflutrina Ciflutrina Cipermetrina Deltametrina Etofenproxi Fenpropatrina Gama-cialotrina Zeta-cipermetrina

Algumas Marcas Comerciais Lannate, Methomex Furadan, Furazin Larvin 800 WG, Semevin 350 SC, Futur 300 SC Promet 400 CS Carbaryl Fersol 75 DP Karate Zeon Pounce Capture 120 FS Fastac 100 CE Bulldock 125 SC Baytroid 50 CE Cyptrin 250 CE, Arrivo 250 CE, Galgotrin 250 CE Decis Ultra 100 CE, Decis 25 CE Safety 300 CE, Trebon 100 CS Danimen 300 CE Nexide 150 SC, Stallion 60 SC, Stallion 150 SC Fury 180 EW, Fury 200 EW, Fury 400 ECContinua...

Piretrides

Moduladores de canais de sdio

103

Tecnologia e Produo: Milho Safrinha e Culturas de Inverno 2009

...continuao da Tabela 7.7.

Grupo Qumico Neonicotinides

Mecanismo de Ao Agonistas de acetilcolina Antagonistas de Canais de Cloro mediados por GABA Agonistas de ecdiosterides (hormnio juvenil) Inibem a biossntese de quitina

Ingredientes Ativos Tiametoxam Clotianidina Imidacloprido Fipronil

Algumas Marcas Comerciais Cruiser 350 FS Poncho 600 FS Gaucho 600 FS Standak 250 SC

Fenipirazis

Diacilhidrazinas

Metoxifenoside Tebufenoside Teflubenzuron Clorfuazuron Diflubenzuron Lufenuron Novaluron Triflumiron Clorpirifs

Inteprid 240 SC, Vallient 240 SC Mimic 240 CS Nomolt 150 CS Atabron 50 EC Dimilin 250 WP Match 50 CE Gallaxy 100 CE, Rimon 100 CE Certero 480 SC Klorpan 480 CE, Lorsban 480 BR CE, Nufos 480 CE, Vexter 480 CE, Pyrinex 480 CE Hostathion 400 BR Shumithion 500 CE Malathion Sultox 500 CE Folisuper 600 BR CE, Paracap 450 CS, Ferus 600 CE Curacron 500 CE CropStar

Derivados de Uria

Organofosforados

Inibidores da enzima acetilcolinesterase

Triazofs Fenitrotiona Malationa Parationa-metlica Profenofs Misturas de Embalagem Inibidores da enzima Tiodicarbe + acetilcolinesterase + Imidacloprido Agonistas de acetilcolina Moduladores de canais Betaciflutrina + de sdio + Agonistas de Imidacloprido acetilcolina Lambdaciolotrina + Tiametoxam Cipermetrina + Tiametoxan Moduladores de canais de Deltametrina + sdio + Inibidores da Triazofs enzima acetilcolinesterase Profenofs + Cipermentrina Moduladores de canais de Alfa-cipermetrina + sdio + Inibem a Teflubenzuron biossntese de quitina

Carbamatos + Neonicotinides Piretrides + Neonicotinides

Connect Engeo Pleno Platinuma, Engeo Deltaphos CE Polytrin 400/40 CE Imunit

Piretrides + Organofosforados

Piretrides + Derivados de Uria

7.11. Literatura consultadaCRUZ, I. Lagarta-do-cartucho: o principal inimigo do milho. Cultivar, ano III, no 35, Dezembro de 2001. PAPA, G. & CELOTO, F.J. Obstculo gigantesco. Cultivar, ano IX, no 100, Setembro de 2007. GASSEN, D. Lesmas e caracis em plantas de lavouras. Cooperativa dos agricultores de plantio direto (Cooplantio). Informativo 046. PEREIRA, P. R. V. da S.; SALVADORI, J. R.; FIGUEIREDO, A.; FURIATTI, R. S. Ocorrncia do pulgo-do-milho Rhopalosiphum maidis (Fitch, 1856): identificao, biologia e danos. Comunicado Tcnico 200. Passo Fundo, RS. 2006. CRUZ, I. A broca da cana-de-acar, Diatraea saccharalis, em milho no Brasil. EMBRAPA MILHO E SORGO. Circular Tcnica 90, Sete Lagoas, 2007.104