&& revis£o pave ii 2 ano em lema materiais didticos

Download && Revis£o PAVE II 2 Ano EM LeMA MATERIAIS DIDTICOS

Post on 16-Apr-2015

105 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Slide 1
  • && Reviso PAVE II 2 Ano EM LeMA MATERIAIS DIDTICOS
  • Slide 2
  • Parte I HISTRIA GERAL
  • Slide 3
  • Frana Inserido no contexto de centralizao que se desenrola desde os Capetngios. Disputas Religiosas com os protestantes: Noite de So Bartolomeu: Massacre de cerca de 3 mil Huguenotes. Guerra dos Trs Henriques: Henrique III >> Henrique de Navarra X Henrique de Guise: Disputas de hegemonia poltica e pelo controle do Estado: Vitria de Henrique de Navarra (que era protestante). Henrique IV: O novo rei converte-se ao catolicismo e elaborao do Edito de Nantes (Liberdade de Culto protestante) Incio da Dinastia Bourbons: Lus XIII Cardeal Richelieu (Ministro): Inserem a Frana na Guerra dos 30 anos.
  • Slide 4
  • Guerra dos 30 Anos 1618 1648 Confronto entre: Frana X ustria (Habsburgos famlia que dominava a poltica no S.I.R.G. e na Espanha. Os Habsburgos pretendiam impor sua autoridade ao Sacro Imprio Romano Germnico. Uma das idias dos Habsburgos era expandir o Catolicismo aos estados protestantes, como uma forma de facilitar a expanso do seu absolutismo. Apoio francs Dinamarca e Sucia: Derrotados pelos Habsburgos. Frana na Guerra: A Frana queria evitar a expanso dos Habsburgos e o conseqente poder derivado dessa expanso. Vitria Francesa: Tratado de Westflia: A ustria obrigada a entregar a Alscia-Lorena para a Frana e a abrir mo de impor o Catolicismo e o absolutismo para a regio.
  • Slide 5
  • Lus XIV O Rei Sol Lus XIV 1643 1715: O principal rei absolutista francs: O Estado sou Eu; Rei Sol. Concentrou a nobreza francesa no Palcio de Versalhes, que mandou construir. Revogou o Edito de Nantes, para poder perseguir livremente os inimigos com a desculpa de serem protestantes. Envolveu a Frana em Guerras: Guerra de Sucesso Espanhola 1702 1714: Com a morte do Rei Espanhol, o trono deste pas passou para um neto de Lus XIV: Duque de Anjou. Lus XIV, torna o mesmo Anjou seu herdeiro testamentrio. Vrios pases europeus assustam-se com a possibilidade de uma unio entre Frana e Espanha: Guerra. Frana e Espanha X Inglaterra, Holanda e S.I.R.G. Guerra muito equilibrada e desgastante. Tratados de Utrechtd e Ramstad: Determinam a impossibilidade de unio entre Espanha e Frana; Frana e Espanha so obrigadas a entregar alguns territrios para a Inglaterra, pas que mais se beneficiou deste conflito. A Espanha obrigada a aceitar o Navio de Permisso: embarcao inglesa que levava produtos s colnias espanholas na Amrica, quebrando, dessa forma, com o pacto colonial. Os sucessores de Lus XIV Lus XV e Lus XVI seguiram uma poltica semelhante a do seu antecessor, tendo em vista os altos gastos com a corte e o envolvimento em guerras: Guerra dos Sete anos e Guerra de Independncia dos EUA.
  • Slide 6
  • Inglaterra Governos Tudor: Henrique VII: Assume o poder na Inglaterra e inicia o processo de centralizao; Henrique VIII: Rompe com a Igreja Catlica, atravs do Ato de Supremacia, criando a Igreja Anglicana. Desenvolve uma poltica de centralizao mais ampla q seu antecessor. Eduardo e Maria Tudor: Fazem governos curtos e sem muita expresso. Maria restabelece o catolicismo como religio oficial. Elizabeth I: Torna, mais uma vez o anglicanismo a religio oficial; Centraliza todas as esferas de poder; Vence os Espanhis no episdio da Invencvel Armada em 1588: esse conflito ocorre em decorrncia dos saques e da pirataria que os ingleses desenvolviam contra os espanhis. Persegue os opositores do regime. Morre em 1603 deixando o trono para seu primo, Jaime Stuart da Esccia.
  • Slide 7
  • Inglaterra: Stuart Jaime I 1603 1625: Desenvolve o absolutismo: Apia a vertente catlica dentro do anglicanismo; Promove a concentrao do poder em suas mos; Aumenta os impostos sem respeitar a Carta Magna; Fecha o Parlamento Ingls em 1618. Carlos I 1625 1648: Desenvolve uma poltica semelhante a de seu pai; Tenta impor o anglicanismo para a Esccia; Invaso de escoceses na Inglaterra.
  • Slide 8
  • Revoluo Inglesa: Puritana 1642 - 1648 1642 - Com a invaso de escoceses em territrio Ingls, o Rei pede auxlio ao parlamento que no se reunia desde 1618: O parlamento nega o apoio ao rei e desenvolve contra ele uma guerra: Parlamento X Rei Cabeas Redondas Cavaleiros Oliver Cromwell Nobreza Burguesia As tropas do Parlamento, lideradas por Oliver Cromwell, vencem as tropas do Rei, que foi decapitado.
  • Slide 9
  • Governo de Oliver Cromwell Transforma a Inglaterra em uma Repblica nico caso na histria desse pas. Governa a Inglaterra de forma Ditatorial. Expande a influncia inglesa. Lana o Ato de Navegao 1651: Proibio de navios estrangeiros aportarem na Inglaterra, com exceo dos navios com a bandeira do pas de origem das mercadorias. Esse ato gera uma guerra contra a Holanda: 1652 1654: Guerra contra a Holanda: Vitria da Inglaterra: Rainha dos Mares. Maior potncia martima do perodo. Em 1658, Cromwell morre e deixa o cargo para seu filho: Richard (Ricardo). Contudo, o sucessor de Cromwell no consegue manter o cargo por muito tempo e em 1659 inicia-se o processo de restaurao dos Stuart: Carlos II (filho do rei decapitado) 1660 1685: Mais uma vez desenvolve um governo de centralizao poltica. Seu governo bem semelhante ao dos Stuarts anteriores. Jaime II 1685 1688:
  • Slide 10
  • Revoluo Inglesa: Gloriosa 1688 -1689 Em 1688, o parlamento se articula e d um golpe, substituindo o Rei Stuart, por seu genro, Guilherme de Orange, que era casado com a filha do rei, Maria Tudor. Essa revolta chamada de Gloriosa, porque no houve derramamento de sangue, sendo que o rei Stuart no imps reao. Guilherme de Orange foi obrigado a aceitar a Bill of Rights (declarao de direitos). Uma espcie de constituio que garantiam ao parlamento que o rei no poderia governar de forma absoluta. A Inglaterra tornou-se uma Monarquia Parlamentarista. A Burguesia assume o comando poltico do pas. O Absolutismo tem fim na Inglaterra.
  • Slide 11
  • Iluminismo Sculo XVIII Frana: Caractersticas: Ideais Liberais: Burguesia. Pensamento racional; Incentivo educao; Concentrao de conhecimento; Combate ao absolutismo e ao catolicismo. Pr-Iluministas: John Lock: O poder emana do povo. Ren Descartes: Princpio da Dvida para chegar s verdades.
  • Slide 12
  • Iluminismo: Pensadores Voltaire (Jean Marie Arruet): Defendia a liberdade de expresso; Defendia uma Monarquia Constitucional; Despotismo Esclarecido: Idia de Voltaire para que os reis absolutistas pudessem se manter no poder. Para isso esses dspotas deveriam estar atualizados em relao s idias da Burguesia, grupo revolucionrio do perodo. Obra: Cndido, Zadig, Cartas Inglesas,... Montesquieu (Charles de Secondat): Diviso do Poder: Executivo; Legislativo; Judicirio. O legislativo deveria ser o poder mais forte. Para Montesquieu, a Monarquia deveria ser Constitucional. Obra: O Esprito das Leis.
  • Slide 13
  • Iluminismo: Pensadores Jean Jacques Rousseau: Defendia a idia de adaptao dos estados ao regime poltico ideal: Democracia: estados pequenos; Monarquia Constitucional Parlamentarista: estados mdios; Monarquia Constitucional com poder central forte: estados grandes. Alguns autores atribuem a Rousseau a idia de defensor da democracia e do fim da propriedade privada. Obra: Emlio, Contrato Social. Diderot e DAlembert: Enciclopedistas: Desenvolveram a Enciclopdia, obra que tinha como objetivo, compilar todo o conhecimento adquirido at ento; Essa obra foi proibida na Frana, por ser considerada subversiva.
  • Slide 14
  • Iluminismo: Economia Fisiocracia - Escola dos Fisiocratas: Turgot; Quesnay; Gournay. Defendiam a idia que a Terra era a maior riqueza. Sendo que tudo produzido oriundo dela. Gournay defendia o conceito do Laissez-Faire (deixe fazer), ou seja, a idia que o mercado se faz por conta prpria. Laissez-faire, laissez-passer, le monde vas par lui mme. Liberalismo Adam Smith. Idealizou o pensamento que acredita que o trabalho a maior riqueza existente. Sem trabalho no h nada. Defendia o trabalho livre. Acreditava que o mercado para funcionar corretamente deveria ser livre, sem a interferncia do Estado. A Origem da Riqueza das Naes sua principal obra.
  • Slide 15
  • Revoluo Industrial Inglaterra Sculo XVIII a partir de 1750 Mudana significativa na PRODUO. Utilizao de mquinas para tal fim. O Ferro e o Carvo (para o vapor) so as principais matrias-primas da iniciante indstria. Essa situao s pde ter sido proporcionada pelo enriquecimento contnuo da Inglaterra no processo de navegao ocenica. Acmulo de Capital. As fbricas so o resultado de um processo de desenvolvimento do trabalho dos artesos, que passa pelas suas oficinas, pelas manufaturas e chega nas indstrias. A mo-de-obra para essa indstria , em maior parte, oriunda do campo: xodo Rural. Os CERCAMENTOS, que expulsaram os camponeses das antigas terras comunais para o desenvolvimento da criao de ovelhas, so responsveis diretos por essa evaso do campo. Alm disso, existe toda uma expectativa de melhora de condies com a mudana do campo para a cidade. Nesse contexto surge a figura de Malthus: ele acreditava que mais cedo ou mais tarde a populao (que crescia em ritmo de PG) seria maior do que a capacidade de produo de alimentos (que crescia em ritmo de PA). Um verdadeiro exrcito de desempregados invadiu as cidades, o que tornava extremamente baixos os salrios pagos na indstria. Ainda no sentido de baratear os custos da produo e aumentar o lucro dos proprietrios das indstrias, cresce significativamente a utilizao do trabalho de crianas e de mulheres. No incio, a indstria txtil a grande responsvel pelo ritmo frentico de produo. A mquina a Vapor, aperfeioada por James Watts

View more >