01 - hermeneutica bíblica

Download 01 - Hermeneutica bíblica

Post on 06-Jun-2015

1.688 views

Category:

Spiritual

5 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

HERMENEUTICA BBLICA

TRANSCRIPT

  • 1. DEFINIO a cincia e a arte de interpretar a mensagem bblica.OBJETIVOS Tornar o autor contemporneo do leitor. Esclarecer tudo que haja de obscuro. Tornar o assunto compreensvel - II Pedro 3:15 e 16.

2. ARTEPorque contmregras definidas,organizadas.CINCIAPorque na hora de aplicar asregras h necessidade de bomsenso, sensibilidade. 3. Todo leitor umintrprete. Nem todos ossignificados claros soigualmente claros paratodos.O leitor como intrprete 4. As Escrituras defendem a necessidade de umaHermenutica Bblica. II Pedro 3:15, 16Algumas coisas difceis de serem entendidas. Luc. 24:27O prprio Senhor Jesus reconheceu a necessidade de explicar sEscrituras. II Tim. 2:15Paulo recomenda a Timteo que maneje bem as Escrituras. II Cor. 2:17No devemos corromper, falsificar as Escrituras. 5. Interpretando as Escrituras Trs tem sido as principais vises com respeitoa Bblia:1. A Bblia contm a Palavra de Deus2. A Bblia torna-se a Palavra de Deus3. A Bblia a palavra de Deus 6. Confiabilidade das Escrituras a Bblia confivel?1. Evidncia interna:a. Fio cristolgicob. Unidade temticac. Coernciad. Poder transformador 7. Confiabilidade das Escrituras a Bblia confivel?2. Evidncia Externa:a. Escritos cristos do perodo inicial da igreja queconfirmam a existncia dos escritores da Bbliab. Escritos no cristos que confirmam seu carterhistricoc. Manuscritosd. Arqueologia (Ex.: Rolos do Mar Morto)e. Profecia (cumprimento na Histria) 8. Confiabilidade das EscriturasAutor Escrito em (cpia maisantiga)Intervalo deTempoNmeros deManuscritosPlato 427-347 a.C 900 d.C 1.200 anos 7Tucdides 460-400 a.C 900 d.C 1.300 anos 8Tcito 100 d.C 1100 d.C 1.000 anos 20Suetnio 75-160 d.C 950 d.C 800 anos 8Homero (Ilada) 900 a.C 400 d.C 500 anos 643Novo Testamento 40-100 d.C 125 d.C 25-50 anos 24.000 9. Confiabilidade das Escrituras 2Pe 1:19-20 Temos, assim, tanto mais confirmada a palavraproftica, e fazeis bem em atend-la, como a umacandeia que brilha em lugar tenebroso, at que odia clareie e a estrela da alva nasa em vossocorao,sabendo, primeiramente, isto: quenenhuma profecia da Escritura provm departicular elucidao; porque nunca jamaisqualquer profecia foi dada por vontade humana;entretanto, homens santos falaram da parte deDeus, movidos pelo Esprito Santo. 10. O primeiro e mais elevado dever de todo serracional aprender das Escrituras o que averdade, e ento andar na luz, animando outros alhe seguirem o exemplo. Devemos dia aps diaestudar a Bblia, diligentemente, ponderandotodo pensamento e comparando passagem compassagem. Com o auxlio divino devemos formarnossas opinies por ns mesmos, visto termos deresponder por ns mesmos perante Deus. GC,598 11. Cumprimentos em grego Feliz sbado Bom dia Boa tarde 12. LNGUAS BBLICASGREGOARAMAICOHEBRAICO 13. HebraicoGregorsx.a, al{ y[iro hw"hy>ynIlE)h]n:y> tAxnUm. yme-l[; ynIcE+yBir>y: av,D< tAan>BiOu[twj ga.r hvga,phsen o` qeo.j to.n ko,smon(w[ste to.n ui`o.n to.n monogenh/ e;dwken( i[na pa/jo` pisteu,wn eivj auvto.n mh. avpo,lhtai avllV e;ch| zwh.n aivw,nion 14. A Escritura explicada pela Escritura, ouseja: a Bblia sua prpria intrprete.INCREDULIDADEHUMILDADE 15. ETAPASREVELAOILUMINAOINSPIRAO 16. Embora a Bblia tenha mantido os estilospessoais de expresso e liberdade dosescritores humanos, ela a palavra de Deus,e toda inspirada por Deus mediante oEsprito Santo. 17. Unicidade da BbliaOrigem DivinaII Ped. 1:20II Ped. 1:21II Tim. 3:16Dimenso humanaLinguagemCaractersticaspeculiares 18. POSIES:1o - A Bblia totalmente privada de erros.2o - A Bblia sem erro toda vez que fala sobre salvao e f,mas pode possuir erros em outros pontos.Ex. Comparar Mateus 27:9 com Zac 11:12-13A Bblia perfeita, mas no inerrante. 19. DIFICULDADES BBLICASMat. 27:37 - (comparar com Mar. 15:26; Luc. 23:38; Joo 19:19)I Cor. 10:8 com Nm. 25:9Lucas 7:45-46 com Mateus 26:7 20. A Bblia no privada de erros como dizem osinerrantistas, mas fidedigna em sua mensagem central(cristolgica e soteriolgica).Ns, Adventistas do 7o. Dia, no somos inerrantistas e nemliberais. Cremos nos fatos bblicos, mas sabemos que herros na Bblia, em face da limitao humana. 21. ANTIGO TESTAMENTOOs profetas assim como os ouvintes tinham plena convicode que a mensagem era de origem divina.NOVO TESTAMENTOI Tim. 5:18 (Dt 25:4; Lc 10:7)- Paulo cita um texto do AntigoTestamento e um do Novo Testamento e os coloca no mesmonvel chamando de Escritura. 22. Inspirao do AT1. A palavra do Senhor 239 vezes em 28 livros do AT2. Assim diz o Senhor 364 vezes 23. 4. Testemunho do NT 2 Pe 1: 21 homens inspirados pelo E. SantoLc 1:70 Deus falou pela boca dos profetas.Lc 24:27 As Escrituras falam de Cristo.2Tm 3:16 Toda a Escritura inspirada. 24. Nossas doutrinas so baseadas:1) Somente na Bblia?2) Somente no Esprito de Profecia?3) Na Bblia e no Esprito de Profecia?Resposta certa: Somente na Bblia 25. O princpio de Sola Scriptura reconhece aunicidade , a veracidade da Bblia.Reconhece a autoridade da Bblia.1o - Aqueles de nosso meio que rejeitam osescritos da senhora White, e sua autoridade comoprofeta.2o - Aqueles que consideram os escritos dasenhora White como uma segunda Bblia, comoalgo adicional ao Cnon bblico. 26. Princpios para uma interpretao daParbola do Rico e Lzaro uma parbola Contexto imediato A tica do AT exigia que os ricos cuidassem dospobres O rico da parbola era muito rico (favor divino) Lzaro era muito pobre (desabono divino?) Inverso Textos da tradio rabnica advertiam contra umapossvel condenao do rico no mundo porvir 27. Princpios para uma interpretao daParbola do Rico e Lzaro Narrativas do folclore judaico tocavam nesse assunto Alguns judeus do tempo de Jesus imaginavam queparte do tormento dos mpios consistia no fato deeles poderem observar o galardo dos fiis. Emcontrapartida, parte do descanso dos justos queestes podem observar a perplexidade dos mpios emface de seu tormento. 28. Princpios para uma interpretao daParbola do Rico e Lzaro RESUMO: Jesus toma emprestada a mentalidadefolclrica do judasmo de sua poca paraimpressionar a sua audincia quanto ao amor riqueza, e no quanto ao estado do homem namorte. E o que esta parbola fala sobre o estado do homemna morte? Resposta: NADA